O caminho para o céu é o caminho do amor

Padre Álvaro
Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Não podemos vivenciar o Evangelho de hoje sozinhos, pois a caminhada junto ao Cristo Salvador é dura e árdua, por isso necessitamos do auxílio de nossos próximos.

É difícil ser de Cristo nos dias de hoje, quando a mentalidade do mundo nos ensina que devemos tirar proveito de tudo que for possível e pagar ao irmão, o mal feito, da mesma forma.

Jesus, no Evangelho de hoje, nos mostra um caminho completamente oposto, no qual o amor, a compreensão, a misericórdia e a bondade devem ser a verdadeira mentalidade.

Tudo o que Cristo nos ensinou a fazer e mostrou com suas atitudes, com certeza, aprendeu com seus pais. Quando vemos atos de bondade, misericórdia e amor por parte d'Ele, podemos imaginar os mesmos atos vindos de Maria e José. Mas não pense que o simples fato de compreender isso será a resposta para que todo o mundo seja transformado, pois isso vai muito além. Para que essa mudança aconteça, precisamos ser reflexo de tudo que Jesus pregou. O amor que Ele tanto nos fala deve jorrar de nossas atitudes e palavras.

Exatamente por isso Deus nos dá a graça do Espírito Santo habitar em nós, porque quando eu amo, é o Espírito que ama em mim; da mesma forma, quando perdoo ou tenho compaixão por aqueles que me foram confiados.

As doenças aparecem e as tribulações surgem unicamente porque não fomos confiantes na decisão de amar. É por isso que o mundo não está em paz, porque as pessoas buscam o caminho mais fácil: o de desistir de continuar lutando.

Sozinhos não conseguimos perdoar alguém que nos magoou ou dizer palavras de carinho para aqueles que nos feriram. Então, se eu sei que Deus me ama, mesmo com as minhas misérias e meus erros, porque, então, eu me fecho para o amor, que é via de santificação e salvação para nós?

No reino do céu, temos um local reservado para nós, porém lá ainda não há casa para habitarmos. Então, se você devolve todas as pedras e paus que são jogados em você, com que material você irá construir sua morada no céu?

Muitas vezes, oramos demais e amamos de menos. Jesus, quando orava, dizia poucas palavras. Ele agradecia ao Pai pelas graças que já haviam sido concedidas e, simplesmente, buscava o toque sobre aqueles que pediam orações, pois era por meio dele que demonstrava Seu amor.

"Muitas vezes, oramos demais e amamos de menos", exorta padre Álvaro.
Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

É preciso que cultivemos o desejo do bem, mesmo que, diante de nós, esteja alguém que não tem o mesmo objetivo que o nosso. A nós compete ser fonte de amor e não de julgamento, porque o inimigo quer colocar, em nossos corações, a soberba e o orgulho.

Decidir-se por Cristo é muito mais do que um cristianismo emocional, mas sim uma decisão. Não é fácil amar o próximo, cuidar e educar alguém, mesmo sem saber se, no fim da sua vida, alguém aparecerá para agradecer tudo que fez.

O pecado que nos rouba de Deus é a falta do amor, pois o desafio de ser santo é ser um bom ser humano, assim como Maria que foi humana como nós. O céu que você busca, nesse dia, deve ser partilhado com todos aqueles que você ama. Por isso, ame, pois o amor tira almas das mãos do demônio e as encaminha para a vida eterna.

 

Transcrição e adaptação: Gustavo Souza


Padre Álvaro Mantovani


Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo