O zelo pela tua casa me consome

o_zelo_pela_tua_casa_me_consome

André L. Botelho. Foto: Arquivo/cancaonova.com

“A alegria de ser de Deus supera todos os desafios.”

Quero lhe dizer que vale a pena dar a vida por Deus, porque Ele é maravilhoso! Não tenha medo de dar o seu ‘sim’ ao Senhor, não tenha medo de ser salvo por Ele. A minha primeira alegria foi ser salvo por Deus, e essa alegria a que me refiro é aquela que está no profundo da alma, a qual o mundo não pode roubar de nós.

Você tem esse Tesouro que os ladrões não podem roubar? É um Tesouro inacessível ao mal, porque está dentro de nós. É uma alegria que nem os sofrimentos, as perseguições e injustiças podem tirar de nós. Essa felicidade é intocável pelo mal, porque é a nossa salvação diária. Eu, André, sou salvo, a cada dia, da maldade do meu coração, do medo, da vingança e de tantas outras coisas.

Houve um momento marcante na minha história: a minha experiência de salvação. Embora eu tenha recebido o batismo no Espírito Santo, em 1979, e a minha família seja da Renovação Carismática Católica, em determinada época, fui entrando em um profundo rancor por Deus, eu sentia raiva d’Ele, a tal ponto de minha mãe me mandar para um retiro, porque ela via essa raiva em mim.

Eu só fui para o tal retiro, porque lá ia ter jogo de futebol, e eu amava jogar futebol! Acontece que não teve futebol nenhum. A minha raiva era tão grande, que, no fim do encontro, o pregador perguntou: “Quem aqui não foi tocado por Deus?”, e eu levantei a mão. Eu queria enfrentar Deus, queria dizer que o meu coração era inacessível a Ele. No entanto, ali, naquele momento, rezaram por mim e cantaram a música ‘Eu jamais me esquecerei de ti’. Foi naquela hora que o Senhor me salvou.

A primeira grande alegria do cristão é ser salvo por Deus.Os teólogos dizem: “Deus não nos criou somente no momento da nossa concepção, mas Ele continua nos criando a cada instante”. Eu fui salvo da raiva, fui tomado pelo amor de Deus e tornei-me um jovem livre, mas isso não aconteceu do dia para a noite; até hoje o Senhor continua a me transformar.

Quero convidá-lo, hoje, a ser salvo da maldade do seu coração, a perceber que Deus o salva quando o liberta da maldade que está em você e o cura para o amor.

A segunda alegria do cristão é a alegria de doar-se. Depois de encontrar-me com um Deus que salva, veio-me a alegria de doar-me a Ele. Quando sentimos esse amor do Pai, a única coisa que precisamos fazer é ser fiéis a esse amor.

Monsenhor Jonas Abib participa na pregação de André e fala para a Comunidade Pantokrator:

O que de mais maravilhoso podemos ter é a gratuidade. Se você quer ter uma alma feliz, tenha um coração agradecido. Jovem, quando você doa sua vida para Deus, é a maior alegria, porque a sua alma vai ser liberta do egoísmo.

Tudo o que eu dei para Deus, Ele me deu de volta. Estou lhe dizendo tudo isso, para que você não tenha medo de dar a Deus aquilo que Ele lhe pede. Não tenha medo de dar o seu ‘sim’ para o Senhor na radicalidade que Ele lhe pedir. Deixe que a experiência de salvação divina brote de dentro do seu coração. Este mundo grita por Cristo e tem necessidade da beleza.

Há um apelo dentro de mim e ele me diz que não posso pegar a minha vida e embrulhá-la para mim mesmo, enquanto há uma humanidade, um mundo que grita por Cristo. Por isso, a necessidade de eu me doar. Quanto mais damos nossa vida para Deus, mais leve e livre somos.

A terceira alegria do cristão é maravilhar-se com Deus, é colocar-se diante do Sagrado para contemplá-lo. A alegria que a Virgem Maria cantou com o Magnificat é a alegria que os santos cantaram, é a alegria da salvação e da experiência da Palavra de Deus. Não podemos perder a sensibilidade com as coisas do Senhor.

Não nos deixemos roubar pelas seduções da carne, mas deixemos nosso coração se alegrar pelas coisas de Deus, pois elas curam nossa alma. Jovem, as coisas de Deus dão pleno sentido à sua juventude. A melhor juventude que existe é aquela que não se deixa enganar pelo mundo.

A quarta alegria do cristão é ser de Deus, é ser comunidade. Essa é uma alegria para a qual o Cristianismo nos convida. Ser cristão é ser comunidade e ser  comunidade é a essência da vida do cristão.

A família é a primeira comunidade, e ela traz para o mundo o amor da Trindade, que é Pai, Filho e Espírito Santo. A família é um sacramento, por isso o demônio quer destruí-la, porque ela é o amor diante dos homens. Esse amor ao qual me refiro não é o amor de “paixão”, mas de sacrifício e entrega. A segunda forma de Deus manifestar Seu amor entre os homens é a Igreja. Ser comunidade é a nossa missão.

Transcrição e adaptação: Jakeline Megda D’Onofrio.

Adquira esta pregação pelo telefone: (012) 3186-2600

contribuicaocn


André L. Botelho de Andrade


Fundador da Comunidade Pantokrator

Facebook

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo