Cartas às Igrejas de Pérgamo e Tiatira

A Carta à cidade de Pérgamo conta o risco que eles corriam ao juntarem a fé no Cristo com as idolatrias

Leandro Rabello. Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

A Palavra meditada está em Apocalipse 2,12-17.

A palavra “pérgamo” significa “casado”, por isso a Igreja de Pérgamo ficou conhecida por muitos como a ‘Igreja comprometida’.

A Carta à cidade de Pérgamo conta o risco que eles corriam ao juntarem a fé no Cristo com as idolatrias. O povo de Pérgamo tinha idolatria pelas ciências. A ânsia deles era tão grande pela ciência que buscaram Aristóteles para cuidar da biblioteca que havia na cidade.  

O povo pérgamo considerava Jesus como aquele que tinha a espada afiada. Para eles somente Jesus tinha o poder para julgar e governar.

Naquele tempo, havia um costume de dar a algumas autoridades imperiais, o “direito da espada”. O que isso significa? Eles tinham o direito de matar quem quisessem, em qualquer horário.

Em Pérgamo a idolatria era mais evidente do que o próprio Cristo.

Todas as mensagens trazem um elogio e uma advertência. O elogio que Jesus faz à Pérgamo é: “Conservou o nome de Deus e não renegou a fé”. Entretanto, Ele também faz uma advertência a esse povo: “Desviaram-se fazendo culto, comendo carne e oferecendo aos deuses”.

A pior perseguição que houve em Pérgamo foi a “infiltração”, provocando a “prostituição”. A prostituição se refere ao sentido religioso de deixar o Senhor e se entregar a outras doutrinas.

Quando deixamos de seguir de Jesus é como se estivéssemos nos prostituindo, pois deixamos o nosso Esposo para seguir outras ideologias.

Os primeiros moradores de Pérgamo ganharam um prêmio: o maná escondido. Receber o maná escondido significa desfrutar da bênção que é Jesus, é experimentar o poder messiânico.

Eles também receberam uma pedrinha branca, que lhes dava o direito de entrar em alguns lugares, alguns eventos. A pedra branca era usada nos julgamentos para libertar as pessoas.

A Igreja de Tiatira está no centro das Cartas, porque provavelmente os problemas encontrados nela foram os mais comuns. Em Tiatira, Jesus ficou conhecido como aquele que tem “olhos de fogo” e os pés semelhante ao bronze, o que significa firmeza ao caminhar. Jesus tem pés de bronze porque tem o poder sobre tudo.

A fé citada para a cidade de Tiatira refere-se à fidelidade. Jesus elogia a paciência, a resistência daquele povo. Mesmo tendo dificuldades para seguir o Cristo, as pessoas se mantiveram perseverantes.

Jesus fará uma reprovação à cidade de Tiatira, pois eles aceitavam no meio deles uma mulher com o nome de Jezabel. Eles aceitavam o mal no meio deles.

Assim Jesus também nos diz, pois não podemos tolerar o mal entre nós, em nossa igreja, em nossos grupos de oração.

Jesus termina a mensagem falando dos prêmios. A coisa mais bonita na cidade de Tiatira é que Jesus explica quem seria o vencedor.

Quem é o vencedor? É aquele que persevera até o fim. Não basta perseverarmos só até quando estamos em evidência, porque o vencedor é quem fica até o fim!

Quando eu rezava por essa minha pregação, Jesus disse ao meu coração: “Há um grupo de vencedores e eles estarão no ENF”.

Transcrição e adaptação: Karina Silva.

Confira também:
.:O Cristianismo na era das novas formas de comunicação
.:Contaminação espiritual: o perigo dos excessos e do relativismo

Confira um trecho da pregação:

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo