Jovem de 17 anos testemunha sua recuperação das drogas

Ouça este testemunho, na íntegra
\”Nasci numa família muito complicada, no meio da droga, da violência, com pessoas que me levaram para o caminho mal, longe da Igreja e ainda ajudava a levar outros para esta situação. Eu acabei caindo neste mundo, acabei com a minha vida e com a vida de muitas outras pessoas também.

Graças a Deus, quando eu estava no fundo do poço surgiram pessoas como anjos na minha vida. Eles acreditaram em mim quando ninguém mais acreditava. Meus tios queriam me levar para a Igreja, me apresentaram a Pastoral da Sobriedade. Eu não queria, tentei fugir, mas acabei indo morar com ele. E apesar de não ter aceitado logo a proposta de mudar, aprendi a me amar, saber que sou importante para Deus. Para mim, eu não era importante para ninguém.

Graças a Deus, hoje eu vivo na sobriedade e não quero sair desse caminho. Se algum jovem está assistindo agora, obrigado pelos pais, digo a vocês que o primeiro passo é querer, é se abrir.\”
Gabriela, 17 anos
Angra dos Reis/RJ

Ouça este testemunho, na íntegra
\”Fui dependente, comecei a beber muito cedo – mais ou menos com 13 anos de idade. Comecei com a cerveja, vieram outras bebidas, cheguei até a cinco ou seis litros de pinga por dia. Perdi meu pai muito cedo e fui buscar o amor lá fora, buscar a alegria que nós jovens buscamos lá fora. Logo experimentei outras drogas e minha vida começou a se passar em torno das drogas e da sexualidade desregrada.

Eu achava que não tinha mais jeito e que só ia parar de beber e de fumar quando eu morresse. Mas, graças a Deus algumas pessoas acreditaram em mim, e me levaram para um acampamento.
Hoje, fazem 7 anos e 11 meses longe da dependência, graças a Deus!
A minha vida é essa depois que encontrei Jesus. Realmente me empenho nesta caminhada e hoje sou coordenador da Pastoral da Sobriedade na diocese de Presidente Prudente (SP). Eu vi que a misericórdia de Deus é muito grande. A minha vida hoje é me empenhar para resgatar estes jovens.
Muitos dos meus amigos meus estão presos e outros já morreram por causa das drogas.
A coisa que mais gosto de fazer hoje é viver.\”
Paulo
Presidente Prudente/SP

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo