Levanta-te e anda.– O desafio de chegar até o fim

Emanuel Stênio
Foto: Maria Andrea/Fotos CN

A grande razão pela qual estamos aqui é que buscamos ser transformados pela Palavra de Deus e encontrados pelo amor de Jesus, que se apresenta nos sacramentos. Por isso, abra-se para que Ele possa agir em sua vida.

Irmãos, nós precisamos nos deixar ser tocados pela graça especial deste momento e crer que a Palavra vai nos tocar. Até mesmo você, que já tem uma caminhada, permita-se ser alcançado por Deus.

No meu livro, relato essa passagem da Sagrada Escritura: “Pedro e João iam subindo ao Templo para a oração das três horas da tarde, quando viram trazer um homem, coxo de nascença. Costumavam colocá-lo todos os dias na porta do Templo chamada Formosa, para pedir esmola aos que entravam no Templo. Quando viu Pedro e João entrando no Templo, o homem pediu uma esmola. Pedro e João olharam bem para o homem. E Pedro disse: “Olhe para nós.” O homem olhou os dois com atenção, esperando receber alguma coisa. Então Pedro disse: “Não tenho ouro nem prata, mas o que tenho eu lhe dou: em nome de Jesus Cristo, o Nazareu, levante-se e comece a andar!” Depois Pedro pegou a mão direita do homem e o ajudou a se levantar. Na mesma hora, os pés e tornozelos do homem ficaram firmes. Então ele deu um pulo, ficou de pé e começou a andar. E entrou no Templo junto com Pedro e João, andando, pulando e louvando a Deus. O povo todo viu o homem andando e louvando a Deus. Reconheceram que era ele quem ficava pedindo esmolas na porta Formosa do Templo. E ficaram admirados e espantados com o que havia acontecido a ele.” At 3, 1


Tenho a graça de, nessa pregação, lançar meu primeiro livro ‘Levanta-te e anda – O desafio de chegar até o fim’, inspirado numa missão em Parintins, no Amazonas, no 4º Congresso PHN. Ao retornar à Canção Nova, empolgado pela missão, pude ouvir da cofundadora da comunidade, Luzia Santiago: “Começar, muita gente começa, mas perseverar é uma virtude dos santos”. Irmãos, isso é uma verdade! Muitos daqueles que começaram conosco a caminhada de fé desistiram pelo caminho, bem como aqueles que também começaram conosco, ainda estão na Igreja, mas não têm uma busca pela santidade.
Muitos desses desistiram pelo medo, por ser sentirem incapazes de prosseguir. Isso é tentação do demônio! Quanto mais rezarmos, mais seremos tentados, pois ele quer derrubar aqueles que estão buscando a santidade. O inimigo quer ver cada um de nós prostrados no chão, por isso ele nos tenta e prova. Quando consegue nos derrubar, ele vem com a segunda arma: a acusação. O diabo joga em nossa cara os nossos pecados e nos deixa prostrados. Muitos dos ministros de músicas e agentes de pastoral desistiram, porque o demônio os acusavam depois de os terem tentado.Amados, mesmo em nossas quedas o Senhor olha para nós e nos dá a oportunidade de escrevermos uma nova história. O Senhor quer nos levantar, por isso não permitamos que o demônio nos acuse.

Perdoe-nos, Senhor, pelas acusações que fizemos, porque muitos podem estar desanimados pelas palavras que proferimos. Esses, que desistiram, querem voltar. Deus precisa e quer levantar um juventude santa. Monsenhor Jonas, em uma de suas pregações, pediu-nos para que vivêssemos o PHN. Irmãos, tenhamos coragem de viver!

O mundo em que vivemos é de perversidade e egoísmo, ele tem nos deixado no chão, por isso vivemos uma vida medíocre e fútil.

Em muitas outras passagem da Bíblia, o Senhor, ao se manifestar, pedia para que aquele povo se levantasse, pois Ele não os queria prostrados no chão.

Na passagem do Filho Pródigo, em um determinado momento, o filho que gastou tudo se viu comendo a lavagem dos porcos. A Palavra nos diz que ele caiu em si e disse: “Vou voltar”. Na página 25 do meu livro, eu falo sobre isso: “É preciso cair em si”. Nós temos de nos questionar a respeito da vontade de Deus em nossas vidas. O Senhor não nos criou para viver uma vida de mediocridade.

“Você não nasceu para mendigar, mas para ser alimentado por Cristo”. Foto: Maria Andrea/Fotos CN

 :: Veja fotos no Flickr
:: Veja + fotos também no Facebook

A Pastoral da Sobriedade tem um trabalho muito importante em nossa Igreja; ela tem levado muitos homens e mulheres a se libertarem de seus vícios. Em sua regra de 12 pontos, a primeira é “assumir”. Irmãos, é isso que o Senhor quer que façamos, que assumamos a nossa identidade de filhos de Deus!

Muitos de nós estamos como aquele Filho Pródigo, alimentando-nos de esmolas ou de comida que o mundo nos oferece, estamos mendigando amor.

Você não nasceu para mendigar, mas para ser alimentado por Cristo, a Vida Eterna, por isso, busque o Senhor e não viva na superficialidade. Abra o seu coração para que o Senhor o alcance. Saia da porta e entre na Igreja, viva uma vida de radicalidade e comprometa-se com a Palavra de Deus.

Se quiser pedir esmolas, peça-a à Pessoa certa. Não mendigue amor do mundo! Olhe para os olhos do Senhor, pois é o olhar d’Ele que nos reergue.

Como o Papa nos falou hoje de manhã no Angelus: “Deus nunca cansa de nos perdoar, somos nós que nos cansamos de pedir perdão”. Não fique parado, busque o perdão de Deus.

“Não, não pare! É graça divina começar bem, graça maior persistir na caminhada certa, manter o ritmo. Mas a graça das graças é não desistir. Podendo ou não; caindo, embora aos passos, chegamos ao fim!”

Dom Hélder Câmara

 
Transcrição e adaptação: Luana Oliveira

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo