Misericórdia, abrigo para minha alma

Ricardo Sá
Foto:Maria Andrea/CN

Comecemos essa pregação rezando: "Jesus, eu confio em Vós". Deixe que essa proclamação crie raiz dentro de você neste dia da Festa da Misericórdia. Hoje, você é o convidado para esta celebração. Que o seu coração seja repleto de Jesus Cristo, habitando em você, dando-lhe um coração semelhante ao d'Ele. Não tenha medo de se colocar diante de Jesus, o qual envolve seu corpo, seus pensamentos. Hoje, é a Festa da Misericórdia, na qua Ele é o dono e você é o convidado.

A Festa da Misericórdia é o abrigo para nossa alma. É fundamental que compreendamos que todo tempo tem começo, meio e fim. Nós estamos num tempo que começou, em 1931, com Santa Faustina e não sabemos em que momento estamos nesse tempo.

Falamos da 'Festa da Misericórdia' iniciada em 1931, mas, na verdade, ela começou na cruz, no momento em que aquele guarda abriu o lado do Nosso Senhor Jesus Cristo há mais de 2 mil anos. Por não sabermos em que fase estamos nesse tempo, peçamos a ajuda de Jesus para que possamos viver com fidelidade esse tempo de misericórdia.

A Festa da Misericórdia prepara a segunda vinda de Jesus. No diário de Santa Faustina, ela menciona que da Polônia sairia a centelha que prepararia o mundo para a vinda derradeira de Jesus.

Muitos teólogos concordam que essa centelha, que saiu da Polônia, refere-se ao Beato João Paulo II. Quero que fique claro, no seu coração, que você está aqui, porque Jesus está voltando. Se não ficou ainda claro para você, quero dizer que tudo que tem acontecido, desde 1931, foi para preparar a vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo. Então, é preciso ordenar a vida como filho de Deus, como cristão.

Não pense na sua família ou em quem está do seu lado. Pense naquilo que você precisa acertar na sua vida.

Não podemos viver somente como um encontro da Festa da Misericórdia, mas precisamos arrumar a nossa vida naquilo que não corresponde à atitude de cristão.

A segunda carta de Pedro, capítulo 3, nos versículos 3 a 11, fala sobre a segunda vinda de Jesus Cristo.

"É hora de acreditar na força da oração que fazemos todos os dias", ressalta Ricardo Sá
Foto: Maria Andrea/CN

”Antes de tudo, saibam que, nos últimos dias, surgirão escarnecedores zombando e seguindo suas próprias paixões. Eles dirão: "O que houve com a promessa da sua vinda? Desde que os antepassados morreram, tudo continua como desde o princípio da criação". Mas eles, deliberadamente, se esquecem de que, há muito tempo, pela Palavra de Deus, existem céus e terra, esta formada da água e pela água. E pela água o mundo daquele tempo foi submerso e destruído. Pela mesma palavra os céus e a terra que agora existem estão reservados para o fogo, guardados para o dia do juízo e para a destruição dos ímpios. Não se esqueçam disto, amados: para o Senhor um dia é como mil anos, e mil anos como um dia. O Senhor não demora em cumprir a sua promessa, como julgam alguns. Ao contrário, ele é paciente com vocês, não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento.

O dia do Senhor, porém, virá como ladrão. Os céus desaparecerão com um grande estrondo, os elementos serão desfeitos pelo calor, a terra e tudo o que nela há será desnudado. Visto que tudo será assim desfeito, que tipo de pessoas é necessário que vocês sejam? Vivam de maneira santa e piedosa.”

O Senhor não retarda o cumprimento de Sua promessa como alguns costumam dizer, mas usa de paciência comigo e com você.

Nós, recentemente, acabamos de viver a Semana Santa. Estamos ainda no tempo Pascal, Cristo vive e está no meio de nós. Como se não bastasse, temos, hoje, Jesus Misericordioso que se põe diante de nós, oferecendo-se como tábua de salvação. Peçamos que o Senhor nos envolva com Seu sangue e água.

Peça para Jesus a graça de viver uma nova vida, pois já entendemos que tudo o que estamos experimentando é por conta da sua volta.

Nesse tempo, é hora de acreditar na força da oração que fazemos todos os dias, precisamos também ser fiéis às orações como procuramos ser em outras atividades que fazem parte do nosso dia a dia.

Como foi falado, no início desta palestra, para tudo há começo, meio e fim. Não sabemos em que tempos estamos vivendo, mas é certo que haverá um momento que todos estarão diante do Senhor. Haverá um tempo em que Ele separará um dos outros como se separa as ovelhas dos cabritos.

"Nós não podemos viver somente como um encontro da Festa da Misericórdia", diz Ricardo Sá.
Foto: Maria Andrea/CN

“Pois eu tive fome, e vocês me deram de comer; tive sede, e vocês me deram de beber; fui estrangeiro, e vocês me acolheram; necessitei de roupas, e vocês me vestiram; estive enfermo, e vocês cuidaram de mim; estive preso, e vocês me visitaram'. "Então os justos lhe responderão: 'Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? Quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos, ou necessitado de roupas e te vestimos? Quando te vimos enfermo ou preso e fomos te visitar?' "O Rei responderá: 'Digo a verdade: O que vocês fizeram a algum dos meus menores irmãos, a mim o fizeram." (Mateus 25,35)

Meus irmãos, seremos julgado pelo amor que se assemelha ao amor de Nosso Senhor. É hora de vencer o mal com o bem. É tempo de investir tudo no amor e acreditar na força da oração.

É hora de sair dos velhos maus hábitos. Quem rouba, que pare de roubar, quem reclama que pare de reclamar, quem não disse amar, que manifeste agora.

Nosso Senhor vive com um coração ferido por você. Então você aceita viver com um coração ferido por amor àqueles que estão na sua casa? Isso nos faz semelhantes a Jesus que também tem o seu coração aberto que jorra sangue e água por você.

Nenhum de nós sabemos se estaremos aqui na festa da misericórdia no próximo ano… Precisamos ser exigentes conosco mesmos para viver essas mudanças. Precisamos levar para a nossa casa um coração ferido por amor àqueles que estão em casa, levando paciência, amor, zelo e dedicação ao outro.

Jesus é a salvação que acontecerá para a sua casa através de você. Então, você aceita ser a tábua de salvação para sua família?

Enchemo-nos através da oração com o Espirito de Deus que faz todas as coisas. Reze, ore no Espirito.

A medida que assumimos essas questões, Jesus vem nos capacitar para vencer as nossas próprias limitações.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo