Senhor, eu não tenho ninguém

Marcos Jolbert

Wesley Almeida/cancaonova.com

Partilha da palavra:

Depois disso, houve uma festa dos judeus, e Jesus subiu a Jerusalém. Há em Jerusalém, junto à porta das Ovelhas, um tanque, chamado em hebraico “Betsaida”, que tem cinco pórticos. Nestes pórticos jazia um grande número de enfermos, de cegos, de coxos e de paralíticos, que esperavam o movimento da água. Pois de tempos em tempos um anjo do Senhor descia ao tanque e a água se punha em movimento. E o primeiro que entrasse no tanque, depois da agitação da água, ficava curado de qualquer doença que tivesse. Estava ali um homem enfermo havia trinta e oito anos. Vendo-o deitado e sabendo que já havia muito tempo que estava enfermo, perguntou-lhe Jesus: “Queres ficar curado?”. O enfermo respondeu-lhe: “Senhor, não tenho ninguém que me ponha no tanque, quando a água é agitada; enquanto vou, já outro desceu antes de mim”  (João 5,1-7 ).

Nós perdemos a visão do Senhor 

Na sociedade atual, tem muita gente vivendo: “de vez em quando”: “De vez em quando vou à Missa”; “de vez em quando eu rezo”… As pessoas têm vivido superficialmente, é uma vida de tanta superficialidade, de tanta ficção que nós perdemos a visão do Senhor. Nós nos encontramos como o cocho, o doente, e insistimos em ficar na porta dos fundos, que é a porta da morte, e dizemos ao Senhor , “Senhor, estou sozinho, eu não tenho ninguém”. 

Quando aquele homem respondeu “eu não tenho ninguém”, ele está imbuído de uma tristeza e de uma indiferença, porque ele estava nas portas dos fundos, estava insistindo em ficar ali como um doente; ele perdeu a esperança e estava tão imbuído na morte, no sofrimento de todos, que não tinha mais o otimismo Cristão.

E quando o  Senhor chega até a ele e pergunta: “Queres ficar curado?”. Ele tinha toda condição de dizer: “Sim, Senhor, quero ficar curado”; mas ele não reconhece o Senhor, e apenas diz: “Senhor, eu não tenho ninguém”. E Jesus não perguntou quantas pessoas estavam com ele, Ele apenas perguntou ao paralítico, naquele local: “Queres ficar curado?”.  Mas ele estava tão sem esperança, tão cru, pois estava fixo na morte, no comodismo, que não não cresce dentro dele o otimismo, a possibilidade de  ser curado. 

 Nós precisamos dar uma resposta diferente e dizer “Senhor, eu
tenho você” 

Tal atitude nos faz refletirmos o quanto estamos vivendo um comodismo. “Eu não tenho ninguém”, ” não tenho ninguém para ir à Missa comigo, para ir à novena”, essa é a resposta da sociedade e, por muitas vezes, é a nossa resposta, pois estamos no comodismo, não conversamos, não pedimos ajuda, não pedimos oração, nós estamos como aquele cocho falando: “Senhor, eu não tenho ninguém”, mas nossa resposta precisa ser: “Senhor, eu tenho você”.

O texto sagrado nos leva a refletirmos outra coisa: o egoísmo, a sociedade egoísta que quer tirar proveito de todos, vantagem em cima de tudo, ser sempre o primeiro. Ninguém se alegra com a condição do outro. Quando estamos nesse meio, estamos nesse índice de egoísmo, em uma destruição de uma relação fraterna. Quando nós temos o Senhor, a caridade é potencializada, mas quando eu dou esta resposta: “eu não tenho ninguém”, eu me inundo do meu egoísmo.

Outra parte que esse texto bíblico me faz refletir é o favoritismo, “o jeitinho brasileiro”; é o apadrinhamento, é o viver de favores.  Esse favoritismo quer dizer: perdeu-se a potência do esforço pessoal, é o perder-se a visão. Nós precisamos mudar o nosso vocabulário e começar a dizer: “Senhor, eu tenho você, não estou só”.

Vemos também, neste texto sagrado, a frustração, essa nos faz perder uma virtude teologal, a esperança. No batismo, recebemos estas três virtudes: fé, esperança e a caridade. Está em nos, é intrínseco. E, quando aquele cocho fala: “eu não tenho ninguém”,  ele perdeu a esperança, o otimismo Cristão, a capacidade de amar, perdeu a força de crer e culpa os outros. 

Seja você um agente, uma pessoa ativa que vive a fé, a esperança a caridade; que está contra a frustração, contra o comodismo. Nós não podemos responder igual ao cocho. Nós precisamos dar a resposta: “Senhor, eu tenho a ti!”.  Quando nós esperamos no Senhor, as mudanças se tornam possíveis.

Feliz é a nação que tem o Senhor como herança! 

Transcrição e Adaptação: Amanda Carol

 

Banner do canal PlayCancaonova no Youtube

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo
Cura do Coração