O aborto não nos permite voltar no tempo

O aborto deixa grandes sequelas no coração de uma mulher

Elba Ramalho. Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Elba Ramalho. Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

As coisas boas só acontecem quando abrimos o nosso coração e nos dispomos para que a mudança ocorra. Essa vontade, às vezes, demora a chegar em nosso coração; nós rezamos, buscamos, mas, em alguns momentos, apegamo-nos à preguiça dizendo: “Amanhã eu faço! Deixa para amanhã!”.

Estou há alguns anos participando dessa união pela vida. A palavra que está em meu coração, desde o dia de ontem, é “compaixão”. A gratidão por Deus é muito grande e, todos os dias, eu O agradeço por realizar tamanha graça em minha vida. Quando Deus quer nos puxar, tira-nos da lama!

Tenho também gratidão pela Canção Nova, porque, quando entrei no pró-vida, sentia-me meio abandonada, não existia nada forte que me levasse a uma conscientização mais ampla. De repente, numa visita à Canção Nova, conheci o Tiba e o Dunga; fiz um PHN com eles, que me fez muito bem.

A felicidade em ver a Canção Nova abrindo as portas para que as pessoas tenham consciência da defesa da vida é maravilhosa! Aumenta em nós a certeza de que somos filhos de Maria em posição de batalha.

Sinto uma tristeza tão grande por essas meninas que são a favor da morte, do abordo, que saem pelas ruas dizendo: “Eu sou dona do meu corpo!”.

O que podemos fazer pelas feministas?

Diante dessa situação, a única coisa que podemos oferecer a elas é a nossa oração!

Recentemente, vi uma imagem que está cercando as mídias. Um cachorro encontrou um bebê que havia sido abandonado e o carregou até o hospital mais próximo. Diante desse fato, podemos perceber que os animais estão nos ensinando algo. Encho-me de alegria, porque tenho a consciência de que Deus me fez para salvar vidas!

Quando se aborta, existem duas realidades: a perda do bebê e a perda de consciência da pessoa que cometeu o ato. O aborto deixa grandes sequelas no coração de uma mulher. O aborto não nos permite voltar no tempo. É como se Jesus dissesse: “Se você matou, vá e repare o seu erro salvando vidas!”.

Elba Ramalho seu testemunho de vida no Encontro Gente do Bem (Juntos pela vida), na Canção Nova.

Elba Ramalho conta seu testemunho de vida no ‘Encontro Gente do Bem’ (Juntos pela vida), na Canção Nova. Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Nasci numa cidade chamada ‘Conceição do Piancó’, interior da Paraíba, mas decidi me mudar para o Rio de Janeiro para ser baterista de uma banda de rock; e a liberdade me escravizou. Eu me considerava feminista e tinha o mesmo pensamento das mulheres que são a favor do aborto, de que ‘era dona do meu corpo’. Eu saía, gostava de balada, de bebidas, fazia sexo, engravidei e pratiquei o aborto.

Eu me sentia muito vazia, sempre tive um coração bom, porém era equivocada. Comecei a ter um encontro com Nossa Senhora, estudei um pouco mais sobre ela e isso mexeu muito comigo. Voltei a frequentar a Igreja, confessei-me e minha vida foi sendo guiada por Nossa Senhora.

Fiz uma viagem a Medjugorie, onde me confessei por quase duas horas com um padre inglês. Após sair da confissão, encontrei-me com um padre polonês, que me entregou um terço e disse-me: “Você ajudará na salvação de bebês!”.

No retorno para o Brasil, passei por Roma, onde um grupo de Brasília me convidou para fazer parte do movimento pró-vida.

O governo é perigoso, e para que a legalização dessa lei não aconteça, precisamos nos unir em defesa da vida!

Creiam que o coração da Imaculada Conceição está próximo para nos ajudar! Que reine na terra o amor, a paz e a compaixão!

Transcrição e adaptação: Karina Aparecida

contribuicaocn1


Elba Ramalho


Cantora paraibana

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo