Como adorar em meio às dificuldades

Não podemos nos esquecer de que as dificuldades desta vida são passageiras, mas Deus tem a eternidade reservada para nós

Professor Felipe Aquino
Foto: Paula Dizaró/cancaonova.com

Hoje, é um dia em que a Igreja nos aconselha a meditar sobre a morte, começando com a pergunta: por que morremos? Por causa do pecado. O salário do pecado é a morte, ou seja, Deus não é o autor da morte, mas o próprio homem.

Deus não criou o homem para a morte, mas para a vida. Ele idealizou o homem para a imortalidade. No entanto, hoje, devemos meditar não sobre a morte do corpo, mas a pior das mortes: a espiritual.

Da morte espiritual a única coisa que pode nos livrar é o sacrifício feito pelo próprio Jesus, a maior demonstração da misericórdia divina, para a qual nunca poderíamos pagar o preço. Para saciar a infinita justiça de Deus, foi necessário um sacrifício de igual magnitude.

Na Morte e Ressurreição de Cristo, temos a certeza de nossa própria morte e ressurreição, simbolizada no sacramento do batismo, pelo qual somos participantes da Igreja e, ainda que pecadores, submetemo-nos à misericórdia de Deus para a vida eterna.

Tudo aquilo que sofremos, neste mundo, não pode ser comparado àquilo que teremos na eternidade. Nesta existência, tudo é efêmero, tudo se torna precário. Um dia, nossos corpos vão definhar, mas nossa alma é eterna; então, nosso corpo deve ser um meio para o aperfeiçoamento da alma.

O céu, para quem busca a salvação, não é algo novo, mas que se inicia no esforço da santificação. Nunca devemos achar que estamos perfeitos e prontos para o céu, mas carentes de ser aperfeiçoados.

Neste Dia de Finados, devemos compreender que na salvação reside nosso maior conforto frente à perda de entes queridos, pois a separação não é eterna. Assim como eles partiram na amizade com Deus, e assim como estão em comunhão com Ele, um dia nós também estaremos, se persistirmos no caminho da santidade.

Assista a um trecho da pregação:

Leia também:
O amor é mais forte que a morte
Finados: é preciso meditar sobre a morte

Transcrito e adaptado por Jonatas Passos


Prof. Felipe Aquino


Doutor em engenharia mecânica, pregador e escritor

Facebook
Twitter
Blog

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo