As dores de Maria

Prof. Felipe Aquino
Foto: Clarissa Oliveira
A América foi muitas vezes invadida por holandeses, franceses, que não eram católicos. Porém, sempre os portugueses conseguiram vencer esses povos, e se não fossem eles, talvez a América não seria católica. Nossa Senhora sempre protegeu a nossa Pátria.

A primeira coisa que Nossa Senhora pede é uma Capela, por isso foi feita uma capelinha na beira do Rio Paraíba, e depois a grande Basílica de Aparecida que é para nós um marco. E temos que construir mesmo. Um dia perguntaram para um rapaz perto de mim, porque vemos uma multidão de pessoas muito simples, e aí perguntaram para o rapaz: "Você não acha que esse santuário é muito luxuoso? Você não acha que deveria pegar este dinheiro e dar aos pobres?" E ele respondeu: “Mas foram os pobres que construíram este santuário, são os pobres que deixam o dinheiro aqui, e são eles que querem que a Mãe de Deus seja glorificada e que tenha uma casa bonita para abençoar seus filhos aqui."

Não tenho deixado de receber aos pés de Nossa Senhora Aparecida o que eu preciso. Há três anos atrás, um netinho meu de um ano de idade apareceu com um caroço enorme no pescoço, e os médicos disseram que era câncer. A família se desesperou, o padrinho da criança, que é o meu filho mais velho, fez uma promessa de ir a pé de Jacareí a Aparecida para que este tumor não seja um câncer. E eu, fiz a minha promessa de ir nove dias na Missa no Santuário, e quase todos os meu filhos fizeram alguma coisa. Resultado: quando foi feito o exame em São Paulo, detectaram que não era um câncer. Depois de uma semana o tumor desapareceu e nunca mais o Vínicius teve nada.

De vez em quando a gente tem que arrancar uma graça do céu através de Nossa Senhora. Nossa Senhora sabe tirar do coração de Deus o que é melhor para nós.

Porque a Mãe pediu, Jesus transformou a água em vinho, e porque a mãe pediu Ele fez. Transformou 600 garrafas de água em vinho da melhor qualidade, porque a sua mãe pediu.

Porque Ele atendeu sua mãe de maneira tão carinhosa? Porque a mãe tudo fez por Ele. Maria tudo fez e faz por Jesus e pela Igreja, e porque é pela Igreja ela está fazendo para a nossa salvação.

Maria é a imagem da Igreja, e ela deve ser como Maria. Jesus fez tudo através de Maria. Ele não precisava, mas quis precisar de uma mulher. Ele quis ter uma mãe e escolheu Maria, predestinada, diz o Catecismo da Igreja. Antes da criação do mundo Deus já tinha eleito Maria, por ser a mulher mais humilde que Deus encontraria na terra. Ele olhou para a pequenez e humildade de sua serva, como ela canta no Magnificat. Ele tomou a forma humana em uma mulher, por obra do Espírito Santo.

A Igreja reza conforme ela crê, e uma devoção antiquíssima que a Igreja venera, são as sete dores de Maria.

A primeira dor de Maria: A espada que Simeão fala a Maria. O menino é apresentado no templo aos quarenta dias, porque Jesus quis cumprir toda a Lei, e estando debaixo da lei, nos libertar da lei. Maria e José foram entregar o seu primogênito a Deus e deixavam um casa de pombos pelo resgate do menino, mas ela sabia que aquele resgate seria provisório e por isso Simeão disse uma espada transpassaria a sua alma.

"Na agonia da morte Jesus ainda teve forças para entregar a sua mãe a todos nós"
Foto: Clarissa Oliveira

O mundo se volta contra a Igreja, contra o Papa, porque ele não aceita o aborto, a eutanásia, o divórcio. A imprensa diz que o Papa está travando o Concilio Vaticano II . A imprensa esquece que quem escolheu esse Papa foi o Espírito Santo em um dos Conclaves mais rápidos do mundo, no segundo dia. Os bispos entenderam: é este o homem da hora. Mas o mundo que não conhece as coisas de Deus fica pisando no Papa, porque ele é sinal de contradição. E a espada continua atravessando o coração da Igreja.

Maria guardava tudo em seu coração e na fé, está tudo nas mãos de Deus, porque nada acontece sem que Deus saiba. E Maria entendeu certamente naquela hora, que sua vida seria uma vida de sofrimentos.

Maria, com o menino com 40 dias, teve que atravessar o deserto para fugir de Herodes, teve que sair da sua terra. Esta é a devoção que a Igreja chama de Nossa Senhora do Desterro, é a Nossa Senhora que teve de deixar sua casa, sua pátria, sua língua, para salvar o menino, o Filho de Deus.

Depois a espada aparece quando o menino tinha doze anos, quando o menino vai para o Templo, e ficaram procurando o menino três dias. Imagina o sofrimento desta mãe, sabendo que tinha perdido o Filho de Deus, e o evangelista diz que quando eles encontraram o menino, Maria disse: “Porque fizeste isso, teu pai e eu estávamos aflitos”. A única coisa que deve afligir o nosso coração é de perdermos Jesus, porque se perdemos Jesus perdemos tudo.

A quarta espada é quando Maria encontra o Filho no caminho do Calvário, o mais belo do filho dos homens. Ela O encontra coroado de espinhos, flagelado e sangrando. Que mãe poderia passar por um sofrimento tão grande? Mas ela continuou ao lado de Jesus e foi até o Calvário.

Quinta dor é quando ela estava no Calvário, vendo seu filho sendo levantado no madeiro da cruz, vendo o seu filho por três horas pendurado na cruz, vendo os soldados sorteando suas vestes, ouvindo Jesus perdoar, vendo Ele dizer "meu Deu porque me abandonaste?", e depois Ele disse: "Mãe eis aí o teu filho". Na agonia da morte Ele ainda teve forças para entregar a sua mãe a todos nós.

Sexta dor, Nossa senhora aos pés da cruz, e ouvindo Jesus dizer: “Pai em tuas mãos Eu entrego o meu Espírito". E Maria continua ali, com o coração estraçalhado, Jesus entrega a ela a humanidade, para que ela fosse a mãe da humanidade. No meio do Concilio o Papa parou e proclamou: Nossa Senhora é a Mãe da Igreja. A mesma mulher que gerou a cabeça da Igreja gerou também o corpo, os membros da Igreja.

Sétima dor, "Tomaram o corpo de Jesus e envolveram-no em panos com os aromas, como os judeus costumam sepultar. No lugar em que Ele foi crucificado, havia um jardim, e no jardim um sepulcro novo, em que ninguém ainda fora depositado. Foi ali que depositaram Jesus por causa da Preparação dos judeus e da proximidade da Páscoa".

É a mãe da Igreja, a mãe de cada um de nós, que nunca desampara a Igreja e nunca desampara a cada um de nós.


Prof. Felipe Aquino


Doutor em engenharia mecânica, pregador e escritor

Facebook
Twitter
Blog

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo