Milhares de pessoas rodam a camiseta no PHN 2014

Um dos momentos mais esperados do PHN

Por Elcka Torres
Cobertura PHN

Ajudar o jovem "PHN" a cultivar novos amigos na caminhada da fé é o intuito de um dos momentos mais esperados no Acampamento "PHN" com a troca de camisetas. Neste ano, cerca de 70 mil jovens, presentes no Centro de Evangelização Dom João Hipólito, na sede da Canção Nova, em Cachoeira Paulista (SP), giraram suas camisetas com seus dados e jogaram-nas para o alto, no fim da manhã deste domingo, 20.

Jovens rodam a camiseta no "PHN 2014"
Foto: Daniel Machado/Cancaonova.com


:: Veja fotos no Flickr 

Como sempre acontece em todas as edições do evento, jovens, crianças, adultos e até mesmo o fundador da Canção Nova, monsenhor Jonas Abib, e os confundadores, Eto Silva Jardim e Luzia Santiago, animados pelo missionário Dunga, idealizador desta iniciativa, rodaram uma camiseta personalizada com nome, telefone, endereço, e-mail, Twitter e Facebook, jogaram-na para cima para que outra pessoa a pegasse para que façam amizade e mantenham contato.

A médica Maria Helena Bezza, da cidade de São José dos Campos (SP), em entrevista, afirmou que há 3 anos rodou a camiseta pela primeira vez e conquistou uma grande amizade com a psicóloga Júlia Lopes, da capital paulista.

“Eu e a Júlia somos muito amigas e, de fato, amigas na fé. No ano passado vivi um momento de muita dor, pois perdi meu esposo vítima de câncer. Foram quase 3 meses de luta e tratamento, e eu estava grávida. Logo após o nascimento da minha filha, eu entrei em depressão pós-parto, e a Júlia me deu todo suporte. Nós nos falávamos quase todos os dias pelo telefone e no fim de semana ela ia para São José me ajudar. Ela não é só minha amiga, mas madrinha da minha filha e amiga de toda minha família. É a irmã que não tive!”, testemunha Helena.  

Em entrevista ao Portal Canção Nova, Dunga afirmou que a iniciativa da troca das camisetas surgiu para que o jovem, ao voltar para casa com os dados de uma pessoa desconhecida, entre em contato com ela pelo telefone, e-mail ou pelas mídias sociais, para que dividam suas alegrias, tristezas e desafios e continuem impulsionando-se mutuamente a viver, onde estão, o que presenciaram durante o Acampamento "PHN".

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo