Canção Nova lança autobiografia da passista Maria Lata D’água

Lançamento será no Acampamento ‘Vem Louvar’ durante feriado de carnaval na Canção Nova

Fonte: Assessoria Canção Nova 

“Lata D’água na cabeça – Da passarela ao Sacrário”, esse é o título da autobiografia e testemunho de Maria Mercedes Dantas, a “Maria Lata D’água”. Uma história de superação e fé é o que o leitor encontra nas páginas do livro.

Assista ao vídeo onde Maria Lata D’água conta como surgiu a inspiração da autobiografia e como foi recordar sua história.

Missionária da Comunidade Canção Nova desde 2004, Maria Mercedes Chaves Roy, 83 anos, é a mulher que inspirou a marchinha carnavalesca “Lata d’água na cabeça”, de Luís Antonio e Jota Júnior, em 1952.

A partir de uma linguagem simples e atraente, o livro traz a história da ex-passista nascida em Diamantina (MG), que, na infância, acompanhada pela mãe, pegava água numa bica para suprir a necessidade da família. Aos 11 anos, ela foi morar no Rio de Janeiro (RJ), onde, dos 13 aos 16 anos, foi menina de rua. Começou a beber e até os 33 anos viveu na prostituição.

:: Confira a programação do Acampamento Vem Louvar

:: Adquira o livro “Lata D’água na cabeça – Da passarela ao Sacrário”

Ícone do carnaval carioca, sambou pela primeira vez com uma lata cheia de água (20 litros) na cabeça aos 18 anos. “Na avenida, saía dançando apenas nas pontas dos dedos. Ajoelhava e sentava no chão, esticava as pernas, sentava nos pés, como uma bailarina, equilibrando a lata apenas com o pescoço. Não deixava cair nenhuma gota de água para fora!”, conta Maria, que desfilou por 45 anos na Sapucaí, pela Salgueiro, Portela, Estácio de Sá, Padre Miguel e Beija-Flor, além de fazer turnê por toda a Europa.

O livro também reúne fotos inéditas da carreira artística de Maria Lata D’água e de momentos importantes da sua vida, como seu casamento com um conde suíço e seu trabalho como missionária católica.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo