Ser santo

“Chegando o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um ruído, como se soprasse um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados. Apareceu-lhes então uma espécie de línguas de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles. Ficaram todos cheios do Espírito Santo e começaram a falar em línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem. Achavam-se então em Jerusalém judeus piedosos de todas as nações que há debaixo do céu. Ouvindo aquele ruído, reuniu-se muita gente e maravilhava-se de que cada um os ouvia falar na sua própria língua. Profundamente impressionados, manifestavam a sua admiração: Não são, porventura, galileus todos estes que falam?

Como então todos nós os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna? Partos, medos, elamitas; os que habitam a Macedônia, a Judéia, a Capadócia, o Ponto, a Ásia, a Frígia, a Panfília, o Egito e as províncias da Líbia próximas a Cirene; peregrinos romanos, judeus ou prosélitos, cretenses e árabes; ouvimo-los publicar em nossas línguas as maravilhas de Deus! Estavam, pois, todos atônitos e, sem saber o que pensar, perguntavam uns aos outros: Que significam estas coisas? Outros, porém, escarnecendo, diziam: Estão todos embriagados de vinho doce.” Atos, 2 1-13

O Papa Francisco, disse: "Ou se reza para Deus ou se reza para o demonio”
Foto: Wesley Almeida/Cancaonova.com

Quando meditamos a ressurreição de Jesus, vemos que Jesus pedi aos discípulos para espera-lo pela força do alto, todos estava reunidos no sepulcro.

Se você quiser transbordar de alegria, comece a louvar a Deus pelas maravilhas de Deus.

O que seria de você se não dissesse sim? Não é fácil viver nessa escolha que fizemos, mas uma certeza somos felizes.

Celebrar o dom de Deus é não sair do caminho que nos leva a santidade. A nossa vida por mais difícil que seja, precisamos ser santo.

Precisamos celebrar o dom da nossa vida. Nosso carisma, nossa comunidade precisa ser um palco que anuncia a vida. Celebremos o dom.

Celebre o dom de Deus a parti dos primórdios da comunidade. Não tenha medo, e se dê por amor.

Para nós Doce mãe de Deus, a cruz é um sol que nos ilumina, a cruz é um palco, onde Jesus celebra dizendo “afasta de mim esse cálice, mas que seja feita a vossa vontade”.

Quando olhamos para a cruz vemos a vitória de Jesus.

Quem passa pela cruz, lembre-se que depois de três dias tem a ressurreição.

Precisamos ter alegria de ser Deus. Como a sua comunidade como palco mostra o evangelho? Quantas pessoas vocês cativam para Deus, com alegria de ser comunidade? Em uma comunidade não se celebra as coisas, mas celebra as pessoas. Em comunidade não caminhamos em democracia e sim em união.

Que sejamos santos, e para ser santos precisamos gerar irmãos em santidade.


Inaldo Alexandre


Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo