Como enfrentar o sofrimento?

Prof. Felipe Aquino
Foto: Eliziane Alves

Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3, 16). Deus não poderia manifestar tal amor: “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida por seus amigos” (João 15, 13). Atrás de Jesus, daquele homem que morreu na cruz estava Deus, o divino.

É difícil entregar seu filho para a salvação dos outros. Muitas pessoas acham que Deus é um carrasco que entrega o filho, mas não foi. Ele entregou seu Filho para salvar a todos e não morrermos pelo pecado. Isso é amor de Deus! Em I João 4, 10 diz: “Nisto consiste o amor: não em termos nós amado a Deus, mas em ter-nos ele amado, e enviado o seu Filho para expiar os nossos pecados”.

Deus não obrigou a ninguém a fazer nada e todo mundo agiu contra Jesus espontaneamente. Deus usou disso como matéria prima para a salvação. Ele aproveitou de cada um para salvar a humanidade. Tudo isso para Deus mostrar o amor por nós.

A cruz nos ensina o amor de Deus, o amor da renúncia. Amor é dar-se, mais do que dar é se dar a alguém, dar o seu tempo, o seu sacrifício, dar os seus planos e seus projetos.

“A caridade é paciente, a caridade é bondosa. Não tem inveja. A caridade não é orgulhosa. Não é arrogante. 5 Nem escandalosa. Não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor. 6 Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade. 7 Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta”. ( I Cor 13, 4-8).

“Vivo na fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim”. (Gálatas 2,20). Ele assumiu em nosso lugar e morreu por nós. Deus nos ama de muitas maneiras. Jesus o Senhor enlouqueceu por amor. Só uma pessoa enlouquecida por amor que morreria na cruz. Deus é louco de amor por nós!

O amor é mais forte que a dor. Jesus suportou tudo porque o amor por nós é maior O amor supera a dor, o medo e tudo. Agora temos que devolver esse amor. ‘Amor só se paga com amor’, nos diz São João da Cruz.

Qual o amor que Deus espera de nós? Para que façamos a vontade de d'Ele é preciso de duas coisas; fazer o que Deus quer, e por segundo, querer o que Deus faz, nos diz Santo Afonso de Ligório. Deus quer que vivamos seus ensinamentos, a sua Palavra, João 14, 15: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos”. Você quer ir para o céu e retribuir o Sangue que Ele derrubou na cruz?

O amor é mais forte que a dor
Foto: Eliziane Alves

“Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu espírito e de todas as tuas forças.” (Marcos 12, 30). Ele não aceita ser segundo porque somos o primeiro amor da vida d’Ele. Deus nos ama acima de todas as coisas.

Quando pecamos é o Cristo sendo crucificado de novo. Vamos ser honestos com Deus. Temos que viver a lei de Deus. O pecado antes de se realizar é concebido na nossa alma. A cruz vem para nos libertar. Querer o que Deus faz e aceitar a vontade do Senhor. Assim como no Pai-Nosso: ‘seja feita a Sua vontade’. A cruz é um sofrimento e não tem como escapar disso. Ninguém consegue viver sem sofrimento. Depois que o pecado entrou no mundo, nós sofremos. “Porque o salário do pecado é a morte” (Romanos 6, 23). Não sofremos somente pelo nosso pecado, mas pelo pecado do mundo. Nós somos ligados uns aos outros.

Cristo transformou o sofrimento em matéria prima. Jesus reciclou o sofrimento porque não foi Ele que inventou esse sofrimento, mas nós pelo mau uso da liberdade, por não usar os dons maravilhosos que Deus nos deu, então sofremos; Ele recicla o nosso sofrimento transformando em salvação. No Calvário havia três cruzes, os três homens foram crucificados do mesmo jeito e sofreram as mesmas penas: um como um Santo, Jesus; outro sofreu como um penitente arrependido e outro como um condenado e descrente que morreu blasfemando. Essa reflexão nos mostra que temos maneiras de sofrer neste mundo. Sofre-se como um santo, aquele que entende que o sofrimento santifica; como um penitente ou como um desesperado. Como você tem sofrido?

O sofrimento é extraordinário! Pois o sofrimento nos purifica. Mas tem hora que o sofrimento é inevitável, então nesta hora: ‘seja feita a vontade de Deus’. De uma maneira que se aceita mesmo sabendo que não podemos suportar. E depois disso, tirar um bem de todo mal. “Aliás, sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são os eleitos, segundo os seus desígnios” ( Rom 8, 28).

Vamos parar de reclamar da vida. Aqueles que reclamam é porque não têm fé. Não se fixe no mal, mas Deus usa do mal para fazer o bem, por caminhos que não conhecemos.

Mude de atitude!

Transcrição e adaptação: Eliziane Alves


Adquira essa pregação pelo telefone
(12) 3186-2600


Prof. Felipe Aquino


Doutor em engenharia mecânica, pregador e escritor

Facebook
Twitter
Blog

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo