Jesus, nosso instrutor espiritual

Vamos mergulhar na Palavra de Deus em Efésios 6. Eu aprendi que quando você mergulha na Palavra de Deus, conhecendo-a, a sua autoridade se torna ainda maior, porque você pede e suplica com a convicção de quem sabe o que está fazendo. Quanto mais nós mergulhamos no mistério, que é essa Palavra, apropriando-nos dela, tanto mais a graça acontece, porque aquele que reza a Palavra, sabe o que está rezando, sabe o que está pedindo. Pois a palavra humana, por mais bela que seja, não pode ter o efeito que a Palavra de Deus tem, pois esta saiu dos lábios do próprio Deus. Vamos mergulhar em cada detalhe, em cada palavra deste texto. Tenho certeza de que quando terminarmos e você pegar essa Palavra [Efésios], vai estufar o peito e dizer: agora eu sei o que eu estou fazendo, agora sei o que estou pedindo.

O Papa Paulo VI, em 1972, precisamente no dia 15 de novembro, lançava a famosa locução "Livrai-nos do mal". Esse texto, que naquele momento não tinha um caráter dogmático, tornou-se um dos documentos mais utilizados quando queremos entender a ação do maligno no mundo. No final, Paulo VI nos dá as armas para a defesa do cristão diante do mal. E entre tantas armas dadas por ele, e ele dizia que o cristão tem de ser um militante. É por isso que entrarmos neste texto, ao lê-lo, já nos sentimos soldados em ordem de batalha.

Em Efésios, capítulo 6, 10, Paulo começa dizendo: "Finalmente, irmãos, fortalecei-vos no Senhor, pelo seu soberano poder". É como se ele quisesse dizer que, daqui por diante, não há outro jeito de proceder: ou fazemos isso ou sucumbiremos diante da batalha. Esse apóstolo tem uma característica muito própria, da qual a Igreja precisa se apropriar cada vez mais. E eu percebo muito isso no nosso Papa Bento XVI. Paulo nunca deixa dúvidas quando ele fala, pois é sempre muito objetivo e direto. E eu percebo que nosso Sumo Pontífice também não deixa margem para dúvidas, não tem como haver desvio da retidão.

"Fortalecei-vos no Senhor". Gosto muito de levar a Palavra para a língua na qual ela foi escrita, o grego. Qual a diferença entre fortalecer e tornar-se forte? Significa dizer que qualquer soldado que vá para guerra, precisa treinar, pois a certeza da vitória é o treinamento. Quem não vence, não pode ganhar.

Durante muitos anos na Igreja, quase dois mil anos, sobretudo na figura do Santo Padre, nos foi proposta a palavra “ascese”, que significa exercício. O cristão precisa exercitar a sua vontade e a sua vida espiritual. É preciso treinar a alma, ter o espírito de iniciativa, e a oração é a “tecla que aciona” o coração do Pai. De forma que um dos primeiros exercícios é orar. Por mais de 164 vezes, nas Epístolas de Paulo, este apóstolo pede que o cristão ancore sua vida no Senhor.

São Paulo nos diz que quem treina precisa de um instrutor, e o treinador da vida espiritual é Jesus, a quem o Pai constitui Senhor pelo soberano poder d’Ele. Existem três palavras no Novo Testamento que falam de poder: a primeira é “dynamus”, daí vem a palavra em português 'dinamite'. A segunda é “icsus” – Deus é poder, o ser de Deus é ser poderoso. E a terceira palavra é “cratos”', que significa o poder de Deus em ação, é a mão de Deus agindo, fazendo as coisas. Tudo o que Ele faz é com poder. Por isso eu digo: não apresente para Deus o seu possível, porque o seu possível você mesmo pode realizar. A única matéria que o Senhor trabalha se chama impossível, o resto é com você, porque Deus o capacitou para isso, dotando-o de dons e capacidades.

”Revesti-vos da armadura de Deus, para que possais resistir às ciladas do demônio” (Ef 6,11).

O que tem uma armadura? Um capacete, um escudo, uma espada, a couraça, o cinturão, as caneleiras, as luvas. Quando Paulo fala de armadura, ele fala de armas de defesa e armas de ataque. Infelizmente, por não saber o que é uma armadura, nós só nos defendemos diante do inimigo. E as armas de ataque? Espada, três lanças (uma grande e duas menores), um machado de guerra que corta de um lado e um segundo machado duplo, que corta dos dois lados, uma maça [espécie de bola de ferro com espinhos de aço], a funda, muito usada por Davi, quando venceu Golias, o arco e nas costas a aljava, cheia de flechas e uma espécie de facão. Se formos perceber, existem 11 armas de ataque e 6 de defesa. Então, pare de se defender, vá para o ataque, coloque-se em posição de batalha! Não passe a sua vida toda se defendendo! Você precisa parar de ser pego de surpresa.

A armadura é de Deus porque o nosso oponente é o demônio e não podemos vencê-lo com as nossas armas, pois contra as forças sobrenaturais de nada nos vale a força física. Somente uma poderosa força sobrenatural, que é Jesus, para que possamos resistir. Não podemos ser pegos de surpresa.

Todas as vezes em que nos faltam profetas e profecias, o mal aumenta, porque a profecia é a única força que pode oferecer resistência contra o maligno. O mundo de hoje urge por profetas e profetisas, por pessoas que apresentem resistência à ação do mal, para que este não continue crescendo.

Meus irmãos, até há pouco tempo, o mal, para nós, era o nosso pecado de cada dia, mas precisamos romper com essa lógica e perceber que ele [mal] é uma força organizada e que se espalha rapidamente. Enquanto que muitos filhos de Deus parecem estar dispersos.

Temos de ir para a guerra, não somente para ficar na defensiva, mas ir para a batalha que pode ser de ordem pessoal ou familiar. Portanto, a sua casa e o seu serviço são seu posto de batalha. O “treinador” do outro lado [maligno] já foi derrotado, mas o meu Treinador nunca foi derrotado, pois nunca se ouviu dizer que o meu Senhor perdeu uma guerra. Até mesmo a guerra que Ele parece ter perdido, quando da sua Morte, Ele ressuscitou e surpreendeu o demônio. Não há perdas para quem se reveste da armadura do Senhor!

O inimigo não dorme, a nossa fé nos diz que ele não pode perscrutar as nossas almas. Mas ele está vendo quando caímos e descobre nosso ponto fraco e trama para nos derrubar. Se nós não estivermos revestidos das armaduras de Deus, se não treinarmos, vamos cair nas estratégias do maligno, pois ele, em sua eternidade, pensa na maneira de nos derrubar. Por isso, precisamos estar sempre em Deus.

O corpo revestido com a couraça da justiça, não negocia a verdade, não negocia o seu Deus por nada e por ninguém. Deus é fiel e nós precisamos responder a essa fidelidade.

Tome o “capacete” da salvação, pois não bastam as suas virtudes, mas a salvação que foi dada pelo próprio Jesus. Quando os soldados colocavam as armaduras, oravam, suplicavam e pediam, objetivamente, ao seu Deus para direcioná-los. Direcione sua súplica para Deus sempre.

Peça a São Miguel Arcanjo que o ajude a vencer o mal contra aquilo que o mundo ainda não é convertido e contra o próprio autor de mal. Com essa armadura, você nunca mais vai tocar o chão, nunca mais vai cair, porque todas as lutas que você travar, você vai ganhar em nome de Jesus.

Não estamos sozinhos nessa batalha, pois à frente vai o General, atrás d’Ele vai Nossa Senhora, e toda a milícia angelical: São Miguel, todos os arcanjos e anjos, os santos, a Igreja na pessoa dos bispos e sacerdotes, o povo de Deus e os leigos. Esse exército é grande e há muitos querendo vencer essa batalha. Nós queremos pedir quer venha o General desse exército!

Depois que colocamos a armadura de São Paulo, oremos e vigiemos, levantemos a cabeça, ergamos os braços e percebamos que há um povo pronto, disposto, com todas as armas de defesa e de batalha para vencer. Aqui na Canção Nova são treinadas almas adoradoras, proféticas, para nos encontrarmos com nosso Treinador e orar.

São Miguel, estou pronto para batalhar. "Quem como Deus".

Transcrição: Michelle Mimoso
Fotos: Renan Félix


Padre Gilson Sobreiro


Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo