Perdoar a Deus para perdoar aos outros

Emanuel Stênio
Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

O perdão é um dom de Deus 

Vivemos num mundo em que somos estimulados, a todo momento, a praticar as obras da carne. Mas quais são elas? Dissensões, imoralidades, exageros, tudo aquilo que nos prende às coisas da carne e nos distancia de Deus.

Por outro lado, existem as obras do fruto do Espírito, todos os aspectos que Ele trabalha em nós e nos torna mais parecidos com Jesus. Só o Espírito Santo pode nos ajudar a viver como genuínos cristãos, ou seja, imitadores de Cristo. E viver imitando Cristo significa, sobretudo, viver a misericórdia que se manifestou n’Ele.

O perdão é, antes de tudo, um desapego à nossa natureza distanciada de Deus, pois, como seres humanos, vamos acumulando ressentimento, medo e raiva. Achando que estamos fazendo mal à pessoa que nos fere, vamos fazendo mal a nós mesmos. Deus, no entanto, por intermédio da ação do Espírito Santo, mostra-nos que o perdão, antes de ser uma graça para os outros, é um processo de cura para nós mesmos.

Uma das lições de Jesus para Seus discípulos, ao se referir à lei mosaica, foi de que não devemos acreditar que a verdadeira justiça seja baseada no olho por olho e dente por dente, mas, antes, à vontade de Deus para nós, que é a misericórdia. Isso fica claro quando Jesus é questionado a respeito de como herdar o Reino dos Céus. Ele responde que devemos ser como crianças, ou seja, ainda que briguemos, tenhamos facilidade em perdoar e reconciliar.

Deus sabe que o rancor, a ira e o remorso são venenos que tomamos, pensando que estamos fazendo mal ao outro, mas, na verdade, estamos matando a nós mesmos. Ele nos convida a abrirmos mão da nossa vontade e viver o perdão, para sermos curados pelo único antídoto.

Leia também:
O valor do perdão e o caminho para a cura
Perdão: porta aberta para a bênção

Transcrito e adaptado por Jonatas Passos

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo