A ação do Amor Maior

Padre Fabrício
Foto: Fotos CN/ Robson Siqueira

A liturgia de hoje, neste caminho que estamos fazendo na busca deste amor que tanto queremos, ou seja, do amor de Deus, vem nos revelar suas características.

No tempo de Jesus, doenças como a lepra eram tidas como sinais de impureza. Portanto, aquele leproso – do Evangelho de hoje – que se dirige a Jesus para ser curado, era um homem marginalizado, posto à margem da sociedade. Ele era um homem excluído em seu tempo. Algo semelhante ao que temos visto atualmente, diante dos noticiários que nos trazem a terrível realidade da “cracolândia”: homens e mulheres postos à margem da nossa sociedade.

O Evangelho nos mostra como se revela este Amor Maior. O leproso, vendo Jesus, cai a seus pés e Lhe pede: “Senhor, se queres, tu tens o poder de me purificar”. Até aí é a atitude do leproso. Mas, agora, começa a atitude de Jesus. E com ela aprendemos o que é o amor realmente verdadeiro.

O que faz Jesus diante daquele leproso caído a Seus pés? Ele estende a mão. Com isso, aprendemos que o amor de Deus não precisa de palavras para ser revelado.

Eu quero também, neste Acampamento, trazer o “amor menor”. Quem aqui deseja este amor menor? Ninguém. Quando alguém dentre os nossos está caído por causa de suas escolhas erradas, o que fazemos? Nós estendemos as mãos para levantar essa pessoa e, logo em seguida, dizemos: “Tá vendo? Eu não o avisei?”.

É por isso que existem tantos conflitos em nossos relacionamentos. Quando estamos com raiva do outro – diante do seu erro – logo apontamos os defeitos dele. Mas isso não dá em nada! É preciso aprender a amar com a boca fechada.

O Amor Maior é totalmente diferente do amor menor. Jesus, após estender a mão àquele leproso, tocou nele. O Senhor não se distanciou; pelo contrário, Ele se aproximou daquele homem considerado impuro. Já o amor menor também “toca na ferida”, mas para acusar! Para colocar aquele que caiu ainda mais para baixo.

Somente depois de estender a mão e tocar naquele homem é que Jesus fala com ele. Primeiro, vem o gesto; depois as palavras. E o que fazemos com o nosso amor menor? Nós, primeiramente, falamos, acusamos, apontamos os erros, damos aquela “lição de moral”. Não é verdade?

"O Amor Maior é aquele que não distancia quem pecou, mas o acolhe para purificá-lo", ensina padre Fabrício.
Foto: Fotos CN/ Robson Siqueira

 :: Veja fotos no Flickr
:: Veja + fotos também no Facebook

Quem disse que quem fala mais é quem ama melhor? Isso é um engano! O amor menor nos leva a conflitos intermináveis. Queremos ganhar as discussões com as nossas palavras. Quantos pais perderam a oportunidade de amar em gestos, de silenciar naquela hora em que o filho chegou bêbado em casa ou bateu o carro! Mas aproveitam para dizer umas “boas verdades” naquela hora e colocam tudo a perder!

O Amor Maior é aquele que diz: "Eu quero! Fica purificado". Aqui temos a mais bela lição de amor, aquele que separa o pecado do pecador. O amor de Deus não ama a lepra, mas ama o leproso. Não aprova o pecado, mas acolhe o pecador.

Pais, vivam este amor em relação a seus filhos. Quantos pais expulsaram para fora de casa a filha que ficou grávida no namorado! E você pode me questionar: “Mas, padre, o senhor aprova o pecado de uma relação sexual fora do casamento?” Não, de forma alguma. Mas expulsar para longe do lar não é a solução. Afinal, a jovem errou? Errou! Mas é a sua filha! O amor não distancia quem pecou, mas o acolhe para purificá-lo.

Senhor, eu quero Lhe pedir, neste momento, que toque, com o Seu amor esses jovens e essas famílias que se encontram cobertas de lepra. Toque-os, Senhor! Toque na sexualidade e afetividade de cada um, em seus olhos viciados em coisas erradas. Toque na língua desenfreada com Seu amor que purifica as nossas lepras.

Jovem, o Senhor está dizendo a você agora: “Eu quero! Fica purificado”. Ele quer purificar a sua juventude, a sua adolescência, o relacionamento que você tem com os seus pais. Ele quer purificar a sua vida, jovem!

Diga com fé: “Eu quero ser purificado, Senhor! Toque em mim com este Amor Maior”.

A Revolução Jesus começa quando, do “buraco” onde você se encontra – porque o pecado o colocou ali -, você tem a coragem de se dirigir a Jesus. Daí, Ele lhe estende a mão, toca em você e diz: “Eu quero! Fica purificado”. Diz o Evangelho que aquele leproso, ao ouvir isso, foi imediatamente curado.

Saiba que Jesus quer realizar esse milagre em sua vida. Ele quer, imediatamente, purificá-lo de todas essas lepras com o Seu amor.

Depois dessa “aula” sobre o amor, o Senhor deu uma ordem àquele homem: “Vai mostrar-te ao sacerdote e oferece pela purificação o prescrito por Moisés como prova de tua cura”.

Jovem, não perca esta grande oportunidade! Jesus está esperando por você no confessionário. Busque o sacramento da penitência e faça a experiência da reconciliação. É buscando o sacerdote no confessionário que descobrimos o caminho deste amor e desta Revolução Jesus.

 

 

Transcrição e adaptação: Alexandre Oliveira (@alexandrecn) 


Padre Fabrício Andrade


Sacerdote da Comunidade Canção Nova

Facebook
Twitter

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo