Tocar nas chagas de Jesus

É com o coração cheio de gratidão (e como não ser grato pelo milagre que estamos vendo aqui hoje!). Sei que 80%, talvez mais, dos que estão aqui, são pobres, são o povo que vive da misericórdia, são aqueles (as) que respiram a misericórdia, seja por causa da dor, do sofrimentos, talvez da fome, da solidão. Por isso que o Espírito Santo os traz aqui e faz com que a alma de vocês e a nossa, assim como a grande Mãe de Deus, cante um grande Magnificat como ação de graças. Hoje cantamos com ela ao seu Deus misericordioso, ao seu Filho, a nossa alma canta de alegria ao nosso Deus, nosso Salvador.

Cantar e tirar do nosso coração tudo aquilo que Tomé, extraordinário apóstolo de Jesus, que o amava muito, um discípulo muito querido, cuja incredulidade  não é a dos pagãos, a que vemos hoje, mas uma incredulidade que ele tinha o direito de ver Jesus. E não a incredulidade que vemos na qual pisam em Jesus, zombam e profanam a sua Igreja. Tomé ama Jesus, e quisera eu que tivéssemos a audácia que ele teve: “Se eu não colocar a minha mão na ferida d'Ele, eu não acreditarei!” É um pedido de um coração autêntico, e Jesus concede o que ele pediu. Como apóstolo, ele teve um ato de reparação tão belíssimo, pois, muitas vezes, padres têm vergonha de fazer isso em frente aos outros, assim como muitos cristãos e religiosos têm vergonha de professar que Jesus é o Senhor. Ele teve esta audácia de dizer: “Meu Senhor e meu Deus!”

É belíssimo o que Tomé pediu e o comparo com homens de fé, audaciosos que têm coragem de pedir a Deus e “Meter as mãos nas chagas do Senhor!”. É um pedido muito forte e de um domingo a outro Ele aparece por causa de Tomé. Ele coloca as mãos nas feridas, nas chagas gloriosas de Jesus. É a mesma emoção que tenho e qualquer sacerdote tem quando consagra o pão.

Tomé não tem vergonha de Jesus, pois o que ele queria era ver o Senhor, e por causa deste Ele dá um ensinamento a toda a Igreja: “Bendito aquele que crê sem ter visto!” Pois sabemos que nossa fé vale mais que o ouro e a prata, quando o Senhor exige de você muita força e determinação. Este centro de evangelização era um impossível para nós e assim também na sua vida.

Tomé desejou e amou e o Senhor  correspondeu atendendo o pedido dele – deixando-o tocar suas feridas.

Antigamente, na Igreja, todas as vezes em que se dizia no coração no momento da consagração: “Meu Senhor e meu Deus” era concedida a indulgência plenária. E mesmo hoje quando vemos Jesus que se entrega por amor a nós na Santa Missa.

Outro belo ensinamento de hoje é o de como temos medo de mostrar as nossas chagas para os outros e Jesus não só as mostra, pois pelas chagas d'Ele somos curados  mostrando para Tomé: “Toma é tua, te pertence!” e pergunto: “Existe momento mais lindo do que quando comungamos Jesus?” Não, não existe! Ter Jesus é não ter medo de mostrar as suas chagas para os outros. E claro [mostrá-las] àquelas pessoas que você sente que o amam; e o que nos faz não mostrá-las é o fato de não sentir o amor. E se você quiser "enfiar" o dedo para me amar, e vai tocar as minhas chagas para me ajudar, para me curar, eu permito. E quanto medo temos de mostrar as nossas feridas! Medo de não nos sentirmos mais amados pelos outros depois de conhecerem nossas feridas.

Jesus revela-se porque Tomé lhe faz este pedido. Que desejo mais santo o de Tomé! A mesma audácia dos homens que não têm medo e pedem ao Senhor o impossível, pedido mais cheio do Espírito Santo, sendo concedido a ele. Que inveja tenho de ti, que desejo de ver Jesus! E repito: não é esta incredulidade que vemos nos dias de hoje em homens e mulheres. Tomé quis ver, tocar, sentir Jesus e hoje também nós O vemos no maravilhoso véu do sacramento. E, a cada elevação [da hóstia consagrada], você pode dizer em sua alma: “Meu Senhor e meu Deus!”

Jesus, dá-me a alegria de ver a tua glória, de ver as tuas feridas. De ver-te, meu Senhor e meu Deus.

Como seria diferente se cada cristão mostrasse suas chagas para os outros. Vergonha do quê? Quem pode condená-lo? Que ferida em sua vida pode levar alguém a condenar você? Quem condena é o anticristo, por isso o Senhor disse: “Alegrai-vos!” Pois, Ele quero dar alegria à nossa alma.

Não permita que esta incredulidade, que hoje o mundo apresenta, contamine a sua vida. Não permita isso! Meditem a alegria que Tomé sentiu ao ver o Senhor e os mistérios d'Ele; e o mundo fala de Tomé como se ele fosse um incrédulo. E é o contrário disso, pois ele amou muito o Senhor. Assim como acontece com a oração quando é feita sem sinceridade, e lindo é quando se ora o que se vive. O Evangelho de hoje só pode ser anunciado por almas que vivem e não sabem mais viver sem o Senhor.

E, você vê o sorriso, a lágrima e isso é que encanta, pois é a verdadeira oração.

A incredulidade de Tomé hoje nos fez experimentar Jesus hoje no véu do sacramento.

Lembro-me de padre Pio com relação aos estigmas, pois era um homem sistemático. E, vemos que Tomé experimentou e quero experimentar; quando eu chegar no céu, quero também eu tocar nas feridas de Jesus e vocês também vão querer.

Não perca o desejo de ter Jesus no mais íntimo da sua vida, principalmente na comunhão. Não deixe de experimentá-Lo.

O Papa João Paulo II disse em sua segunda Encíclica "Dives in Misericordia" (Ricos em Misericórdia): “Jesus no Santíssimo Sacramento precisa da nossa misericórdia!” Inverteu, como Jesus no Orto, no Calvário, na Cruz. Jesus o Filho de Deus encarnado precisa da nossa misericórdia e como pode isso? Como um exemplo disso, entre tantos, vemos este teatro maldito que está acontecendo em Brasília (DF). E o que está acontecendo nem é digno de mostrar nesta foto, nesta TV santa e nem quero mostrar o que esse infeliz está fazendo, mas eu vou ligar para ele. Resumindo o que ele está fazendo, essa peça de teatro vai até o dia 06 de abril em Brasília, na qual se pega um cálice e se enche de preservativo, e depois outro preservativo como se fosse (é duro dizer isso) o Senhor e o põe outra mão e coloca uma freira como prostituta e se escreve em baixo: “Mistérios Gozosos”. Professor Felipe Aquino escreveu em seu site tudo aquilo que é preciso sobre isso e vocês vão ter o que tenho aqui em minhas mãos.

É hora de profetizar; como que se pode zombar assim do Corpo de Jesus Cristo!? Temos que falar, temos que denunciar e dizer a verdade, não podemos calar a boca. Podemos nos lembrar anos atrás quando fizeram uma charge do profeta Maomé, quase que mataram por causa disso. O Santo Padre batizou um muçulmano agora domingo de Páscoa e foi ameaçado pelos muçulmanos e acusado e ameaçado de morte.

Encher um cálice com preservativos, tomar um preservativo como se fosse a hóstia consagrada e ainda escrever para o Santo Padre e dizer que ele não pode se alimentar de "glúten"… Eu não posso com glúten, então posso consagrar com mandioca? Onde vamos parar? Existem pessoas mais entendidas que eu aqui do meio político que me disseram que há artigos da Constituição Nacional que falam da proibição do uso de símbolos religiosos (como o cálice) para a profanação. Esta pessoa pode, sim, levar uma repreensão até do direito público. Espero que a CNBB sem dúvida alguma com muito amor e autoridade tome a decisão de fazer alguma coisa pelo amor de Deus. E não lavar as mãos… Chega de Pilatos! Tome a decisão e vá dizer a este homem, vá ao palácio do planalto, fale com quem precisar e diga: “Meu irmão, você não pode fazer isso com a Igreja católica! Você não pode profanar aquilo que é sagrado para nós; e se você não acredita, problema seu, mas que Deus dê misericórdia de você! Não se pode fazer isso!”

Não vou dizer nem o nome dele, pois como filho das trevas, ele pode até usar esta pregação para processar, mas leiam. Repare porque é muito mais do que eu disse aqui. O que eles estão querendo? Jesus Sacramento é a razão de vida da Igreja. Colocar preservativo em um cálice, usar um preservativo como hóstia consagrada, dizer que é mistério gozoso, não! Tem que denunciar! Temos que falar a partir daqueles que estão à frente, os epíscopos, que significa “aquele que vigia!”. Isso é epíscopo, é o bispo. Você pode dizer que isso não mexe com a fé; isso pode não mexer com a sua fé, mas e com a dos outros? E a profanação? E usar o cálice? Ele vestido de padre? O título da peça é: “Nunca fui santo!”

O professor Felipe Aquino dá fundamentos no que ele escreveu aqui.

Que Deus tenha misericórdia deste homem. Eu vou ligar para ele e dizer como o profeta Jonas: “Se você se arrepender deve jejuar você, tua família, se tiver cachorro, teu gato, tua galinha, teus animais, todo mundo jejuar e tomar vergonha na cara!” Você está mexendo com um Deus vivo! Não brinquea com o que é santo, não faça comédia com o que é santo! O Corpo Santíssimo do Senhor é santo, e se não se arrepender, não tenho medo de dizer como Jesus disse para Judas: “Seria melhor você não ter nascido, infeliz!” Que Deus tenha misericórdia! Vou ligar para ele e pedir que ele se arrependa. Mas na autoridade do sacerdócio que recebi, se ele não mostrar sinal de conversão, ele vai receber o que ele não espera diante do que fez, ele vai arrepender se não por se voltar para a misericórdia, vai arrepender pela dor, porque não se pisa no Sangue do Deus Vivo.

Eu quis terminar com isso para você entender qual a incredulidade que está destruindo o mundo. Não é a de Tomé, pois a dele foi dada pelo Espírito para enaltecer, não esta incredulidade que zomba, que profana, que pisa, não. Bendito Tomé! Bem-aventurado Tomé, pois tocou nas chagas, nos estigmas de Jesus. Seja adorado Nosso Senhor Jesus Cristo!

Brincadeira feita com o cálice por Artista:

http://www.cleofas.com.br/virtual/texto.php?doc=OPINIAO&id=opi0359

 

 

Transcrição: Rogério Viana


Padre Roberto Lettieri


Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo