A tua santidade é a tua alegria

Professor Felipe Aquino
Foto: Wesley/CN

Este acampamento tem como plano de fundo a “alegria” e eu quero continuar esta reflexão que os outros pregadores já estavam fazendo sobre a alegria e começo com uma frase de Santo Agostinho: “Os teus pecados são a tua tristeza, deixa que a santidade seja a tua alegria”. É nisto que refletiremos aqui agora, o nosso pecado é a raiz da nossa tristeza e a nossa santidade é a raiz da nossa alegria.

Santo Agostinho dizia que pecava porque ao invés de buscar em Deus a alegria, o prazer e a satisfação, ele buscava nas criaturas. O Papa João Paulo II disse um dia que o pecado original tirou os nossos olhos de Deus e colocou nossos olhos nas criaturas. O homem quis buscar satisfação no dinheiro, na glória, na comida, na bebida.

Então o nosso caminho de volta é justamente voltar os nossos olhos para Deus. O homem feliz é aquele que não procede conforme o conselho dos ímpios, como diz o salmo 1 na Bíblia, e diz também que é feliz aquele que se compraz no serviço do Senhor e medita sua lei dia e noite. Neste salmo já podemos saber o que traz a alegria ao coração do homem.

São Paulo nos diz: “Alegrai-vos no Senhor!” e não nas festas, no futebol, não que se alegrar com estas coisas seja errado, mas São Paulo nos diz para buscar a alegria em Deus porque Ele é a fonte de alegria que não acaba. Quem busca sua alegria no dinheiro não será saciado, quem busca alegria nos carros novos não será saciado, pois tudo isso não é capaz de saciar a sede que temos de Deus, Ele colocou uma sede infinita no coração do homem que só Ele pode saciar.

É por isso que o salmista diz: “Feliz é aquele que serve a Deus, feliz é aquele que vive os mandamentos de Deus, porque Este vai saciar a sua sede”. Quem não tem Deus, não é feliz com aquilo que tem. Nós podemos ter carro, dinheiro, casas, nada disso é errado, a providência divina não é inimiga da previdência humana, mas é preciso ter o coração saciado em Deus.

Para sermos felizes é preciso uma coisa fundamental, eliminar o pecado de nossas vidas, pois é ele quem nos afasta de Deus. O Catecismo da Igreja Católica diz que aos olhos da fé nenhum mal é pior do que o o pecado e nada traz conseqüências piores para o próprio pecador e para o mundo inteiro. Por isso Jesus veio para nos purificar de todos os nossos pecados. João Batista veio anunciar, veio preparar a vinda de Jesus e ele anunciou Jesus assim: “Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo!”.

Os judeus sacrificavam dois cordeiros por dia, um as seis horas da manhã e outro as seis horas da tarde, para que se aplacasse a ira de Deus sobre os pecados daquele povo e isso já era uma prefiguração do que Jesus veio fazer na terra. Ele veio para nos purificar de todos os nossos pecados. A essência da Igreja e do Cristo é arrancar do mundo todo o pecado.

"Para sermos felizes é preciso uma coisa fundamental, eliminar o pecado de nossas vidas, pois é ele que nos afasta de Deus"
Foto: Wesley/CN

Um provérbio chinês diz assim que não é a erva daninha que mata a planta, mas a preguiça do agricultor em arrancar a erva daninha da planta, é isso que a mata. Na nossa vida espiritual, não é o pecado, mas a preguiça de arrancar o pecado da nossa alma que a mata. A tibieza é isso, se deixar tomar pelo pecado de tal forma que a alma vai morrendo.

A lógica da Salvação é esta, o Pai enviou o Filho e o Filho enviou a Igreja e Ele disse: “A quem vocês perdoarem os pecados, os pecados serão perdoados”, é assim que vamos arrancando o pecado de nossas almas. Nós não podemos fingir que somos felizes, é preciso ser verdadeiramente felizes, e para isso é preciso tirar o pecado de nossas almas.

Nós conhecemos os pecados capitais que são soberba, ganância, luxúria, gula, ódio, preguiça, inveja. Quando falamos em algo capital quer dizer que é algo importante e a Igreja nos ensina que estes pecados capitais são terríveis e precisamos nos perguntar, será que estas ervas daninhas estão em nossa alma? E para cada pecado capital temos uma virtude que precisamos buscar, por exemplo, para a soberba, temos a humildade, os anjos que se rebelaram contra Deus foram tomados pela soberba e por isso foram expulsos do céu, por isso São Miguel disse: “Quem como Deus?”. A soberba é um dos piores pecados.

Aquele que não é humilde não se dobra diante da grandeza de Deus. Qualquer um de nós precisamos reconhecer que somos vasos de barro e que quebramos a toa, Deus até nos concede dons, mas precisamos reconhecer que tudo de bom que temos, que fazemos ou que somos, vem de Deus. Você pode até ser aplaudido, reconhecido, mas é preciso que você reconheça que não é nada sem Deus.

Deus resiste ao soberbo! O soberbo é aquele que gosta de aparecer, mas gosta de aparecer quando tudo está bem, porque na hora difícil ele foge, ele é um covarde. Porque Deus escolheu Nossa Senhora e não outra mulher? Porque foi a mulher mais humilde que Ele encontrou na terra, porque a humildade da nova Eva precisava quebrar a soberba da antiga Eva.

Santo Irineu de Leão do século II disse: “A humildade de Maria desatou o nó da soberba e da desobediência de Eva, assim como a humildade e a obediência de Jesus desatou o nó da soberba e desobediência de Adão”. Os santos foram humildes e foram felizes, pois a humildade é uma fortaleza, a pessoa que é humilde quando não sabe uma coisa, ela vai e diz: “Eu não sei, por favor me explique”, pois o humilde é honesto e não é mentiroso.

O segundo pecado capital é o da ganância, a pessoa que só pensa em ter, em ter, em ter, ele deixa até de comer para juntar mais dinheiro. Não é capaz de dar o dizimo na Igreja, não é capaz de ajudar um pobre, pois ele só pensa nele. São Paulo vai nos dizer em uma de suas cartas que o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. Por isso cuidado! Nós precisamos de dinheiro, mas para muitas pessoas o dinheiro virou um Deus. O dinheiro corrompe!

Vemos que hoje muitas pessoas roubam dinheiro dos pobres, roubam dinheiro público, por que isso? Por conta da ganância, por causa de dinheiro irmão mata irmão. É preciso arrancar a ganância da nossa alma. Na quaresma a Igreja propõe jejum, esmola e oração, pois isso é o remédio para a ganância que trazemos em nossas almas.

O pecado da impureza ou luxuria, o pecado da carne é uma tristeza. Não devemos pecar contra a castidade. A pornografia está na internet, nos filmes, nas músicas, assim como um peixe nada na água nós estamos no mundo nadando no pecado da carne. Por exemplo a Igreja não condena o homossexual, não condena aqueles que tem tendências homossexuais, mas condena o pecado da homossexualidade, a prática do pecado da homossexualidade.

Não é a toa que os Bispos do Brasil se manifestam contra o decreto de lei de direitos humanos, pois eles querem aprovar um projeto que não tem nada de humano, mas é um projeto desumano. Para que o mal progrida só é necessário que o bem não faça nada, então nós católicos não podemos aceitar estas coisas. Que mensagem que estamos dando aos nossos filhos, aos nossos netos? Estamos vendo o mundo impulsioná-los a viver no sexo desregrado e muitas vezes nos calamos e até incentivamos. Jesus disse: “Aquele que se envergonhar de mim diante dos homens, eu me envergonharei dele diante de meu Pai”.





Outro pecado que nos mata é o ódio, a raiva, e Jesus no sermão da montanha pediu que amassemos até nossos inimigos, que rezássemos até por aqueles que nos amaldiçoaram. Isso é muito difícil de se viver, somente com a graça de Deus é possível viver isso, mas para mim essa é uma prova de fogo que quem passa por ela é aprovado por Deus. Jesus fez isso quando estava na cruz agonizando, Ele estava perdoando seus inimigos, Jesus viveu tudo o que pregou. Quando você tem a coragem, tem a força de Deus e perdoa seus inimigos, você derrete o coração de Deus. O ódio mata a gente primeiro, faz sua pressão subir, faz você ter problemas cardíacos, faz você planejar o mal ao outro, então é preciso arrancar o ódio de nossos corações.

Outro pecado é a gula, quem de nós não é traído pehumla gula? Todos nós temos essa fraqueza e precisamos da temperança para vencê-la. A gula traz doença e mais outros pecados, enfraquece o corpo, enfraquece a alma. O jejum na quaresma nos ajuda a por nossa vida no lugar, para que não seja a minha barriga que mande em minha cabeça e sim, minha cabeça que mande em minha barriga.

Outro pecado triste é o da inveja, como Caim teve de Abel e que levou a matar seu irmão. Hoje nas famílias vemos muito isso, foi por inveja que os irmãos de José do Egito o venderam, foi por inveja que pregaram Jesus na cruz. Se alguém conquistou o que você não conquistou e você começa a sentir inveja, pare, reze, confesse e peça perdão a Deus. Se você vê que o irmão tem um carro melhor que o seu reze e peça a Deus que ele possa ter um carro melhor ainda.

O último pecado é o da preguiça, muitas pessoas são tomadas pela preguiça, imagina se você leva seu carro para arrumar e a pessoa por preguiça não faz o serviço direito e leva você a ter um acidente. Tem pessoas que tem preguiça de ir a Missa, deixa a família passar necessidade, tudo isso por preguiça. Confúcio dizia que o trabalho é a sentinela das virtudes, ou seja, aquele que trabalha não tem tempo de fazer coisas erradas.

"Para que o mal progrida só é necessário que o bem não faça nada, então nós católicos não podemos aceitar estas coisas"
Foto: Wesley/CN

Mesmo aquele que é aposentado precisa trabalhar, talvez em uma atividade mais leve, mas precisa trabalhar. Hoje a Igreja precisa de muitas pessoas que ajudem, muitos são aposentados e podiam dar uma catequese, se engajar em uma pastoral, entregue seu tempo para Deus. E volto no salmo que diz: “Feliz aquele que se compraz no serviço do Senhor”. Uma das coisas que Deus vai nos pedir conta é do nosso tempo. O que você anda fazendo com seu tempo? Como você tem gastado seu tempo? Não podemos ser preguiçosos!

Os pecados que são chamados capitais tem muitos filhos, por exemplo, a auto suficiência, a jactância, todos estes são filhos da soberba. A Igreja oferece para nós três remédios contra os pecados capitais, o jejum, a esmola e a oração. A Igreja nos pede para fazer jejum, que não quer dizer ficar sem comer nada, nós sabemos que a Igreja pede que façamos pelo menos na quarta feira de cinzas e na sexta feira santa, mas se você pode, faça mais. Jejum é sentir um pouco de fome.

Jejum, esmola e oração não são o fim, são os meios, o fim é usar destes meios para arrancar os pecados da alma. Muitas pessoas me escrevem falando que não conseguem parar com a masturbação, ou que não conseguem deixar de praticar o adultério, eu indico a estas pessoas que façam jejum, dêem esmola e rezem, pois isso os ajudará a deixar o pecado, os ajudará a alcançar a santidade e serem felizes.

 
Transcrição e adaptação: Flávio Pinheiro


Acompanhe as pregações pelo twitter @cancaonova e
retuite a mensagem que mais falar ao seu coração.

ADQUIRA ESTA PALESTRA PELO TELEFONE:
(12) 3186 2600

 


Prof. Felipe Aquino


Doutor em engenharia mecânica, pregador e escritor

Facebook
Twitter
Blog

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo