Combater pelo testemunho

Dom José Luiz Azcona
Foto: Wesley Almeida

No combate espiritual, o bom combate que nos fala São Paulo, no qual queremos tratar e assumir com responsabilidade cristã, é um combate abrangente, entre as trevas e a luz, onde todos estamos envolvidos. Não há como dizer eu não estou envolvido, pois todos estamos envolvidos.

É importante que de ante-mão tenhamos a certeza de que a vitória já está conquistada pela vitória de Jesus. São João no capítulo 19 começa dizendo como era a preparação para que os corpos não ficassem na cruz durante o sábado. Na pessoa de pilatos, nos soldados que ele manda arrematar a vida dos crucificados, vemos a concretização daqueles que lutam contra a luz, que parece vencê-la com a morte de Jesus na Cruz. É como um paradigma, aqueles que estão em luta e aquele que parece vencido pela lança do soldado e é exatamente o contrário, pois de Jesus sai sangue e água, sinal de vida, com sua morte Ele dá vida a todos.

Paulo exorta com fé a Timóteo dizendo: “Combate o bom combate da fé. Conquista a vida eterna, para a qual foste chamado e fizeste aquela nobre profissão de fé perante muitas testemunhas.” (I Tm 6,12). Entra no combate, não fique na inércia de tantos católicos sentados esquentando os bancos, discípulos que deviam estar lutando. Quem te carrega é Jesus no combate da fé.

Diante de muitas testemunhas, num contexto que foge a nossa compreensão, num contexto de luta, Timóteo tinha o belo testemunho, o de Cristo que Deus testemunha diante de Pôncio Pilatos, isto que aconteceu num contexto de fé glorioso “Em presença de Deus, que dá a vida a todas as coisas, e de Cristo Jesus, que ante Pôncio Pilatos abertamente testemunhou a verdade” (I Tm6,13). Aqui vemos o bom combate espiritual, Cristo enfrentando o poder das trevas, aqui representado por Pôncio pilatos.

Vamos penetrar mais profundamente neste testemunho belo "Jesus, que se entregou como resgate por todos." (1Tm 2,6). O grande testemunho que Jesus dá é a sua morte. “O Pai me ama, porque dou a minha vida para a retomar. Ninguém a tira de mim, mas eu a dou de mim mesmo e tenho o poder de a dar, como tenho o poder de a reassumir.” (Jo 10,17-18) . Ninguém tira a minha vida, eu a entrego voluntariamente, tenho uma razão superior do estado, eu entrego a vida por amor. Diante dos absurdos o cristão entrega a vida porque quer, pela liberdade que Cristo dá e que deve amadurecer na luta no combate.

Em João somos ensinados como devemos proceder no combate deste mundo, “Respondeu Jesus: O meu Reino não é deste mundo. Se o meu Reino fosse deste mundo, os meus súditos certamente teriam pelejado para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas o meu Reino não é deste mundo. Perguntou-lhe então Pilatos: És, portanto, rei? Respondeu Jesus: Sim, eu sou rei. É para dar testemunho da verdade que nasci e vim ao mundo. Todo o que é da verdade ouve a minha voz.” (Jo 18,36-37). Jesus veio dar testemunho da verdade que complica as autoridades deste mundo, Ele deu a vida, não é somente ir no grupo de oração e fazer pedidos, isso também, mas o bom combate da fé é dar testemunho da verdade que exige confronto.

"O cristão entrega a vida porque quer e pela liberdade que Cristo dá"
Foto: Wesley Almeida

A primeira coisa que o combatente deve possuir é a coragem e perder o medo, é uma palavra de conversão de realismo da fé, de sinceridade diante do crucificado, glorificado porque foi levantado. Jesus quer que seus súditos e seus soldados percam o medo e tenham coragem “Porquanto os filhos participam da mesma natureza, da mesma carne e do sangue, também ele participou, a fim de destruir pela morte aquele que tinha o império da morte, isto é, o demônio, e libertar aqueles que, pelo medo da morte, estavam toda a vida sujeitos a uma verdadeira escravidão.” (Hb 2,14-15). Nosso combatente aparece como vencedor da morte, é o capitão vitorioso diante de um inimigo tão perigoso como a morte. Diante do perigo de morte, pela fé precisamos dar testemunho da justiça e o do bem comum, sem esse é impossível enfrentar a morte. Que tenhamos todos esta atitude de testemunho, jogar o medo para fora, pois Cristo é o vencedor da morte, afim de pela morte destruir o imperador da morte, que é o demônio. É pela morte que Ele vence o tentador, pelo qual Jesus libertou a humanidade do temor da morte.

Se renuncias o medo és um bom combatente, um combatente que possui medo está fora da graça de Deus. O medo que jogou para fora, venceu o demônio que domina a humanidade pelo medo da morte e por isso, que essa palavra de Deus nos convida a combater o bom combate, conversão a radical, contextualizar essa radicalidade na nossa história, um compromisso enorme. O medo tomou conta dos combatentes, esse medo levou a afastar-se da realidade, e aquele que devia ser sal do mundo se converteu em sal insonso, não pela sua autenticidade de ser de Deus, mas pela falta de convicção, é por isso que devemos fazer um exame de consciência, até que ponto a esse sal se converteu em sal insonso que não serve mais para nada, parecendo ser sal, mas não sendo sal, parecendo luz, mas não sendo luz?

Onde está o combate dos católicos? Escondido debaixo do banco? Acham que entrarão no Reino dos Céus gritando aleluia? Só entraremos no Reino do Céus se formos o sal da terra, combatendo o bom combate da fé verdadeira, autêntica do testemunho de Jesus.

Onde está o sentido dos cristãos? O que estamos fazendo? Nós queremos enfrentar a realidade, não queremos baixar a cabeça, nós queremos lutar, a mensagem de Cristo não é somente uma mensagem de fé, mas uma mensagem de costumes dentro da Igreja.

"Combatei o bom combate que nasce ao pé do cruz sejamos soldados destemidos"
Foto: Wesley Almeida

A nova evangelização deve assumir o que São Paulo nos orienta como sermos combatentes: “Eu vos exorto, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, a oferecerdes vossos corpos em sacrifício vivo, santo, agradável a Deus: é este o vosso culto espiritual. Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que lhe agrada e o que é perfeito.” (Romanos12,1-2). Este mundo que não aceita as doutrinas da Igreja, que a única coisa que fala “é que a Igreja pode é falar da sua doutrina, mas eu não preciso seguir”, isso é expulsar a Deus e matar a Cristo, é não conhecer a soberania do Rei, é não acolher a lei, essa lei que nos leva a uma liberdade interior. É corresponder a Satanás que está por trás de todo combate espiritual.

“Não vos conformeis com este mundo” passado pelos meios de comunicação, pelos políticos. Para superar essa revolta que temos dos mandamentos de Jesus, precisamos olhar para Jesus. Como temos brincado, desprezado o corpo de Cristo. Desprezado a graça do nosso batismo, como temos abandonado a Deus, nos constituindo um povo sujo, precisando que Seu Sangue lave nossa mente.

Queridos, combatei o bom combate que nasce ao pé do cruz sejamos soldados destemidos, porque Cristo venceu a morte e estamos com Ele, entremos no combate com toda audácia, não só como pregadores, mas como testemunhas do cotidiano, testemunha na justiça e na verdade.

Saber discernir o que é bom e que o mal, há tanta confusão entre nós que não conseguimos discernir a vontade de Deus, que não é a vontade deste mundo. Cristo não teve medo diante dos grandes, com simplicidade Ele deu testemunho da verdade. Jesus nos ensina a dar testemunho da verdade e da justiça. Levanta-te combate o bom combate no nome de Jesus e com a graça de Nossa Senhora.

Transcrição e Adaptação: Regiane Calixto


ADQUIRA ESSA PREGAÇÃO PELO TELEFONE
(12) 3186 -2600

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo