Jesus é apaixonado por mim

Nilton Junior. Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Nilton Júnior. Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Jesus é apaixonado por mim e por você. Ele está sempre disposto a vir em nosso auxílio.

Hoje, meditaremos a passagem bíblica em Lucas 7,1-10, quando Jesus cura o servo do centurião:

“Tendo Jesus concluído todos os seus discursos ao povo que o escutava, entrou em Cafarnaum. Havia lá um centurião que tinha um servo a quem muito estimava e que estava à morte. Tendo ouvido falar de Jesus, enviou-lhe alguns anciãos dos judeus, rogando-lhe que o viesse curar. Aproximando-se eles de Jesus, rogavam-lhe encarecidamente: Ele bem merece que lhe faças este favor, pois é amigo da nossa nação e foi ele mesmo quem nos edificou uma sinagoga. Jesus então foi com eles. E já não estava longe da casa, quando o centurião lhe mandou dizer por amigos seus: Senhor, não te incomodes tanto assim, porque não sou digno de que entres em minha casa; por isso nem me achei digno de chegar-me a ti, mas dize somente uma palavra e o meu servo será curado. Pois também eu, simples subalterno, tenho soldados às minhas ordens; e digo a um: Vai ali! E ele vai; e a outro: Vem cá! E ele vem; e ao meu servo: Faze isto! E ele o faz. Ouvindo estas palavras, Jesus ficou admirado. E, voltando-se para o povo que o ia seguindo, disse: Em verdade vos digo: nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé. Voltando para a casa do centurião os que haviam sido enviados, encontraram o servo curado.”

Vemos, nos versículos de 1 a 5, a história de uma autoridade local que, por meio dos anciãos, intercedeu por um servo querido que estava enfermo. Interessante é perceber que os judeus enalteceram o centurião, chamando-o “amigo da nossa nação”, por causa das suas boas obras. Quantas vezes fazemos isso! Por exemplo: comumente, vemos um filme do qual gostamos muito e tentamos levá-lo às pessoas próximas a nós, porque elas têm de assistir a tal filme. Falamos dele com entusiasmo! No entanto, apenas ouvir alguém narrar uma história não é o suficiente para que tenhamos convicção de algo, não é o suficiente para experienciarmos aquilo que a pessoa sentiu. Jesus podia ouvir os anciãos, mas não compactuar com eles; entretanto, conhecia o centurião muito além dos elogios, conhecia a necessidade dele.

Ele é apaixonado pelas nossas necessidades

Jesus é apaixonado pelas nossas necessidades, Ele sabe do que precisamos e queremos. Mas por que temos a tendência de fazer propaganda de nós mesmos para Deus? Porque temos medo de que nossos defeitos sejam muito mais evidentes do que nossas qualidades, tememos ser julgados e reprovados. Nossas vidas são marcadas pelos julgamentos que recebemos, pela maneira como somos rotulados.

Julgamos outras pessoas diariamente, especulando e manifestando nossa opinião e críticas cruéis a respeito dos erros e atitudes dos outros, mas, em nosso íntimo, temos medo de ser julgados. Imaginamos como é a imagem que Deus tem de nós, pois não queremos ser vistos pelos nossos erros.

É dia de buscar a mudança

Hoje é o dia de buscarmos a mudança. Existem pessoas nos esperando em casa e a expectativa delas é perceber nossas vidas impactadas. Jesus investe Seu amor em nós, mas como manifestar isso? Não só na igreja, mas no dia a dia, na nossa vivência. Ele é um médico que quer operar a nossa estima, quer mudar a nossa opinião a respeito de nós mesmo e a respeito dos outros.

Peregrinos participam da Quinta-Feira de Adoração. Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Peregrinos participam da Quinta-Feira de Adoração. Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Jesus é um investidor. Tal como um homem que faz uma grande construção, Ele quer investir tudo em nossa vida. Ele tem uma grande obra para realizar em nós.

Quando nos envolvemos com a obra, fazemos de nós agentes da Providência para vida de outros. O centurião evidencia uma atitude de fé e humildade quando declara não se achar digno de que Jesus entrasse em sua casa, demonstrando fé na palavra d’Ele. Interessante perceber que Jesus é objetivo e simples! Tal como ele se dispôs a ir em socorro do servo enfermo, também aceitou a humildade do centurião.

Que seja do jeito d’Ele

Questionamentos e inseguranças podem perturbar nossos corações, mas não devemos perder de vista que Deus sempre está no controle de tudo! A melhor escolha é seguir Sua Palavra e esperar n’Ele, colocarmo-nos na forma de Deus e permitir que Ele nos molde. Clamarmos a Jesus, para que nos ensine a viver segundo Sua vontade, é permitir que Ele nos transforme.

A experiência pessoal com Deus é a chave para que possamos confiar n’Ele e Lhe dar liberdade para trabalhar em nós. Precisamos ter uma fé racional e entender onde Ele precisa trabalhar em nós; e quando Lhe pedirmos uma mudança, não podemos desistir diante do primeiro desconforto, pois mudança gera desconforto.

É comum ouvirmos “eu quero pregar”, mas a maior pregação é o testemunho, é a vivência, porque ela é fruto do agir de Deus em nós. Não existe autoajuda que facilite esse processo, é um caminho de renúncia, de cruz e sacrifício.

Ao pedirmos que Ele entre em nossa casa, damos um passo de fé. Precisamos nos entregar por inteiro e permitir que o Espírito Santo trabalhe em nosso coração, em nossa casa e em nossas vidas. Não atrapalhemos o trabalho de Deus, mas O deixemos mexer e remexer em nossa vida, para nos colocarmos na forma d’Ele.


Nilton Junior


Consagrado da Comunidade Católica Pantokrator

Facebook
Twitter

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo