Onde o amor de Deus entra a realidade se transforma

Padre Adriano Zandoná
Foto: Arquivo CN

Talvez você esteja vivendo muitas lutas e dificuldades, por isso deve se perguntar: “Por que eu?” Como sacerdote, também estou unido a você, pois todos nós temos questionamentos, mas nem sempre temos as respostas para nossas perguntas. Ter fé é isso! Primeiro, colocamos o pé; depois, Deus põe o chão”. Pode ser que você esteja aflito, com problemas na sua vida, na sua família, mas precisa dar um passo à frente, precisa colocar o pé no chão.

Para falar sobre a Santíssima Trindade ninguém melhor que Santo Agostinho. Ele começou a escrever um livro, ainda jovenzinho, mas só o editou quando já estava mais velho. Será que ele tinha dúvidas? Será que Agostinho tinha perguntas sem respostas como nós? Sim, claro que sim! Mas ele entrou no mistério do amor, que é o diálogo, a família e o relacionamento. Depois de 16 anos de estudo, Santo Agostinho entendeu o que nos diz o Evangelho de hoje sobre a Trindade: “Deus amou tanto o mundo que deu a vida por ele”.

Santo Agostinho entendeu que nem o pecado nem os erros de percurso poderiam separá-lo do amor de Deus; ele descobriu que não adiaata levar as pessoas a rezar sem, antes, levá-las a pensar. A fé não se fixa se não transformar a consciência.

Muitos dos nossos problemas de hoje estão ligados aos relacionamentos. Muitos pais procuram aconselhamentos não porque têm um salário baixo ou por outras dificuldades, mas porque eles não se dão bem com os filhos.

O amor só acontece se antes houver respeito e admiração. Deus é abertura, Ele é relacionamento.

Moisés nos mostra, hoje, a imagem de um Deus invisível; e usa adjetivos para descrevê-Lo como bondoso e compassivo. E qual é o seu adjetivo? Ciumento, brigão? Precisamos nos parecer com Deus. Não tem sentido a vida em Deus se não transformarmos a consciência, se não formos tocados por Deus, pelo amor d'Ele.

A pessoa que não se sente amada vai secando por dentro, para ela tanto faz viver ou morrer, existir ou não. Quantas pessoas há com feridas profundas de rejeição; somente o amor pode curá-as. A decepção realiza o exercício de nos trancafiar. Pode ser que você esteja assim. Filho e filha, não desanimem! Não permitam que os ácidos da falta de amor destruam vocês por dentro.

Quando escrevi meu primeiro livro, fiz uma poesia para minha mãe e lá escrevi que nos olhos da minha mãe encontrei força e coragem para me reencontrar na vida. Muitas vezes, chegava em casa bêbado, drogado e minha mãe, esperando-me na sala, me olhava nos olhos, e foi assim que descobri que havia um amor maior que podia me tirar da fossa.

Não temos consciência do efeito que o amor que dispensamos pode causar na vida do outro. Não desista de amar! Quantas realidades na nossa vida querem nos fazer desistir de amar. Anne Frank afirma que: “A base do amor é a admiração”, talvez você a tenha perdido pelos outros, mas Deus não perdeu a admiração por você.

Deus pode transformar qualquer deserto em um lugar irrigado e fazer um rio correr. Com Deus tudo pode começar outra vez, a cada momento Ele pode criar e recriar a sua história. Deixe-O agir em seu coração, pois onde Deus entra as realidades se transformam.

Não permita que as amarguras do ontem enterrem as possibilidades do hoje e matem o amanhã. Você já conjugou o verbo recomeçar?

Sabe qual a resposta do homem e da mulher de fé? “Hoje está difícil, mas amanhã vai estar melhor, porque Deus está comigo!” Conjugue o verbo recomeçar quantas vezes for preciso. O que o faz um perdedor não é o cair, mas sim o não ter a coragem de se levantar e recomeçar.

“Você primeiro põe o pé, depois Deus põe o chão”, destaca padre Adriano
Foto: Arquivo CN

"Ama e faze o que quiseres", ensina Santo Agostinho, que continua: "Se calares, calarás com amor; se gritares, gritarás com amor; se corrigires, corrigirás com amor; se perdoares, perdoarás com amor. Se tiveres o amor enraizado em ti, nenhuma coisa senão o amor serão os teus frutos". Quando você injeta amor o fruto só pode ser a ressurreição.

Não ignore as possibilidades que Deus lhe dá todos os dias. Abra-se para que Deus o ame, e não tenha medo de amar, ame até doer. Por intermédio do seu amor seus familiares vão encontrar o amor de Deus. Não espere chegar ao fundo do poço, ame hoje! Injete amor e você vai receber ressurreição.

Santo Agostinho dizia que o Pai é o que ama, o Filho é o amado e o Espírito Santo é o amor. Você tem este selo de comunhão do amor da Trindade todos os dias quando você traça sobre si o sinal da santa cruz. E quando você o traça está dizendo para Deus: “Pode me amar como se amam na Trindade”.

Este evento se chama “Abraça São Paulo” porque o que mais essa cidade precisa é do abraço de Deus. Deus quer que você seja o abraço d'Ele onde quer que você esteja. O mundo está carente de abraço e de amor. Se os pais abraçassem mais os filhos as casas de recuperação estariam mais vazias. O abraço é capaz de curar e até mesmo de libertar as pessoas oprimidas pelo demônio. Deus Pai quer que você seja o abraço d'Ele.

Como faz bem quando você chega doente em um consultório e um médico abraça você com a solução, com um bom tratamento, com um olhar. Abraçar não é só com os braços, é quando você tem a coragem de dar seu lugar no ônibus ou no metrô para outras pessoas, quando você tem a coragem de respeitar os outros, quando você promove a paz nos estádios de futebol.

Injete amor e você colherá ressurreição, seja o abraço de Deus. Jesus quer abraçar sua realidade com Seus braços.


Padre Adriano Zandoná


Sacerdote da Comunidade Canção Nova

Facebook
Twitter

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo