É preciso voltar a confiar em Deus totalmente

Materia---P---269x329

Padre Roger Luís – Foto: arquivo cancaonova.com

Olhando para a atitude das viúvas da liturgia de hoje precisamos voltar a confiar totalmente em Deus

Deus quer que nos empenhemos na vida que, de agora em diante, Ele quer que vivamos. Finalizando este ano litúrgico, a Igreja propõe que tenhamos a coragem de nos entregar nos braços de Deus, que é nosso Pai.

A Igreja nos propõe uma verdadeira confiança na providência de Deus e a certeza de que Ele cuida de seu povo. Para isto, Deus coloca o exemplo de duas viúvas na liturgia de hoje: a de Sarepta e a do Templo.

Temos conhecimento pela Palavra que esses dois modelos que hoje nos são apresentados tiveram a coragem de confiar, se entregar. Diante daquilo que o Senhor nos chama, precisamos olhar como se fôssemos uma criança que se entrega nos braços do pai.

Olhando para a atitude destas viúvas precisamos voltar a confiar totalmente em Deus. Podemos pensar que elas foram imprudentes porque deram a Deus tudo o que tinham. O que nos faz confiar em Deus a este ponto é o amor. Devemos estar convencidos de que Deus nos ama.

Quando entendemos o amor de Deus por nós, somos levados a uma entrega total e a fazer uma experiência. Aqui abro um parêntese para você que quer ser de Deus: o Senhor não priva seus profetas de viverem o mesmo que o seu povo vive. Às vezes, pensamos que, por trabalhar para o Senhor, não vamos passar por algumas situações que não desejamos.

O profeta Elias, de que fala a primeira leitura hoje, estava na torrente de Carit porque estava fugindo do povo. Ele havia denunciado os pecados do povo e por isto foi perseguido. O profeta estava passando pela profecia dele, a carestia, mas ao mesmo tempo experimentava o cuidado de Deus. Ele saiu de Jerusalém e encontrou uma pobre viúva que não tinha nada. Aquela mulher não pregava a fé no Deus de Israel mas, ainda assim, escutou Elias.

“Elias pôs-se a caminho e foi para Sarepta. Ao chegar à porta da cidade, viu uma viúva apanhando lenha. Ele chamou-a e disse:

“Por favor, traze-me um pouco de água numa vasilha para eu beber”.Quando ela ia buscar água, Elias gritou-lhe: “Por favor, traze-me também um pedaço de pão em tua mão”. Ela respondeu: “Pela vida do Senhor, teu Deus, não tenho pão. Só tenho um punhado de farinha numa vasilha e um pouco de azeite na jarra. Eu estava apanhando dois pedaços de lenha, a fim de preparar esse resto para mim e meu filho, para comermos e depois esperar a morte”. Elias replicou-lhe: “Não te preocupes! Vai e faze como disseste. Mas, primeiro, prepara-me com isso um pãozinho e traze-o. Depois farás o mesmo para ti e teu filho. Porque assim fala o Senhor, Deus de Israel: ‘A vasilha de farinha não acabará e a jarra de azeite não diminuirá, até ao dia em que o Senhor enviar a chuva sobre a face da terra’”. A mulher foi e fez como Elias lhe tinha dito. E comeram, ele e ela e sua casa, durante muito tempo. A farinha da vasilha não acabou nem diminuiu o óleo da jarra, conforme o que o Senhor tinha dito por intermédio de Elias.” (1Rs 17,10-16)

Ela acreditou, confiou na providência divina, acreditou na palavra do Deus de Israel pela boca do profeta. E disse: “Pela boca do teu Deus”. Ele não era o Deus dela, mas ela o atendeu. Assim precisamos ser, entregar-nos a Deus tudo o que temos, não retendo nada para nós. Precisamos olhar para Deus com confiança e acreditarmos que Ele cuida de nós em cada detalhe.

Devo abandonar minha vida nas mãos de Deus, acreditando que tudo concorre para o bem dos que O amam. Precisamos ter fé que o Senhor nos acompanhará na carestia. Devo abandonar e deixar Deus conduzir tudo, viver abandonado, rendido, porque mais forte é meu libertador.

É preciso sair da soberba

Preciso sair da soberba, de querer ser conselheiro de Deus, dizendo a Ele que não está certo, pedindo que Ele repense as suas provações, suas dificuldades. Quem tentou aconselhar Deus, dizer que o que Ele tinha decidido fazer não estava certo se chama Lúcifer. Quando Deus disse aos anjos que eles serviriam aos homens, ele não aceitou. Julgou a Deus e não acreditou que aquela seria a atitude certa.

Precisamos ter a humildade de querer experimentar a mão de Deus em nossas vidas. Aquela viúva de que fala a primeira leitura nem acreditava em Deus, mas quis viver a experiência de acreditar no que Ele dizia pela boca do profeta.

Precisamos lembrar da parábola que Jesus conta, aquele homem que construiu celeiros e os encheu e morreu. Encheu para que? Para a avareza. Precisamos aprender a confiar em Deus. Não pense que você não vai enfrentar tribulações, dificuldades, tentações, porque vai, mas agora temos a certeza de que mais forte é o meu libertador”.

Precisamos nos libertar dessa mentalidade avarenta e acreditar que Deus cuida de nós.

[Tweet “Crer na Palavra de Deus é confiar.”]

Quero usar três idiomas diferentes para explicar a palavra verdade:

Aletheia, do grego, significa: crer porque viu.

Do latim, é veritas: verdade testemunhal, a pessoa acredita porque ouviu.

Emunah, do hebraico, é uma verdade de confiança, eu não vi, mas eu confio porque me foi dito por meu pai.

Preciso acreditar num Deus que me leva a uma entrega total. A generosidade diz de alguém que decidiu dar sua vida inteira a alguém. Somos convidados à generosidade de dar a Deus o que temos.

“Tesouros mal adquiridos de nada servem, mas a justiça livra da morte. O Senhor não deixa o justo passar fome, mas repele a cobiça do ímpio.” (Provérbios 10, 2 -3)

Precisamos crer da forma hebraica de se traduzir a palavra verdade. Precisamos assumir em nome de Jesus a fé, a esperança na promessa de Deus e não na conversa dos homens. Precisamos acreditar e caminhar na confiança e na verdade como promessa.

Elias foi sustentado com o pão nosso de cada dia, Daniel foi jogado na cova dos leões. Jesus nos diz que não percebemos, mas Deus cuida das pequenas aves do céu, que dirá de nós. Não corramos atrás de nada que não seja o Senhor.

Confie na Palavra, em Deus, abandone-se. Aquela viúva contemplada por Jesus deu tudo o que tinha.

Jesus vai voltar

Jesus voltará, como diz a Carta de São Paulo, não sabemos quando Ele virá, portanto saiamos da avareza, das tentações deste mundo. Tenha confiança em Deus, Ele dará a última palavra diante das injustiças deste mundo e no dia final ele coroará você. A Palavra de Deus deve nos sustentar.

Não podemos viver uma fé interesseira porque queremos alguma coisa e por isso buscamos Deus. Depois que conseguimos algumas coisas arrefecemos de volta. Com essa fé frouxa buscamos Deus em outros lugares, acreditamos nos homens em vez de Deus.

Precisamos da entrega daquela viúva que recebeu de Deus o elogio, o Senhor reconheceu e mostrou que naquela mulher é que estava o valor.

São Cipriano afirma que aqueles que colocam sua confiança neste mundo são fariseus, não são cristãos verdadeiros. Este santo vivia na igreja primitiva em que ninguém passava dificuldades. Esta deve ser nossa experiência, de compartilhar os dons, os bens. É preciso se envolver em obras sociais, nas pastorais, sem medo de dar, entregar e abandonar.

Por que Deus ficou olhando o que as pessoas entregavam? Porque Ele mesmo era toda a entrega, não entregou apenas o que tinha, mas tudo, até a vida.

Mais forte é o meu libertador, a força está no amor, este que se entregou totalmente por mim e por você, este amor se chama Jesus.

Transcrição e adaptação: Rogéria Nair

Adquira esta pregação pelo telefone: (12) 3186 – 2600

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo