Jovem são contagiados pelo II Festival de artes

II Festival de Artes da Comunidade Canção Nova, que acontece em Cachoeira Paulista SP. contagia os jovens de todo Brasil, os quais nos contam suas experiências. 

 

Rogério
Foto: Eliziane Alves

 

A experiência está sendo muito boa, só o fato de estar fazendo o que a gente gosta e ainda mais para Deus, já é gratificante. Ou seja fazendo o que gosta e para Deus, supera qualquer coisa do mundo. Você tem a consciência de que não é por dinheiro, é simplesmente por amor. O amor prevalece acima de tudo. Quando a gente dança e sua a camisa para fazer uma coreografia, uma representação, alguma coisa que leva a dar o exemplo ás pessoas, para não entrarem em caminhos errados, como para as drogas e para alcoolismo é muito bom. Evangelizar através da dança, dando exemplo até aos mais ‘pequenos’ que no final acabam evangelizando até os próprios pais. Ás vezes os pais não têm o costume de freqüentar a Igreja, de lerem a Bíblia , ouvir uma Homilia e palestra. Você percebe que em pouco tempo de  trabalho de evangelização com a dança e já podemos notar mudanças nos filhos e nos pais. Vemos a mudança em todas as  famílias, que muitas vezes conturbadas por causa da bebida ou de outras coisas, mesmo assim estão mudando e os pais começam a tomar consciência disso. O filho se torna luz dentro de casa , esse é o melhor exemplo.

Rogério de Aguiar Sobrinho, 30 anos, soldador, Barra Mansa (RJ)

Rosimeire
Foto: Eliziane Alves

 

 

 

 

 Sou da fraternidade Javé Salvador e estou tendo uma experiência maravilhosa aqui na Canção Nova. A Homilia do Padre Fábio de Melo, o qual nos disse desta Aliança que a gente tem com Deus, dentro do nosso chamado, do nosso ministério, “Nós não somos artistas, mas somos servos pela arte”, Padre Fábio de Melo. Os grupo de dança foram um melhor que o outro, que me dava até vontade de dançar, vivenciando o dom que Deus os deu, de graça a trabalho da evangelização.

Rosimeire Fernandes, 30 anos, Auxiliar de escritório, São Paulo (SP).

 

 

 

Lenilce
Foto: Eliziane Alves

 

 

Estou maravilhada pelo que Deus fez, porque eu vim há 14 anos atrás e não tinha nada disso. Eu trabalho com dança em uma escola católica e vim especialmente para este Festival de Artes. Hoje há uma necessidade de mudança de cabeças de nossas crianças que estão voltadas para a dança do mundo, e trazer a dança através do corpo trabalhando com o coração, de dentro para fora a dança. Antes eu batia de frente com o 'funk' e as músicas agitadas, mas hoje tenho trazido a dança a um ambiente calmo e clássico, voltado ao corpo. Eu já faço um trabalho com a catequese com dança e espero levar muito deste festival, só hoje com as palavras do Padre Fábio de Melo veio acrescentar nesta questão sobre a educação. O que estamos passando para os nossos filhos, e não podemos nos esquivar e sim estar presente o tempo todo.

Lenilce Oliveira da Silva, 39 anos, Professora, Casimiro de Abreu, (RJ).

 

Maria da Conceição
Foto: Eliziane Alves

 

 

 

A cada dia acontece uma experiência nova, aqui na Canção Nova, e em especial no II Festival de Artes. Jesus nos faz ter experiências maravilhosas, na apresentação de ontem, quando o grupo em que teve a falha técnica e que riscou o disco, pensei que não entrariam de novo no palco e que fossem desistir. Mas eles se superaram e tiveram a coragem de ir em frente, e isso nos fez crescer espiritualmente. Então Deus tem trabalhado e muito na vida de todos nós. Em cada lugar é o novo acontecendo, É Jesus fazendo a obra d'Ele em nossas vidas. Não só em quem está assistindo, mas nos próprios grupos que estão amadurecendo mais e mais. Está tudo muito bom.

Maria da Conceição de Moura de Aguiar, Duque de Caxias, (RJ)

 

Flávio
Foto: Eliziane Alves

 

 

 

Estar na Canção Nova é um sonho, porque a partir do momento que a conheci tive muitas alegrias e muitos milagres aconteceram em minha vida através da TV Canção Nova. Ser um jovem que dança para Jesus, ter um jeito que se expressar pelo corpo, assim como no teatro, na canto e na arte, é uma forma de mostrarmos para o mundo que podemos evangelizar dançando e sermos 'Jovens santos'. Jovens que buscam o céu, devemos realmente, nós jovens católicos devemos mostrar ao mundo que vale a pena. Vale a pena ter a nossa meta no céu.

Flávio Gustavo Santos, 20 anos, auxiliar de escritório, São Paulo (SP).

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo