"Sejamos constantes na oração" (Rm 12, 11-12)

Sejamos constantes na oração (Rm 12, 11-12)

Padre Fabrício Andrade. Foto: Arquivo/cancaonova.com

Ser perseverante na oração significa que precisamos ter coragem conforme as variações nas nossas vidas

“Os olhos do Senhor estão voltados para os justos, e seus ouvidos atentos aos seus clamores. O Senhor volta a sua face irritada contra os que fazem o mal, para apagar da terra a lembrança deles. Apenas clamaram os justos, o Senhor os atendeu e os livrou de todas as suas angústias. O Senhor está perto dos contritos de coração, e salva os que têm o espírito abatido. São numerosas as tribulações do justo, mas de todas o livra o Senhor”, (Salmos 34).

Muitas vezes, nós somos desafiados a proclamar a bondade do Senhor em meio a tantos problemas. Achamos que Deus é bom, só quando não temos problemas. Mas, quando os problemas chegam na nossa vida, eles não nos avisam quando irão chegar. Mesmo nos problemas, Deus continua sendo bom. Só que nos problemas somos arrastados por tantas dificuldades que nos esquecemos que Deus é bom. O pai que tem o filho na UTI, ele vai lá e cuida mais ainda desse filho, e talvez o outro irmão diga: “Meus pais amam mais este irmão do que a mim”. Mas, não! Naquele momento aquele filho que está doente precisa de mais cuidado. O amor de Deus é mais perfeito do que o amor dos pais que amam o filho.

Em alguns momentos achamos que Deus não é bom conosco, por passarmos pelas dificuldades. A todo momento, em qualquer provação, Deus continua sendo bom. “Seus ouvidos estão atentos aos nossos clamores”, como vai dizer o Salmista.

A perseverança não faz de nós pessoas que não se importam com os acontecimentos da vida. A vida é como uma montanha russa, vai começando  devagar, logo vai subindo. Ser perseverante na oração significa que precisamos ter coragem conforme as variações nas nossas vidas. A mãe se alegra com um filho que nasce, mas sofre as exigências de um filho. A nossa vida não é um pilastra, ela não é uniforme. Ser forte na tribulação não é dizer: “Nada vai me abalar. Quem tem Deus não tem angústia”. Não é assim. As situações afetam os nossos sentimentos. As ondas de problemas podem nos sufocar, mas podemos escolher andar por cima dessas ondas. Um surfista vê uma onda gigantesca, a sua alegria é passar por cima, ou se deixar ser levado pela onda e se afogar.

Às vezes, você coloca lá na sua agenda os seus planejamentos, e vai vendo que muitas coisas acontecem como você não esperava. Os acontecimentos afetam o nosso jeito de pensar, mas, ou deixamos ser carregados pelo tsunami por baixo, ou vamos por cima surfando nesta onda.

“Busquei ao Senhor, e ele me respondeu; livrou-me de todos os meus temores” (Salmo4). Esta pessoa, não deixou ser sucumbida por esta onda, mas surfou sobre ela. Você escolhe como enfrentar os problemas. Mas, você não escolhe se o problema vai chegar ou não, ele está ai. Eu não sei qual é o medo que você vive, mas o medo afeta o nosso jeito de pensar! Eu passei por estes dias por um medo na casa da missão de Lavrinhas (SP), onde moro. No retiro de carnaval estava aparecendo muitas cobras. Rezando o terço fui caminhando pela chácara de casa, para pedir a Deus, que não deixasse que essas cobras ferissem ninguém, e em um momento eu perdi a conta do terço, quando olhei para baixo, eu parei ao lado de uma cobra coral ao lado do meu pé, e eu fiquei paralisado. Sabe quando você senta e a perna fica dormente? Então, a minha ficou assim. Muitas vezes, diante do problema nós vamos nos paralisar. Deus me livrou, mas eu não posso dizer que eu sou um homem forte na tribulação e não tive medo, pois eu tive medo! Me afetou ou não me afetou? Afetou. Mas eu usei o medo que eu tinha para ter fé em Deus e confiar. Contei o que me aconteceu, porque as tribulações vão nos afetar, mas não podemos sucumbir, mas ir por cima da onda. Os meus sentimentos podem me sucumbir, dependendo da minha escolha, ou me levam para frente. Você pode usar os seus problemas de saúde para te sucumbirem, ou para você surfar sobre eles.

“O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra”, (Salmos 34,7). Existe um anjo acampado em volta de quem está na tribulação. Agora, se você usa a tribulação para se revoltar contra Deus, você coloca esse anjo contra você.

Sejamos constantes na oração (Rm 12, 11-12)

“A pessoa que é forte na tribulação, vai por cima da onda e não se deixa levar pelos problemas”, afirma padre Fabrício Andra. Foto: Arquivo/cancaonova.com

“Temei ao Senhor, vós, os seus santos, pois nada falta aos que o temem”, (Salmos 34,9). No tempo da tribulação, a primeira coisa que fazemos é tampar os ouvidos. Como a esposa que não quer ouvir o marido e fica cantarolando. No tempo da tribulação, Deus quer falar com você. Quem tampa os ouvidos, tampa o coração. A nossa sensibilidade nos ajuda a rezar. O forte na tribulação é afetado pelos medos e pelas angústia, mas ele usa desses sentimentos, desse medo para ir mais para a frente surfando. O forte na tribulação vê aquela onda grande e diz: “Agora eu vou mais para Deus”. Muita gente diz: “Só Jesus na causa”, porque percebeu que não ia dar conta sozinho. Só depois que fez tudo é que lembra de Jesus. Precisamos colocar Jesus na causa no primeiro momento, não podemos querer agir com as nossas forças.

O justo não é uma pessoa perfeita. Justo é uma pessoa que aprendeu a ir se ajustando, e com isso, não pode ser aquela pedra dura, mas de tempo em tempo, ela vai se deixando ajustar diante das situações; como no casamento, que no começo precisa se ajustar, mas depois com o tempo a esposa até já dá conselhos para a jovem que acabou de casar: “ Calma minha filha, vai passar”.

A nossa vida é essa montanha russa logo lá em cima, e depois  lá em baixo. A pessoa que é forte na tribulação, vai por cima da onda, e não se deixar levar pelos problemas.

Os pais conhecem o pedido de socorro dos filhos, eles sabem quando é choro, quando é dor ou birra. Deus é mais pai e mãe do que todos nós juntos, Ele nos conhece.

“Perto está o Senhor dos que têm o coração quebrantado, e salva os contritos de espírito”,(Salmos 34,18). É preciso que você tenha olhos para ver, ouvidos para ouvir e a boca para rezar. Se você está desanimado hoje, use desse desânimo para rezar. Se você veio hoje para encontrar a receita para acabar com os seus problemas, você vai se decepcionar. Jesus não dá a solução para os nossos problemas. Ele é a solução e o caminho que temos que percorrer. Qual é o buraco que você precisa pedir para o Senhor te livrar? Deus quer nos resgatar de tudo aquilo que deixamos nos sucumbir. Uma pessoa que está pedindo socorro, afogando, ela não escolhe a hora e o momento, mas a primeira mão que ela vê, ela agarra. Quando um homem e uma mulher entendem que aquilo que estão passando podem os levar a rezar, eles surfam por cima das ondas das dificuldades.

Transcrição e adaptação: Jakeline Megda D’ Onofrio.

ADQUIRA ESSA PREGAÇÃO PELO TELEFONE
(12) 31862600

contribuicaocn


Padre Fabrício Andrade


Sacerdote da Comunidade Canção Nova

Facebook
Twitter

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo