Escolher uma vida de santidade

Dom Alberto
Foto: Robson Siqueira/cancaonova.com

De vez em quando se publica um livro de memórias, histórias da vida de pessoas importantes. Muitos fazem o seu diário em que podem se recordar de dias importantes. Outros não escrevem, mas se lembram muito do que aconteceu em sua vida. Mas se você olhar sua história e contar o que Deus fez em sua existência, posso lhe perguntar: quem tem a chave para abrir o livro da sua existência para que você possa compreender o que acontece?

Posso dizer o mesmo a cerca do mundo, olhando toda a sua história perguntar: onde está a chave para entender este livro da existência? Quem tem a chave para entender a vida das pessoas e do mundo é o Cordeiro Imolado, Jesus Cristo, morto e ressuscitado. Ele tem a chave da vida e só na passagem da morte para vida que encontramos o sentido para nossa existência. Só em Jesus Cristo encontramos o sentido da vida. E a Ele deve ser dada toda a glória.

Hoje a Igreja quer descortinar para nós a grande esperança, sonho da vida da humanidade. Na solenidade de todos os santos, a Igreja diz: “Ele é o primeiro e o último”, não estamos num beco sem saída. Deus é o Senhor de tudo, não estamos destinados ao fracasso e como cristãos somos portadores dessa esperança. Deus nos fez para sermos felizes, realizados, para a plenitude diante d'Ele.

O céu é o paraíso. Mas quem entra no céu? Quando morrermos vamos nos encontrar com o Senhor. E só existe uma vida, então aproveite, pois é a única oportunidade que você tem nesta terra. Quando for chamado diante de Deus, em Cristo, na luz do Cordeiro imolado, você vai enxergar toda a sua existência, com certeza algo vai doer,  por isso existe o purgatório, a dor purificadora que nos faz enxergar tudo aquilo que não foi parecido com Cristo. Quando isso acontecer conosco somos chamados a chegar à plena comunhão com Deus. O céu é a vida da Trindade Santa. Somos participantes da natureza divina pela graça do batismo.

"Deixe o Cordeiro abrir o livro da sua vida e escolha a vida de santidade", exorta-nos Dom Alberto
Foto: Robson Siqueira/cancaonova.com

 :: Veja fotos no Flickr
:: Veja + fotos também no Facebook

Jesus disse: "Eu sou a porta", os santos são homens e mulheres que descobriram o Cordeiro como a chave da vida, que querem passar pela porta, que é Jesus, o Pastor das ovelhas e querem entrar nesta comunhão com Deus.

A santidade é a vocação universal, vocação de todos os cristãos e é necessário que olhemos para o alto e não nos acostumemos com o egoísmo. Há uma santidade que Deus dá, ela é presente, é dom. No batismo nos tornamos templos do Espírito Santo. Acolha essa santidade, que é dom, que é graça. Somos filhos de Deus, mas há muita coisa que se manifesta, o melhor vem depois, nós aguardamos, precisamos aguardar aquilo que vem de melhor.

Aproveite essa santidade que é dom. Quanta virtude silenciosa encontramos nas pessoas que estão perto de nós, gente que leva a sério o Evangelho. Acolha a santidade, que é presente, acolha essa legião que buscar viver essa santidade.

Quando a Igreja canoniza alguém ela nos assegura que a vida desse santo é um exemplo e que ele pode interceder por nós. Acolha a santidade, que é dom, e receba o testemunho das pessoas que aceitaram vivê-la.

Aceite percorrer um caminho de santidade. Levante-se milhões de vezes da suas falhas, a Igreja oferece o caminho da penitência; mas não se habitue com a maldade. Ilumine os recantos mais escuro de sua existência e caminhe para o alto. Façamos a diferença, aceite fazer a propaganda do bem pelos meios da comunicação.

Solenidade de todos os santos, de nossa vocação, do chamado maravilhoso que Deus faz em nossa vida, faça a sua escolha. Deixe o Cordeiro abrir o livro da sua vida e escolha a vida de santidade.

Transcrição e adaptação: Regiane Calixto


Dom Alberto Taveira Corrêa


Arcebispo de Belém – PA

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo