Só Deus basta

Padre Fabrício Andrade. Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Padre Fabrício Andrade. Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Aquele que ficar esperando para ser feliz somente quando o problema acabar correrá o risco de nunca sê-lo! A Palavra de Deus nos indica o caminho para “misturar” alegria com problema.

Vamos meditar a Palavra de São Tiago 1,2-5: “Considerai que é suma alegria, meus irmãos, quando passais por diversas provações, sabendo que a prova da vossa fé produz a paciência. Mas é preciso que a paciência efetue a sua obra, a fim de serdes perfeitos e íntegros, sem fraqueza alguma. Se alguém de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus – que a todos dá liberalmente, com simplicidade e sem recriminação – e ser-lhe-á dada”.

Esta é uma passagem bíblica que conhecemos, mas, muitas vezes, não sabemos como a colocar em prática. O desafio é olharmos para esse trecho bíblico e perceber o que de bom ele pode nos fazer. Muitas vezes, dizemos que “felicidade não combina com problema”, porque achamos que só dá para sermos felizes quando os problemas acabam.

Você conhece alguém que não tenha problemas!?

Preste atenção para entender essa mistura perigosa: “Sabeis que a prova da nossa fé produz a constância”. A prova da nossa fé não nos deixa empacados, ela produz a constância. Muitos de nós ficamos empacados quando enfrentamos os problemas; ao passo que constância nos levanta e nos empurra.

Quando a nossa fé produz a constância ela nos leva a uma obra perfeita. Desse modo, nós somos levados a um processo de aperfeiçoamento; pois muitos colocam a culpa do que lhes acontece em Deus, no marido, na esposa; isto é, colocam a culpa sempre nos outros e vivem murmurando.

Sabedoria é colocar em prática os versículos da Bíblia! Como podemos ficar alegres no tempo das provações?

“Considerai que é suma alegria, meus irmãos, quando passais por diversas provações”. A direção desse veículo, que é a nossa vida, depende apenas de nós! Devido a certas “explosões” que acontecem em nossa vida, nós acabamos jogando a culpa nas pessoas, nas esposas, nos esposos, reclamamos e chegamos a usar toda essa força para atropelar as pessoas. Não sabemos sentir alegria diante das provações. Desse modo, nós desperdiçamos nossas energias e regredimos em vez de impulsionarmos a nossa vida para a frente.

Um trecho do livro “A imitação de Cristo” diz que o que não podemos mudar em nós mesmos e nos outros é preciso suportar com paciência, até que Deus decida de outra forma. O que será infinitamente profundo para provar a nossa paciência. E que em semelhantes dificuldades devemos pedir a Deus que venha a nossa ajuda, para evitarmos desperdícios. E nos aconselha, quando alguém não cede a um ou dois conselhos, a não brigarmos com ele e a aprendermos a ter paciência tolerando qualquer falta ou fraqueza dos outros, tendo em vista que nós também obrigamos os outros a suportar muitas falhas em nós.

Se você não consegue ser da maneira como gostaria, por que tenta obrigar os outros a mudar? As brigas dentro de casa, muitas vezes, ocorrem porque queremos que os outros sejam e ajam como nós. Este é o princípio da intolerância.

Quantas vezes, acabamos “implodindo” a nossa casa, porque queremos que os outros sejam como nós! Conhecimento colocado em prática vira sabedoria, por isso precisamos pedir sabedoria a Deus no tempo da provação!

Peregrinos participam da Quinta-feira de adoração na Canção Nova. Foto: Daniel Mafra/cancaonona.com

Peregrinos participam da Quinta-feira de Adoração na Canção Nova. Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

O intolerante acha que basta ter a si mesmo para que esteja tudo bem. Quem disse que o mundo ficaria melhor se todos fôssemos iguais? Seria um tédio! Imaginem um local da mesma maneira, com as mesmas pessoas. Quantas vidas estamos desperdiçando pelo fato da haver faíscas e brigas. Falta-nos a alegria!

“Demais, para que a grandeza das revelações não me levasse ao orgulho, foi-me dado um espinho na carne, um anjo de Satanás para me esbofetear e me livrar do perigo da vaidade. Três vezes roguei ao Senhor que o apartasse de mim. Mas ele me disse: Basta-te minha graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente a minha força. Portanto, prefiro gloriar-me das minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo” (II Coríntios 12, 7- 9).

Muitos acreditam que há várias maneiras de adquirir paciência, como, por exemplo, quando um jovem que está passando por necessidades resolve pegar uma pedrinha de crack e fumar; assim como pessoas bebem achando que a bebida lhes fará bem; e outras fazem o mesmo se afundando nos remédios. Muitas pessoas estão desperdiçando as alegrias da vida por isso.

Existem pessoas que acham que ser cristão é estar alienado da verdade, acham que é acreditar em uma vida que não vai ter explosões e provações. Deus não nos tira os problemas, mas os usa para nos impulsionar a viver uma obra perfeita: a nossa conversão.

Quando somos fracos é então que somos fortes; a alegria é possível também no tempo da provação!

Transcrição e adaptação: Karina Aparecida


Padre Fabrício Andrade


Sacerdote da Comunidade Canção Nova

Facebook
Twitter

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo