Em busca da sobriedade

Foto: Eliziane Alves

ENTREGAR-SE, terceiro passo da Pastoral da Sobriedade

Estou aqui hoje para falar sobre "entregar-se". A Pastoral da Sobriedade diz que nós precisamos admitir que somos necessitados e que temos nossas dependências, é uma pastoral que diz que nós temos que entregar a Deus todas as coisas. Na nossa oração diz que temos que aprender a esperar no Senhor, porque? Por que muitas vezes nós queremos as coisas para ontem e na verdade elas devem acontecer no tempo de Deus. Nós devemos confiar que Deus cuida de nós e também devemos saber que como diz a Palavra de Deus há um leão rugindo ao nosso redor, muitas vezes esse leão é a droga, mas também muitas outras coisas que atrapalham nossa sobriedade, por exemplo, as coisas pequenas que acontecem em nossas próprias casas. Muitas pessoas sofrem como nós dependentes, sofrem por que sentem-se abandonados, sozinhos, mas Deus está preparado para cuidar de nós, mas entregue-se ao Senhor, não será fácil, pois enfrentaremos muitas dificuldades, principalmente aqueles que não conhecem a Deus. Nós só entregamos as coisas nas mãos de quem nós confiamos e se confiamos e esperamos em Deus com certeza as coisas acontecerão, mas mude, não fique esperando somente, faça sua parte!.

Eliane – Diocese de Curitiba

Testemunho de José Osmar

"Sou um dependente químico em recuperação e usei álcool, cigarro, maconha, eu estava tentando uma carreira de jogador de futebol profissional, porém aos 18 anos conheci a cocaína e infelizmente em função das drogas eu não conseguia ser feliz, aos 29 anos eu conheci o craque, em seis meses eu já não tinha nada e ainda perdi minha família, minha dignidade, depois fui a um posto médico buscar ajuda. Eu passei 3 meses de muita dificuldade e ansiedade para usar o craque, eu estava 18 anos sem entrar na Igreja católica e eu era de família católica, fui convidado a um grupo de oração e ali tive meu encontro com Jesus. Continuei freqüentando o grupo, ainda usando os coquetéis de tratamento que o médico havia me dado. Certo dia no grupo de oração pediram que nós entregássemos nossas vidas nas mãos do Senhor e naquela hora eu senti algo muito forte e fui entregando a situação em que vivia, pois não agüentava mais tomar aqueles coquetéis de remédio, cheguei em casa e abandonei todos aqueles coquetéis e comecei a perseverar, encontrei um irmão que antes bebia junto comigo e agora estava fazendo parte da Pastoral da Sobriedade, ele me convidou a participar da pastoral e lá eu fui bem acolhido".


Claudia Maria Cristo
Foto: Eliziane Alves

ARREPENDER-SE, quarto passo da Pastoral da Sobriedade

Quarto passo é o “arrepender-se” e três motivos me motivam estar aqui, o primeiro é o amor e a misericórdia do Senhor, o segundo o “eis me aqui Senhor” e o terceiro o “arrepender-se”. Como aquele filho que encontramos na Bíblia que se arrependeu e voltou para a casa do pai, nós devemos nos arrepender e voltar. Aos 11 anos de idade eu usei cigarro, aos 14 anos eu usava maconha e aos 18 minha primeira carreira de cocaína, e de repente um dia eu estava no banheiro fumando uma pedra de craque e minha filha me viu e disse: “mãe por que a senhora faz isso?” e naquele momento eu me arrependi de muitas coisas que tinha feito e eu quis voltar. O que é preciso mudar em nós é o desejo, é tirar o que é velho e cair em si, nós sabemos hoje que somos feitos imagem e semelhança de Deus e precisamos buscar mudar. O primeiro passo é admitir, depois confiar, depois se entregar. Jesus nos prometeu vida plena e em abundância! E voltar para a casa do Pai muitas vezes é difícil, fui para uma casa de recuperação e levei umas pedras de craque para fumar no caminho, mas um dia conheci Jesus na Santa Eucaristia e mudei. Voltei para a casa depois de um tempo de tratamento e vi que não tinha condições de cuidar de meus filhos, fui atrás de um padre que tinha um abrigo para falar com ele e ver o que podia fazer por mim, não o encontrei mas vi que haveria uma vigília Eucarística e lá nesta vigília eu encontrei o Sacerdote dos sacerdotes, Jesus! Eu tive uma recaída recentemente, voltei ao vicio da nicotina e tive os mesmos sintomas de quando era viciada em outras drogas, pensei em largar pastoral, largar tudo, mas Deus me deu forças para não desistir. Encontrei o Bispo me arrependi profundamente de tudo que vivi nesta recaída, me confessei e estou de volta, precisamos lutar, mesmo se tivermos uma recaída, que não desistamos!

Cláudia Maria de Cristo


Ximenes
Foto: Eliziane Alves

CONFESSAR, quinto passo da Pastoral da Sobriedade

É preciso confessar, é preciso reconhecer, é preciso saber que a misericórdia de Deus não tem limites. Eu sou um dependente químico em recuperação, filho e neto de dependentes químicos, estou aqui para falar para você sobre “confessar-se”. Muitos dos que vivem uma dependência não sabem o que é confessar-se, nós precisamos ver o momento em que começou nossas dificuldades, sabemos que fazemos muitas coisas erradas, mas precisamos saber em que momento nós começamos a ter estas atitudes, muitas vezes foi quando nós nos afastamos de Deus. Dom Irineu dizia ontem na Santa Missa que este acampamento é de Cura e Libertação e nós precisamos buscar estas curas, pois se eu não mudar as coisas não acontecem. Preciso ver que a droga foi somente uma conseqüência do meu rompimento com Deus, foi quando eu não tinha mais tempo de rezar, de ir a uma Igreja. Nós temos que olhar para dentro de nós e identificar o momento em que nós dissemos: “eu quero!”. Neste momento pensamos só em nós e Deus hoje nos chama a fazer estes 12 passos da pastoral da sobriedade. Precisamos reconhecer, confiar, arrepender-se, confessar-se. No trabalho que fazemos tentamos convencer às pessoas a se abrirem daquilo que de mal fizeram e é um trabalho difícil, muitos deles vão e se confessam, porém ficam com um sentimento de culpa, onde o inimigo de Deus fica os acusando, por isso temos que ter um trabalho forte de oração e intercessão. Você precisa dar o primeiro passo, não estar com pessoas que fumam ou bebam se este é o seu mal, pois assim o Sacramento da Confissão terá efeito maior em sua vida, nós temos que evitar estar nos locais de festas regadas a bebidas, precisamos buscar uma vida nova, uma vida equilibrada. Talvez você não tenha a pré-disposição para beber ou fumar, mas você também precisa evitar o contato com estas coisas. Muitos estão há muitos anos sem se drogar e de repente voltaram ao vicio, é preciso ser radical. Não adianta ir a pastoral hoje e no resto da semana não fazer nada, precisamos conhecer a pastoral, a doutrina da Igreja, os Sacramentos.

Ximenes – Brasília

Testemunho de Gildo – Brasília

"Fui fumante e também dependente do álcool, tudo o que eu ganhava era para manter o vicio do álcool, perdi emprego, namorada e me entreguei ao vicio. Um irmão meu teve a idéia de me levar a uma fazenda de recuperação e eu não sabia, chegando lá ele me disse: “Não sei o que fazer com você e por isso te trouxe aqui”. Fiquei na fazenda uns 9 meses e ao sair entrei em um grupo de mutua ajuda e tempos depois fui buscar a Pastoral da Sobriedade e lá eu fui trilhando estes passos e vi o quanto Jesus nos ama. Às vezes, nós não queremos olhar para nós mesmos e fui fazendo os passos, mas não me sentia a vontade para se confessar, mas criei forças e fui me confessar e houve uma mudança em mim. Nós aprendemos a amar e não devemos julgar aqueles que são dependentes e depois da confissão que fiz, me comprometi mais com a pastoral e hoje ajudo aqueles que são dependentes".

Transcrição: Flávio Costa

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo