Anunciadores da misericórdia de Deus

Padre Márlon Múcio
Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

A Devoção à Misericórdia é uma devoção para que eu e você não morramos sem antes de sermos alvos da misericórdia divina. Estamos aqui na Canção Nova para cantar uma canção nova. O Senhor quer nos converter de uma vida velha para uma vida nova, quer que a partir deste canto novo a misericórdia chegue a muitos corações.

A liturgia de hoje mostra Maria Madalena sendo liberta de sete demônios e foi com ela que Jesus quis contar. É isso mesmo, meus amados, o Senhor contou com ela, da mesma forma que deseja contar com você independentemente daquilo que você viveu: Ele faz nova todas as coisas. Declare por seu batismo que todos os anjos maus batam em retirada para que a partir de agora caminhemos na misericórdia divina.

Dentre as particularidades d o Papa Francisco ele tem algumas palavras que ele cria, ou seja, os neologismos. Uma delas é o “misericordiar”. Este é o contive que o Papa faz a nós, que “misericordiamos” todos os que estão ao nosso lado.

“O primeiro nome de Deus é amor, o segundo é misericórdia”, já dizia o Beato João Paulo II. Assim, também nós somos chamados a ter a misericórdia como o segundo nome.

O lema do Papa Francisco é: “E com misericórdia o Senhor o elegeu”. É isto, meus irmãos, por pura misericórdia o Senhor quis que estejamos aqui, ou que acompanhamos este da de graça onde quer que estejamos. Nós temos que ser anunciadores da misericórdia.

No dia 17 de março, enquanto rezava seu primeiro ângelus, convidou-nos a viver esta misericórdia, pois esta é a mensagem de Jesus para nós.

Em uma segunda ocasião, Francisco nos disse: “Deixemo-nos envolver com a misericórdia”. Amados, estamos vivendo este tempo e devemos permitir que sintamos a sua paciência, sua misericórdia e seu amor.

O Senhor quer nos abraçar, mas muitas vezes nós repudiamos este abraço. Permita ser abraçado pela misericórdia de Deus e por isso podemos alcançar o mundo inteiro, a começar pela minha casa.

No dia 17 de novembro de 2013, o Papa Francisco apareceu na sacada do Vaticano com uma caixinha de remédio e já foi dizendo: “Ah! Agora vão me chamar de farmacêutico.” Sejamos convidados a tomar este remédio: o remédio da misericórdia, seja misericórdia para os outros. Faça o uso e receite-o para os outros.

Amados irmãos, o Beato João XXIII em 11 de outubro de 1962, fez um discurso para abrir o Concílio Vaticano II disse: “O remédio para os problemas não é a severidade mas é a misericórdia”. Nós precisamos agir desta forma com aqueles que estão em nossa casa e a partir dela para o mundo. Fazer com que os que estão ao nosso lado seja de Deus e fazer a nossa vida em função da vida de Cristo. Que o carinho que podemos fazer aos nossos, seja o carinho de Deus atráves de nós.

"Sejamos apóstolos da misericórdia", padre Márlon Múcio
Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Termino com o Papa da Misericórdia, João Paulo II. Em 1980, fez um clamor ao Pai que a Igreja proclamasse em Jesus Crucificado a mais plena revelação da misericórdia: do amor que ergue o homem das duas quedas, desde as mais profundas.

Saibam que é a devoção que mais cresce no mundo e pois quatro apóstolos da misericórdia: O beato Miguel Sopocko, padre e diretor espiritual de Santa Faustina, a segunda apóstola; João Paulo II e quatro apóstolo: eu e você! Cada um de nós somos chamados a seremos anunciadores da misericórdia para o mundo.

Transcrição:Luana Oliveira


Padre Márlon Múcio


Sacerdote da Comunidade Missão Sede Santos

Twitter

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo