Milagres e bênçãos de Deus

Theresa Calonge
Foto: Wesley Alemida
Eu vou contar um pouco para vocês quem era a Thereza e como ela chegou até aqui. Perdi meu pai aos 9 anos de idade, ele era médico e uma pessoa muito boa. Eu sou a filha caçula. Com a minha mãe, nós aprendemos a lutar e a passar por essa dificuldade. Quando um pilar cede é muito difícil continuar, minha mãe precisou ser pai e mãe numa família grande.

Aprendemos a partilhar, a dividir tarefas e a nos defender. Eu sou católica de batismo, mas antes não ia muito à  Santa Missa. Não conhecia Jesus, eu só sabia que Ele era personagem da Bíblia. No auge da minha solidão, eu pedia para o Senhor me abraçar. Houve uma época em que eu acreditava em astrologia, nessas coisas modernas.

Certa vez me convidaram para participar de um grupo de oração na minha cidade e eu fui. Era às segundas-feiras à noite, foi então que tive meu encontro pessoal com Jesus. Parei de recorrer às coisas do mundo. Nessa época eu tinha um namorado e nós terminamos o relacionamento. Todos os dias eu pedia a Deus que se fosse para o meu bem que ele voltasse, se não que ele fosse embora. Hoje esse homem é meu marido.

Eu também sempre gostei de cantar, mas não tinha uma banda, nem nada. Nessa época eu também comecei a pensar nisso. Enquanto meu sonho não se realizava, minha família foi mudando, meus amigos foram para a Igreja e eu me envolvia cada vez mais com Deus.

"Ainda que tudo pareça perdido, acredite em Deus"
Foto: Wesley Alemida

Logo depois, eu me casei e veio a vontade de ser mãe. Foi aí que descobri que tinha ovário policístico e que não poderia ter filhos.  Rezei para o Senhor abençoar uma gravidez e fui tentando. Mas, no fundo, eu não acreditava que poderia ser mãe. Até que um dia eu me ajoelhei e pedi perdão para o Pai por não acreditar que Ele podia fazer esse milagre em mim.

Daí surgiu a inspiração de fazer um CD e eu o fiz. Quando estava finalizando as gravações, tive que fazer um tratamento de saúde e tomar um remédio forte. Por desencargo de consciência fiz um teste de gravidez para saber se estava grávida. E Deus tinha feito o milagre: nasceu a Isabela. Logo depois, veio o meu outro filho.

Quando tudo parecia perfeito, eu descobri que estava muito doente, com um tipo de câncer. No dia 4 de agosto, quando eu estava completando 11 anos de casada, recebi essa notícia. Por sorte eu já tinha um encontro com o Senhor e sabia que Ele era maior que tudo.

Eu tinha dois filhos, um grupo de oração, era cantora, tinha um marido… Em oração, pedi que Deus falasse comigo. Foi então que abri a Bíblia em  Atos dos Apóstolos 1,7-8: “E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder. Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra”.

Eu acreditei e me portei como serva do Pai. Eu tinha um diagnóstico, que me falava em morte, e a Palavra, que me dava vida. Eu comecei a fazer tratamento, mas era complicado. Nesse período veio a inspiração de fazer outro CD, mesmo muito debilitada. Fiz um transplante e quimioterapia. Quando eu achava que ia morrer, eu orava. Deus foi colocando pessoas ótimas no meu caminho para me curar e eu era testemunha de vida para elas.

Eu sentia vida e felicidade com a minha dor. Nessa época, mais dois irmãos meus ficaram com câncer. Eu chegava e rezava para Deus e Ele sempre me respondia da maneira certa. Eu servia de força para os meus irmãos. Fiz o transplante e estava me sentindo bem.

Até que a médica disse que eu precisava de um novo transplante. Eu ia fazer a operação e precisava de uma medula. E ela apareceu, quem conhece sabe que é muito difícil encontrar uma compatível. Eu encontrei quatro compatíveis!

Só que eu queria uma notícia de Jesus: queria estar curada e não precisar mais de cirurgia. Eu fui consultar e a médica disse, de uma hora para outra, que tinha conversado com outros médicos e que não precisava mais do transplante.

Então, eu parti para a gravação do meu CD, foi nesse momento que conheci a Canção Nova. Fui convidada para gravar uma obra em inglês. Mesmo não falando  inglês fluentemente, eu aceitei o desafio porque temos de evangelizar até os confins da terra. E é assim que cheguei até aqui!

"Muitas vezes, fazemos tempestade em copo de água, fazemos de um Deus presente um ser distante"
Foto: Wesley Almeida

Muitas vezes, fazemos tempestade em copo de água, fazemos de um Deus presente um ser distante. Às vezes, queremos desistir dos nossos sonhos, das pessoas à nossa volta. Ainda que tudo pareça perdido, acredite em Deus! Tudo passa, até nós passamos, mas o que importa é sua fé, o amor de Cristo que você viveu. Não importa o que vai ser amanhã, viva o hoje.

Transcrição e adaptação:Ariane Fonseca


ADQUIRA ESTA PALESTRA PELO TELEFONE:
(12) 3186 2600


Theresa Calonge


Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo