O Meu amor o sustentará!

O Meu amor te sustentará!

Padre Fabrício Andrade. Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

O amor de Deus lhe bastará e o sustentará ainda que você tenha de subir as montanhas e entrar no deserto.

O batismo de Jesus é o assunto principal deste Evangelho. Falar sobre isso é cutucar a nossa memória e nos lembrarmos do nosso batismo e das consequências dele em nossa vida.

Sei que, nesses dias de Acampamento Revolução Jesus, você foi provocado sobre o discernimento da sua vocação para a vida cristã. Só poderemos ser padres, consagrados ou casados se vivermos uma vida em Cristo.

Há consequências do batismo que precisamos viver, independente do nosso estado de vida. Só podemos pensar nas outras vocações se tivermos alicerçados no sacramento do batismo, o qual nos leva à vida cristã e à conversão.

Agora, vejamos as consequências do batismo do Senhor: “Como Jesus de Nazaré foi ungido pelo Senhor, andou por toda a parte”. Independente do canto do mundo de onde viemos, temos de sair e levar Jesus às pessoas; para isso fomos batizados. As consequências do nosso batismo é tornar o mundo melhor. E se o mundo está ruim, é porque nós ainda não estamos vivendo a nossa consagração.

“Jesus saiu fazendo o bem, curando todas as pessoas que estavam dominadas pelo demônio”. Desde o dia do nosso batismo, Deus está conosco, não para nos vigiar, mas para nos salvar, porque Ele nos ama.

O Meu amor te sustentará!

Jovens participam da Santa Missa com padre Fabrício. Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

A Igreja nos ensina que o batismo é um selo; não como aquele de carta, que é superficial. O selo do batismo imprime em nossa alma um caráter indelével. Isso significa que ninguém pode deletar, apagar esse selo que foi impresso na minha e na sua alma. Quando recebemos o batismo, também recebemos este selo.

Hoje, de forma especial, quando o céu se abre e desce o Espírito Santo em forma de pomba, ouvimos a voz de Deus: “Tu és o meu filho amado e hoje ponho em Ti o meu querer”.

Muitas vezes, o sentindo do batismo se perde, porque as consequências desaparecem. Jesus, no dia do nosso batismo, nos diz: “Eu sou o Amor e o amo tanto a ponto de querer que tivesse nascido”.

O Evangelho de Mateus conta que, nos 40 dias que Jesus passou no deserto, Ele foi tentado. O Senhor não foi fazer uma comemoração do batismo, mas foi ser tentado. É duro dizer isso para você, mas o tentador vai se aproximar de você. No entanto, Jesus estará sempre com você. A primeira tentação de Jesus foi: “Se és filho de Deus, mande que essas pedras se transforme em pães”. Toda a tentação e proposta do mal é fazer com que duvidemos dessa prova indelével da nossa vida: “Eu sou amado por Jesus, sou ungido do Senhor”.

Você se lembra dos seus maiores pecados? Depois que passou, veio o remorso e o sentimento de culpa, porque nós temos uma marca, a qual nos lembra, constantemente, que somos filhos de Deus e somos amados por Ele. Na segunda tentação de Jesus, o inimigo O levou para uma montanha alta, onde o Senhor fez os mais belos discursos e orações; lá, o demônio lhe diz: “Se és filho de Deus, salta-te daqui, porque o Senhor prometeu que Lhe daria anjos para guardá-lo”. Não duvide do amor de Deus. Se fizeram isso com o nosso mestre, imagina o que lhe espera? Não estamos sozinhos, há uma graça que nos sustenta, temos Deus.

Bem mais do que podemos compreender, Deus nos conhece. Talvez você esteja vivendo dificuldades, mas o amor de Deus para sustentá-lo. A graça do Senhor não vai lhe faltar, porque o amor acredita em você. O amor do Pai lhe bastará e o sustentará, ainda que você tenha de subir as montanhas e entrar no deserto. Se eu fosse contar por onde eu passei, você saberia que foi um deserto, mas hoje sou padre.

Transcrição e adaptação: Jakeline Megda D’Onofrio.


Padre Fabrício Andrade


Sacerdote da Comunidade Canção Nova

Facebook
Twitter

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo