A caminho da sobriedade

Ermelinda
Foto: Renan Félix

A FESTA, o décimo segundo passo da Pastoral da Sobriedade.

A oração deste último passo: “Senhor festejando os doze passos para a sobriedade cristã, emanados na mesma esperança de uma vida sem drogas, queremos partilhar e anunciar Jesus Cristo Redentor com o nosso testemunho”. Nossa caminhada é séria, em direção a conversão.

Você já pensou no Jesus sofrido e machucado? Jesus, ao mesmo tempo que está crucificado, tem a fortaleza que quando precisava Ele a exercia. Jesus é extrovertido, comunicativo, alegre, participava das festas as quais Ele era convidado. Para todas as festas Ele era convidado e caminhava léguas para participar.

Jesus gostava tanto de festas que a Sua vida pública começou em uma festa, nas Bodas de Caná. Ele levava os melhores presentes para as festas que eram as bênçãos e a salvação. E hoje, nas festas em que fazemos e participamos, será que Jesus é o primeiro convidado? Nós temos o hábito de convidá-lo para participar de nossas festas?

Jesus é tão agradecido que entra em nosso coração dando paz quando nos convida. A festa em que Jesus está não precisa de estímulo exterior para sentir alegria. Porque a felicidade do cristão, na caminhada da sobriedade, é a do coração e não de um copo de cerveja ou de um cigarro ou qualquer outro tipo de estímulo. Nós como cristãos não podemos só pensar no Jesus sacrificado, mas também no Jesus Ressuscitado porque a festa faz parte da vida do cristão.

Neste último passo vamos celebrar a festa, a vida. Temos que aprender a conhecer esse Jesus ‘festeiro’, pois não separamos a fé da vida. Nós não vivemos só em ambientes ‘de dentro da igreja’, mas em todos os lugares temos que revelar Jesus. Quando acaba a Missa é que começa nossa missão.

Ser cristão é ser alegre e fazer da vida uma festa, transformando as pedras de nosso caminho em flores e assumindo o compromisso da sobriedade cristã.

Pelo nosso testemunho podemos festejar os doze passos para sobriedade.

Porque temos vergonha de Jesus? Tem certos lugares que não temos coragem de levar Jesus e não testemunhamos o que Jesus fez em nossa vida. Mas devemos levá-lo e testemunhar para que mais pessoas possam conhecer a esse Deus maravilhoso e misericordioso.

Ernestina


Pastoral da Sobriedade é a ação concreta da Igreja Católica frente as drogas, atendendo um pedido do Papa João Paulo II, que afirmou que a droga é um mal e convocou os profetas da Igreja. Profetas do novo tempo.

Estamos neste processo de crescimento: “Portanto, sede perfeitos, assim como vosso Pai celeste é perfeito” ( Mateus 5, 48).

Casal Luiz Antonio Bortolins e Mônica Bortolins
Foto: Renan Félix

A Igreja não pode cruzar os braços, mas ela se propõe a levar na pessoa de cada um de nós a proposta da liberdade.

Dou graças a Deus por ter sido alcoolista, pois se eu não tivesse sido, não poderia servir.

Dê graças a Deus pela sua vida e pelas coisas que passou, olhe para frente. “Mas Jesus disse-lhe: Aquele que põe a mão no arado e olha para trás, não é apto para o Reino de Deus” ( Lucas 9, 62). E você que teve tantas perdas, olhe para frente. Tire os rancores do seu coração e vire a página de sua vida. Olhe para frente e dê graças a Deus. Pois com estas experiências vividas você poderá servir e estender a mão para quem precisa. Estender as mãos e dizer: ‘levanta’. Você é importante. Sua vida tem um propósito.

Só podemos ser felizes na liberdade. Deus colocou a seu serviço a Pastoral da Sobriedade.

A vitória sempre será a vida!

A missão a qual somos convocados é do Senhor. Deus nos convoca e nos põe no mundo. Somos simplesmente instrumentos d’Ele, que nos convocou a fazer parte, mas quem realmente salva é Jesus.

Casal Luiz Antonio Bortolins e Mônica Bortolins

Transcrição e adaptação: Eliziane Alves

 

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo