O amor na sua essência é um apelo a fidelidade e a sinceridade

Dom Eduardo Pinheiro
Foto: Robosn Siqueira/Cancaonova.com

O tema deste encontro quer nos convencer de que sem o amor verdadeiro não só não nos entendemos como pessoas, como não entendemos a presença de Deus.

Mas certamente podemos perguntar: “Por que este amor jamais passará? Ou ainda como fazer para que este amor jamais passe? Vocês não podem sair deste encontro sem responder estas perguntas.

Esta é uma afirmação de Paulo, não é um questionamento. Quando vemos a vida de Paulo vemos o quanto ele sofreu para seguir Jesus Cristo.

Como era possível um homem com tantos atributos como Paulo seguir Jesus? Ele de fato tinha moral para falar e nos deixar essa verdade como herança, o amor jamais acabará.

A nossa postura deve ser a de nos debruçarmos sobre esta afirmação e nos tornarmos mais animados pelo projeto de salvação.

Porém na nossa existência, em alguns momentos não experimentamos esse amor. Experimentamos muitas vezes dores, traição.

Constatamos que o amor faz com que sintamos o peso da responsabilidade e questionamos se de fato Paulo estava certo, já que talvez a experiência que você está vivendo hoje de amor seja dolorosa. Porém esta é uma certeza que nos anima para que enfrentemos as contradições da vida.

Ao mesmo tempo sabemos que o amor na sua essência pede eternidade. Quando agente se entrega ao amor por uma pessoa queremos que aquilo dure pra sempre .

O amor na sua essência é um apelo a fidelidade e a sinceridade. Ninguém quer ser traído. Isso não pode escapar da nossa certeza: O amor jamais passará.

"O amor de Deus não é egoísta, Ele quer que o amemos amando nossos irmãos."
Foto: Robson Siqueira/Cancaonova.com

Esta experiência que fazemos de um amor despedaçado, que explora as pessoas, que alimenta a injustiça, tendemos a ficar com o coração na mão e podemos então cair na tentação de pensar se de fato esse amor existe. Porém eu digo que ele existe.

Qual o amor que jamais passará? O Amor de Deus que São João viu e tocou claramente.

Nós nascemos do amor de Deus. O amor de Deus quis que vivêssemos e que fizéssemos a experiência do eterno que começa aqui na terra.

O amor de Deus não é egoísta, mas o Senhor quer que o amemos amando nossos irmãos. Isso acontece porque o amor de Deus, é amor de Pai, um amor de Mãe. Ame a você mesmo como um todo. Esse é o apelo de Deus.

Esse amor é consistente e perpassa a história de salvação.

O amor de Deus abre as portas e inclui a todos.

Maria fez a experiência desse amor, Ela também foi ao extremo do amor, nem a cruz fez com que a Mãe de Jesus perdesse a convicção de que o Amor é eterno.

O amor nos foi dado para que tivéssemos prazer em viver, mesmo se eu tenho algumas frustrações. Quando eu tenho certeza que o amor de Deus é eterno eu levanto a cabeça e creio que Ele vai me fortalecer e me devolver o sentido de viver. Por isso o amor de Deus é eterno e Nele eu vou me entregar.

O mundo cresce na medida em que amamos de verdade as pessoas que vemos e que estão perto de nós. Muita coisa vai sendo transformada desta forma.

Transcrição e adaptação: Cris Henrique

 

Assista esta homilia na íntegra:

 

 

 

 


Dom Eduardo Pinheiro


Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo