O perdão concedido

Padre Richard McAlear
Foto: Daniel Mafra/ cancaonova.com

Que Jesus seja sempre glorificado para que a Palavra de Deus se espalhe. A Palavra de Deus é Jesus Cristo. Jesus veio nos ensinar, nos redimir e nos salvar. Jesus nos salva pelo perdão dos nossos pecados. Eu penso que o perdão é o coração, o centro do Evangelho. Se você não perdoa, você não tem amor e não tem Jesus.

Nós queremos que o Cristianismo seja real, prático e efetivo. Nós somos cristãos verdadeiros quando sabemos perdoar. Qualquer um pode odiar, pode carregar rancor, mas é preciso ter maturidade espiritual para perdoar. A falta de perdão sempre vai nos levar às trevas e à morte. Mas nós queremos a paz, e o caminho para paz é o perdão.

Pense nessa história tão simples do Evangelho, na qual Jesus viajava para Jerusalém e não queriam que Ele passasse por lá. Os apóstolos, movidos pela humanidade, pela carne, disseram a Ele: “Quer que peçamos fogo do céu para que caia nestas cidades?”. Mesmo tendo ouvido Jesus falar do perdão tantas vezes, a reação imediata na mente deles é de raiva.

Jesus nos ensina como perdoar, nos deu exemplos para perdoar e morreu perdoando a todos. Se quisermos caminhar como filhos da luz, deveremos ser como Jesus e perdoar. Nós devemos clamar fogo do céu para isso. Jesus nos pede que "façamos o bem àqueles que nos ferem”.

O livro do Gênesis, o primeiro livro da Bíblia, nos dá dicas de como Jesus veio e o que devemos fazer. Cada história nos dá uma lição e nos prepara para ouvir o Senhor mais tarde. Nesse livro bíblico, vemos que as pessoas têm diferenças entre si, ele mostra como as pessoas resolvem seus conflitos. A história de Caim e Abel acaba em violência. Caim matou Abel. O que mostra é que Caim saiu vitorioso por matar Abel. É o que acontece hoje em muitos lugares: para resolver uma situação você mata ou se afasta da outra pessoa. A falta de perdão traz morte.

Ainda no livro de Gênesis temos a história de Abraão com Lot, eles trabalhavam juntos e se tornaram rivais, entrando em um conflito. Abraão disse a Lot que não era possível eles viverem juntos, e que achava melhor ir para o Oeste e seu irmão para o Norte. Nós sabemos que a falta de perdão entrou no coração deles, e uma forma de resolver esse conflito foi se separando. A falta de perdão traz conflito e divisão. Temos exatamente o mesmo problema hoje em dia, pessoas que não conseguem resolver as dificuldades juntas, que não se perdoam. E em todo o livro do Gênesis é a mesma situação. Rebeca estava grávida de gêmeos, e estes, ainda no ventre, brigam entre si, depois que eles nasceram, Jacó lutou pelo lugar de Esaú. Jacó fugiu e teve duas filhas, e elas também não conseguiram viver juntas. E no final, Jacó teve duas esposas que também começaram a lutar entre si. 
 
Em todo o Gênesis há relatos de histórias de brigas e lutas. Jacó, por fim, teve que partir. Ele teve doze filhos, que formam as Doze Tribos de Israel. Jacó teve José. Mais de um terço do livro do Gênesis vai falar de José. Raquel deu à luz seus dois filhos: José e Benjamim. A mãe tinha uma boa relação com os dois filhos. O pai deu a José muitas propriedades. A mesma história se repete, os irmãos tinham muita raiva dele por isso. Uma coisa que se vê nessa história é que o único que não estava trabalhando no campo era José que estava em casa, pois ele erá o filho favorito. Então se criou uma rivalidade entre os irmãos e ele. José teve um sonho, em que as estrelas, o sol e a lua se reverenciavam diante dele, por isso,  os irmãos ficaram com mais raiva ainda, porque acharam que iam ter que fazer reverência para José.

Peregrinos participam do Acampamento Fé e Milagres
Foto: Daniel Mafra/ cancaonova.com

Quando José foi levar comida para eles, decidiram matá-lo. Aí está a mesma história de rivalidade e falta de perdão. Decidiram não matar José para não sujarem as mãos de sangue, então venderam José como escravo por vinte pratas. Depois de vendido, no Egito, quando Faraó tinha sonhos José os interpretava. O Faraó ficou impressionado e colocou José para garantir os mantimentos.

Até agora na história de José, era briga e rivalidade. Porém, se observarmos com cuidado, José chora suas lágrimas sete vezes. Uma delas foi quando encontrou com seus irmãos e eles não o reconheceram, ele fingiu que não os entendia, e teve um intérprete, que o ajudou: “O que queriam fazer?”. Pela raiva mais uma vez, ele prende seus irmãos. Quando perceberam que era José recordaram-se que eles fizeram a mesma coisa com o irmão. José disse a eles que voltassem para casa, mas com a condição de deixar um irmão como refém, até trazerem outro. Foram a Jacó, seu pai, e pediram que entregasse Benjamim. Jacó não queria, pois, já tinha perdido um filho, mas  pela fome, decidiu entregar.

Ao voltarem, José os perdoa. Essa palavra foi pronunciada pela primeira vez . Os irmãos não esperavam que ele fizesse isso. José, chorando, disse a eles que os perdoava porque o que tinham feito não era mal. Havia sido vendido como escravo, mas naquela ocasião poderia salvar a família. Depois disso, ele pediu aos irmãos que trouxessem o pai até ele, quando viu o pai novamente, ele chorou de alegria. O perdão uniu a família novamente.

A Bíblia diz que José morou com seu pai dezoito anos. Depois de dezoito anos, Jacó chega no fim de sua vida. Esta é a lição que você precisa aprender. O livro todo é cheio de rivalidades, mas agora temos Jacó que está no final da vida e abençoa suas doze tribos. Quando Jacó estava abençoando seus filhos ele disse a José que ele já havia sido abençoado, que a bênção que ele agora proferia era para os filhos de José. A partir daqui temos algo novo na Bíblia: perdão e a unidade. José é abençoado vive em paz.

"A falta de perdão traz conflito e divisão", disse Padre Richard
Foto: Daniel Mafra/ cancaonova.com

Depois que Jacó morreu, os irmãos sentiram muito medo e culpa, porque pensavam que José ainda poderia vingar deles. Pensavam que a única razão pela qual José não os matou, foi porque o  pai estava vivo. Foram até José dizendo que o que haviam feito era muito errado e suplicaram perdão. Deus deu para José o dom do perdão. José os perdoou e prometeu não fazer nada a eles. O importante é que eles não tinham pedido perdão ainda para José, mas ele já havia perdoado. E aqui está a lição, você precisa ser como José, dar o perdão mesmo que não mereçam. Não fique esperando que as pessoas peçam perdão. Quando José ouviu o perdão dos irmãos, José chorou. O perdão trás o fruto da unidade, da partilha, da bênção e da reconciliação. 

A reconciliação existe entre duas pessoas, mas para o perdão é apenas uma: você. O perdão está no seu coração. Quando você dá o perdão, a outra pessoa também é perdoada. A sua responsabilidade é conceder o seu perdão. Todos nós fomos machucados um dia, por isso precisamos perdoar. Qualquer pessoa que foi injusta com você, precisa ser perdoada. Desde quando você era criança, qualquer pessoa que tenha te ferido, você precisa conceder o seu perdão. Faça como Jesus fez: "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem." (Lucas 23,32)

“Jesus, manso e humilde de Coração, fazei o meu coração semelhante ao Vosso.”

 
Transcrição adaptação: Jakeline Megda D'Onofrio.


Padre Richard Mcalear


Sacerdote americano ministeriado em cura

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo