Viver o Pai-Nosso na coerência

Meus irmãos povo de Deus, neste Salmo 110 "Vossas obras, ó Senhor, são verdade e são justiça.", para nós é a mais pura verdade, precisamos louvar as obras de Deus.

Como padre eu preciso celebrar a Santa Missa como primeira, única e a última, pois eu não sei o que vai ser da minha vida, e ela pode ser realmente a minha última; por isso nós padres, precisamos proclamar que as obras do senhor são verdade e justiça.

Este Ano Sacerdotal, será um grande ano de bençãos, onde será comemorado 150 anos de morte de São Cura d'Ars, uma grande sacerdote de nossa Igreja.

Se eu sou padre hoje é fruto da bondade de Deus em minha, é fruto das obras de Deus e as obras de Deus são verdade e justiça.

Padre Bruno
Foto: Wesley Almeida

A missão do sacerdote é levar o povo de Deus a rezar, a estar pronto para Deus. Não é porque sou padre que estou pronto, eu preciso ser melhor a cada dia. Hoje eu preciso ser melhor que ontem e assim ir vivendo manifestando o amor de Deus, para que as pessoas possam acreditar mais em Deus.

Este ano não é somente para os padres, mas para toda a Igreja, para rezar pelos padres, pelas vocações, levantar um grande clamor oracional, de levantar nossa Igreja Católica, praticar a palavra de Deus.

Este é um tempo de levantarmos as vocações, de rezarmos a bela oração do pai-nosso como nos fala o evangelho. Deus quer nos convidar a rezar essa linda oração do pai-nosso. A oração inicia assim: Pai-nosso: Ele não é pai meu ou seu, é nosso, mostra a unidade.

Que estais no céu: Já assumimos a santidade de Deus, afirmamos que Ele é Santo, numa tão simples frase, podemos entrar em tantas coisas.
Seja feita a tua vontade assim na terra como no céu: Estamos num mundo onde nossa vontade quer prevalecer.

Se adentrarmos no mistério do Pai-nosso, não rezaremos de qualquer maneira. Essa é uma oração de coerência, e essa oração requer de nós uma coerência.
Que seja feita a vossa vontade: Entregamos tudo em sua mãos, não seja feita a minha vontade, mas a vontade do Senhor.

O pão nosso de cada dia nos daí hoje: nos confiamos a providência, na certeza de que ela não vai faltar em nossa vida. Perdoai as nossa ofensas, assim como nós perdoamos aquele que nos ofende: será que realmente estamos perdoando quem nos ofende? Esse versículo exige coerência, porque se pedimos perdão, também precisamos perdoar.

Livrai-nos do mal: Precisamos ser dóceis a este último versículo, pois somos tentados a todo instante, precisamos acreditar que se estamos pedindo, vamos receber, Deus nos livra de todo mal. Essa oração é tão simples, tão concreta mas tão profunda, nosso Deus é simples, por isso não precisamos de grandiosas e belas palavras, mas precisamos viver com coerência, não podemos brincar de ser padre, tenho os meus erros, mas não posso parar nos meus erros, eu peço a graça de Deus sobre mim.

Essa é uma graça para nós católicos. Ao rezarmos o Pai-nosso, precisamos ser coerentes, isso é palavra de Deus, precisamos rezar e rezar é um ato fundamental, onde reconheço o meu princípio e meu fim, meu princípio está em Deus e meu fim também precisa estar em Deus.

Eu preciso rezar com sinceridade, Ele precisa conhecer a verdade de nosso coração. Viva essa bela oração e tenho certeza que muitas bençãos já estão sendo realizadas em sua vida.

Transcrição e Adaptação: Regiane Calixto

 

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo