Povo de Deus aproximai-vos

Padre Fabrício
Foto: Maria Andréa/cancaonova.com

Dentro desse acampamento que traz como tema um olhar que cura a liturgia nos mostra pela Palavra que era da vontade de Deus que realizássemos neste fim de semana esse acampamento. A partir desse salmo que diz que o Senhor pousa seu olhar sobre os que o temem e confiam.

Esse olhar pousa sobre aqueles q confiam esperando seu amor. Deus olha para todos, mas para que esse olhar possa pousar e agir em você é necessário que você autorize. A partir da segunda leitura Deus vai nos tratar de “caríssimos, meus queridos, irmãozinhos”, Ele vai nos convocar, convidar. É uma experiência pessoal, aproximar-se. Isso está ligado com o chamado que Deus nos faz de juntarmos nossas experiências pessoais numa comunidade, numa assembleia.

O aproximar-se tem um significado muito grande. Muitos não puderam se aproximar do Senhor. A primeira leitura tem muito a ver com o povo na época do Egito quando se encontraram na montanha em Ex 19 é relatado a saída do povo do Egito e a chegada ao monte Sinai. O povo chegou ao pé da montanha, mas só Moisés foi chamado para ouvir o que Deus tinha para aquele povo. Naquela situação existia uma exigência Ex 19,12 “Fixarás em torno na montanha um limite para o povo”. Assim o povo fez a experiência de um Deus de longe. Mas agora, nesta segunda leitura Pedro vem dizer “povo de Deus aproximai-vos”.

Somos convidados a nos aproximarmos dessa “pedra viva”, que foi rejeitada pelos homens, mas escolhida e honrosa aos olhos de Deus. 5 “Do mesmo modo, vós como pedras vivas formais um edifício espiritual”. Essa leitura está nos dando o título, a nobreza de pedras vivas. Vivemos esta nobreza sendo um cristão vivo, ativo, que professa e vive a fé. O cristão pedra viva aguenta firme até o final.

O que a liturgia de hj está querendo nos alertar é que somos essa pedra viva, nos comparando a Jesus, nos levando a formar um edifício espiritual formado com nossa história, nossa vida. Reúne-se essa comunidade para que cada experiência pessoal se torne comunitária a fim de oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus.

Quando perdemos a capacidade de oferecer sacrifícios decaímos na vida moral. O sacrifício é uma regra, uma exigência. Quando temos um povo que não faz sacrifício, temos um povo que não se converte. São as entregas do dia a dia, sacrifícios espirituais.

Hoje Jesus novamente diz para os discípulos “Não se perturbe o vosso coração, tendes fé em Deus e em mim também”. Alicerce a sua vida na pedra angular, na pedra viva. O remédio para não perturbar o coração é ter fé em Deus. Não podemos desviar nosso coração do foco, da meta que é o céu. Mas se meu coração começa a se perturbar, se falta a vivência da fé, está faltando acalmar o coração. Deixe seu coração num lugar onde ele pode repousar, pois quem Nele confia não será confundido.

"Quando perdemos a capacidade de oferecer sacrifícios decaímos na vida moral"

Foto: Maria Andréa/cancaonova.com

 :: Veja fotos no Flick

 

Igreja não oferece solução fácil para seu problema, mas uma pedra viva onde você vai sendo alicerçado para conseguir viver suas lutas. “A vós, portanto, que tendes fé cabe a honra”. A honra grandiosa é de sermos filhos e filhas de Deus.

A oração de hoje da Igreja diz que fomos adotados como filhos e filhas de Cristo para uma liberdade verdadeira e uma herança eterna, essa é a honra que temos.

Muitos de nós não fazemos sacrifícios agradáveis a Deus porque perdemos a nobreza de nosso chamado. Aos que tem fé cabe esta nobreza. A nobreza do nosso chamado nos vocaciona a sairmos das trevas para a luz. Quem não acredita transforma a pedra angular em pedra de tropeço, este é o mau uso da liberdade, porque a pessoa escolheu em não acreditar.

Vida eterna é a eterna contemplação do olhar que cura.


Padre Fabrício Andrade


Sacerdote da Comunidade Canção Nova

Facebook
Twitter

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo