O que precisamos para seguir Jesus?

Frei Elias Vella. Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Frei Elias Vella. Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

O demônio se tornou satanás, porque não queria adorar a Deus. Então, é bom que adoremos o Seu nome, é a melhor maneira de protegermos a nós mesmos. O demônio tem muito medo da Palavra de Deus, ele sabe que ela é viva. E não é suficiente apenas lê-la e estudá-la; é importante ver e ouvir o que Deus quer falar a cada um de nós.

O demônio queria tentar Jesus por meio da Bíblia. Você consegue imaginá-lo com a Bíblia nas mãos? “Se és Filho de Deus, lança-te abaixo, pois está escrito: Ele deu a seus anjos ordens a teu respeito; proteger-te-ão com as mãos, com cuidado, para não machucares o teu pé em alguma pedra” (Sl 90,11s). Jesus não fez o que ele queria; não porque não acreditava na Bíblia, mas porque Ele acreditava em Deus.

“Eu vos exorto, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, a oferecerdes vossos corpos em sacrifício vivo, santo, agradável a Deus: é este o vosso culto espiritual. Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que lhe agrada e o que é perfeito” (Romanos 12, 1-2).

Essa passagem bíblica é uma sentença muito importante, porque podemos ver que, nesses dois versículos, São Paulo sintetiza toda nossa vida espiritual e nosso encontro pessoal com Deus.

Podemos encontrar muitas pessoas fanáticas por Jesus, mas elas ainda não se encontraram com Ele. Encontrar-se com Jesus quer dizer ter uma experiência pessoal com Ele. Quando formos até o Senhor na eternidade, nós O encontraremos face a face; e o nosso paraíso, o céu, será uma nova experiência com Ele. Enquanto estivermos na terra, só poderemos experimentar um gostinho desse encontro com Deus.

Peregrinos participam da Quinta-feira de Adoração na Canção Nova. Foto: Wesley Almeida/cancanova.com

Peregrinos participam da Quinta-feira de Adoração na Canção Nova. Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Não é apenas a experiência do tabernáculo, não é a experiência do Tabor, onde Ele se transfigurou para Seus discípulos. A experiência com Jesus ora pode ser no Tabor ora no calvário, mas, nos dois casos, é um encontro pessoal com Ele.

Precisamos ofertar nossa vida a Deus. O que isso quer dizer? Muitas vezes, Pedro diz: “Revista-se da mente de Cristo”, isso quer dizer que começamos a ter a lógica de Jesus. A nossa natureza diz: “Fique bravo!”, mas a mente d’Ele nos diz para sermos gentis e humildes.

Não é muito fácil ter a mente de Jesus! Quando nos revestimos dela, tudo em nossa vida muda, e isso é o que Paulo está nos dizendo: “Ofereça o seu corpo como sacrifício vivo!”.

Quando oferecemos o nosso corpo para Jesus, estamos oferecendo a Ele o nosso coração, os nossos olhos. Usemos nossa inteligência para Deus e não para ferir os outros! Há mídias e meios de comunicação sendo usados para ferir as pessoas.

No Antigo Testamento, sacrificavam animais e diziam: “Meu Deus, isso é Teu!”. Não é que Deus precisasse do cordeiro e daquelas ofertas, mas sim que o animal representava todas as pessoas. Isso quer dizer que precisamos sacrificar o melhor que temos. É uma simbologia para dizer que Deus é o Senhor que temos.

Hoje, não oferecemos mais os animais, e sim a nós mesmos, porque Jesus deu o Seu Sangue por nós. Ele se doou por inteiro, doou toda a Sua vida por nós. Ele mesmo diz: “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus” (João 15,13).

Deus amou tanto o mundo que deu Seu Filho para nos salvar. É esse contexto que está à nossa volta. Por isso, o Papa Francisco nos deu aquela Encíclica maravilhosa sobre o meio ambiente, porque esta terra, este mundo é o que Jesus ama. Mas existe um mundo que Ele odeia, aquele que vai contra Deus.

Jesus nos ensina: “Sejam humildes!” O mundo nos diz: “Sejam orgulhosos!”. Os valores que o mundo tem nos apresentado são diferentes do verdadeiro valor que Jesus nos ensina, que estão nas bem-aventuranças.

Conformarmo-nos com este mundo é muito fácil! O demônio sabe de nossas fraquezas e nos ataca em nossas áreas frágeis; se não estivermos firmes, vamos ser levados com a correnteza deste mundo.

São João, falando sobre conversão, disse que se converter não é apenas passar das trevas para a luz, não é só passar do homem velho para o homem novo. Isso é essencial, muito importante, mas não é suficiente. Conversão é ter sempre novas experiências com Jesus em nossa vida!

Frei

“Continue a ser santo, essa é a nossa missão e a nossa vocação!”, aconselha Frei Elias. Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Amar a Deus não é somente não pecar, isso é só o começo. Jesus quer pessoas que fiquem mais íntimas d’Ele, que cresçam na oração, que fiquem mais maduras com os frutos do Espírito, mais fortes no amor, no perdão, na humilhação, no serviço aos outros, fortes em dar a Jesus tudo o que Ele nos pedir.

Continue a ser santo, essa é a nossa missão e vocação! Quem quer que nós sejamos, seja você dona de casa, professor, entre outros, a santidade é para todo o mundo!

O mundo não tem medo de nada, apenas de pessoas santas. O mundo teme homens e mulheres santos. O mundo pode matar e destruir todos os corpos, mas não um homem santo! O mundo pode acabar com os ditadores, com os políticos, mas não com os santos!

Encontre-se com Jesus sempre! O mundo está contra nós, mas o Senhor nos enviará o Espírito Santo, basta que O peçamos!

Transcrição e adaptação: Karina Aparecida

Adquira esta pregação pelo telefone: (012) 3186-2600

contribuicaocn1


Frei Elias Vella


Franciscano e exorcista

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo