Qual presente você pode oferecer a Deus?

Qual presente que você pode oferecer a Deus?

Missa sobriedade-vertical-materia

Dom Irineu Danelon – Foto: Daniel Mafra/Canção Nova

É o mesmo presente que Jesus ofereceu ao Pai. Quando não oferecemos o mesmo que Jesus ofereceu, diante do altar, parecemos estar fora dos trilhos, fora da vontade de Deus.

Aquilo que você faz durante o dia, você deve ter a coragem de ofertar no altar. Mas se você usa drogas, teria a coragem de colocá-la no altar? Então não se drogue! Não faça longe do altar o que você não pode oferecer a Deus nele.

O maior presente que podemos ofertar a Deus é a nossa vida. A hóstia e o vinho são escolhidos para serem colocados no altar para representar que eles não nascem assim, não nascem vinho nem pão, mas foram frutos apanhados, que passaram por um sacrifício dos homens até chegarem ao altar. Tudo o que é bom custa. Não oferecemos bois, nem cabritos, nem bezerros, porque precisamos ofertar no altar o que é feito com amor.

Precisamos começar na segunda a preparar nossas ofertas que serão apresentadas no altar no domingo. O que você pode ofertar a Deus? Bebida, drogas, mentiras, sexo desenfreado? Vejamos o que fazemos no dia dia para ofertar a Deus.

Jesus veio nos trazer vida plena e nós não podemos nos contentar com uma vida medíocre e parcial. Como o Evangelho nos diz, a nossa casa deve estar firme. Se a casa está caindo isso não é obra de Deus, é porque não estamos sabendo levar nossas vidas.

Missa sobriedade--595x420-Materia

Participantes da Santa Missa no Acampamento da Pastoral da Sobriedade – Foto: Daniel Mafra/CN

São João Crisóstomo é cultuado porque soube levar a vida na presença de Deus. Se hoje eu dou um passo errado, amanhã outro, no fim não consigo chegar a lugar nenhum.

Quando Jesus nos diz: “Fazei isto em memória de mim”, Ele quer dizer que devemos apresentar a Ele o que nos custa.

Cuidar de dependentes químicos é exigente, não podemos ter simplesmente um “amorzinho” por eles. Pois o cuidado com eles é uma maior de que não recebemos nada em troca, muitas vezes. Devemos dar amor gratuito, não amar porque somos amados, amar porque Deus nos ama.

Transcrição e adaptação: Rogéria Nair


Dom Irineu Danelon


Bispo da Diocese de Lins – SP

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo