Filhos do Rei

Ouça trecho dessa pregação

Nós não somos padres para nós mesmos, e quando o nosso Papa João Paulo II faleceu, todos nós sacerdotes ficamos muito tristes. E foi ele quem me ordenou padre. Eu fiquei triste, mas, ao mesmo tempo, alegre quando ele foi para o céu, porque agora o sinto mais próximo, por estar próximo de Deus, pois ele era um santo Papa, um santo Padre! Eu dizia, ontem à noite, quando rezava para ele: "Interceda por mim, imponha suas mãos sobre minha cabeça, assim como o fez na minha ordenação". Você também pode pedir a intercessão de João Paulo II, porque ele foi um homem santo.

E quando o Dunga me convidou para o ‘PHN’, pensei: "Eu não posso perder isso, preciso me converter! Preciso desta graça da conversão!" Nós, que estamos há tanto tempo na caminhada, não nos damos conta das conseqüências do nosso pecado. Às vezes, nos confessamos, nos arrependemos, derrubamos lágrimas, isso já aconteceu várias vezes comigo. E quando pedimos perdão, achamos que tudo está resolvido, mas não está, porque o pecado foi perdoado, mas ficam as marcas, as conseqüências dos nossos pecados, assim como as dos pecados de nossos antepassados e do pecado original. Quantos jovens são vítimas da Internet, nesses sites e chats pornográficos, e você pode confessar, você pode apagar as memórias do computador, mas a memória do "disco rijo" da sua memória você não apaga. Por causa do pecado cometido, agora você tem uma "inclinação", é como um prédio que começa a inclinar, e a tendência é dele cair, qualquer engenheiro sabe disso. Assim como existe a inclinação em nós devido aos nossos pecados. Por exemplo, se você teve relação sexual antes do casamento, você vai ter mais dificuldade em evitá-la do que antes de você ter tido esta relação.
Devemos romper com a mentira que está atrás do pecado. Todos nós deveríamos acionar o "PROCON" contra o diabo, porque ele faz propaganda enganosa. Atrás de cada pecado existe uma promessa de felicidade que não vai acontecer.

Numa carta extraordinária do Papa João Paulo II, ele diz: "Pecado é procurar Deus onde ele não se encontra". Quem peca está procurando a felicidade em lugar errado. Já reparou que as pessoas pecam por que querem ser felizes? Até mesmo quem comete suicídio, o comete pensando que a morte aliviará o seu sofrimento. Quem comete o adultério também está procurando a felicidade. Porém, irmãos, como sabemos: o salário do pecado é a morte. Deus não está no sexo desregrado, no álcool, no dinheiro, na fama humana e carnal. Você está procurando no lugar errado, meu irmão, acorde! Quantos jovens têm dificuldade de manter a castidade, e esquecem que o nosso órgão principal é o cérebro. Isso ocorre porque acreditam numa mentira.

A Palavra de Deus é que crava os nossos pés bem firmes no chão. E a Canção Nova é um instrumento extraordinário, porque é instrumento da Palavra de Deus, a qual vai destruindo a mentira que foi instalada dentro de você. Preste atenção em que o seu pensamento está direcionado o dia inteiro. Aquela coisa – em que você pensa o dia inteiro – é o seu deus, e como ensina a Palavra: Porque, onde está o teu tesouro, lá também está o teu coração” (Mateus 6:21). Você pode dizer que Deus é o seu Deus, mas se pensa o dia inteiro em comida, o seu deus. Ou se pensa só em comida, sexo, bebida, aquilo com que você gasta o seu pensamento, este é o seu deus. Nós precisamos trazer o nosso coração de volta para Deus. Precisamos recordar, em nossa memória, quem somos. Confira o que nos diz o Senhor em Efésios, no capítulo 5, versículo 1: “Sede pois imitadores de Deus como filhos muito amados” (…) “Mas agora sois filhos da luz, procedei como verdadeiras luzes” (id.ib. 8).

É necessário recordar para vocês um desenho animado intitulado "O Rei Leão". Para quem não se lembra, eu vou recordar-lhes que atrás daquele desenho é puro Evangelho, e precisa se ter sensibilidade para perceber. Um leãozinho, que é filho do rei da selva, Simbá, vive a sua vida na alegria, e sabe que o pai é verdadeiramente o rei da selva. Mas o animalzinho se mete em uma enrascada e o pai o salva. Ele estava lá com a turma e o pai diz: "Filho, eu quero falar com você" e os amigos saem. E o pai lhe dá uma dura repreensão, e o filho diz: "Pai, eu queria ser como você, que não tem medo". E o pai responde: "Filho, eu tenho medo, eu tive medo de te perder". O pai de Simbá acaba morrendo, e o inimigo deles diz ao leãozinho que o pai dele morreu, e que a culpa era dele: "Você vai ser culpado!" E o leãozinho foge e vai para o deserto, e entra em depressão. E lá encontra dois amiguinhos, e eles dizem: “Cara, o mundo voltou as costas para você, então, volte as costas para o mundo também”! E dizem: “Hakuna matata”, que é um dialeto do Kongo, o antigo Zaire, que quer dizer: “Tô nem aí, não adianta vir com seus problemas que eu não estou a fim”. E ele assume uma “vagabundagem espiritual” e formam uma turma, assim, eles vão passando a vida, e rapidamente ele cresce, de criança a um jovem adulto. E, um dia, um sábio diz a ele: "Seu pai não morreu!" e Simbá arregala os olhos e diz: "Ele não morreu?" E então o sábio o leva, e na selva há descidas e subidas, e o leva à beira do lago e diz: "Olha!" O jovem leão diz: "Este é o meu reflexo, este sou eu". O sábio reafirma: "Não, olhe melhor". Quando então ele vê que as nuvens refletiam, na água, a imagem do pai dele. E este [pai] protesta: “Você se esqueceu de mim! Por que você se esqueceu de mim?” E o leãozinho discorda: "Eu não esqueci". E o pai conclui: "Você se esqueceu de mim, porque você se esqueceu de quem você é".

Você não é isso que você virou, porque você se esqueceu de quem você é! Você é filho do Rei! A mentira do pecado faz com que nós esqueçamos da nossa vocação de filhos de Deus.

E depois de 15 anos de sacerdócio, eu vejo que Deus me fala: "Você esqueceu de mim". E retruco "Mas eu rezo, eu sou até um padre ajeitadinho". Nós caímos como os outros, porque nos sentimos como "marcianos" muitas vezes, e ninguém na sua casa quer viver aquilo que você está vivendo, então se sente meio diferente, e pensamos: "Estou sendo fanático demais", e dizemos para nós mesmos: "Cabeça fria! ‘hakuna matata’! Todo mundo faz, eu faço também!" E nos esquecemos da nossa vocação extraordinária: nós somos filhos do Rei! Por esta razão, precisamos recordar todos os dias de que somos filhos do Rei! É verdade eu me esqueci que eu sou diferente dos outros. E o Simbá pergunta: "O que eu devo fazer para voltar a ser o que eu era antes?". Você é filho do Rei, você é um escolhido. Eu estou onde eu não sou. Eu estou vivendo uma vida que não é minha. Eu recebi uma educação dura, muitas vezes, mas, com carinho. Você está onde você não é: "O que eu faço para poder voltar para casa do Pai, para pegar o caminho de retorno?" O pai do leãozinho responde: "Lembre-se de mim". Lembrem-se de seu Pai. O pecado é orfandade, quando pecamos vivemos a orfandade. Lembre-se de quem você é.

"A verdade vos libertará", e Jesus não disse que viver a verdade ou ouvi-la seria fácil, ou que seria como um doce. É como quando éramos crianças, e ao fazer algo errado, precisávamos do olhar duro dos nossos pais para colocar os pés no chão. Nós precisamos fazer o esforço de viver um propósito, de escutar a verdade, e não temos somente a mentira do demônio, muitas vezes, as mentiras que nós contamos para nós mesmos. E a nossa missão aqui neste ‘PHN’ é recordá-lo de quem você é: Você é escolhido, você é um filho amado de Deus! Lembre-se: todos nós já ganhamos na "mega-sena" só pelo fato de existirmos! Quanta gente melhor do que eu poderia ter nascido. Mas Deus me amou. Ele me quis e me elegeu. Quando Deus pensou em mim, o coração d’Ele se aqueceu de ternura, Ele sonhou com a minha e com a sua existência.
Ele esperou tanto tempo por você, Ele o quis. E lhe diz: "Porque eu te amei, sonhei contigo desde toda eternidade". Não estrague esta realidade, você é filho do Rei! Você tem uma vocação altíssima, você não é qualquer um. Você é precioso, Ele fez você, pensando que você viveria no "compasso" do coração d’Ele. Você precisa aprender com Deus, porque, muitas vezes, você quer inventar um caminho, querendo ser original e tentando "abrir caminho" com um "facão" no meio do mato. Às vezes, me perguntam: “Por que eu sou assim ‘quadradinho’?” E eu respondo: "Eu não tenho de inventar um novo jeito. Eu trilho os caminhos que outros homens santos trilharam, pois eu sei aonde vou chegar". Eu não sou como um cogumelo que nasce sozinho. Eu preciso ser um padre como outros padres santos, que foram obedientes ao Santo Padre. E eu não sou órfão, você não vai inventar o caminho da santidade, você tem de buscá-lo nos caminhos que outros já trilharam antes de você.

A juventude, hoje em dia, é indecisa, faz vestibular, tranca a matrícula da faculdade, às vezes, quer ser especial e acaba sendo medíocre. Você só tem de lembrar que você não é órfão, nós temos de nos recordar diariamente quem somos. Esqueça a "vagabundagem" espiritual. Você só tem de viver como um filho querido do Pai e querer ser como Ele.
Nossos pais, aqui da terra, são pecadores, queiram ser santos como o é o nosso Pai do céu.

Oração conduzida por Padre Paulo Ricardo

Transcrição: Célia Grego
Fotos: Renan Félix
Edição e áudios: Willieny Isaias


 Adquira essa pregação pelo telefone:
(12) 3186-2600


Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo