Oração do terço e carreata com a imagem do Círio de Nazaré

A Canção Nova realiza, a terceira edição do Congresso Mariano, com o tema "Com Maria perseverantes na oração”, entre os dias 13 e 15 de maio, na sede da comunidade, em Cachoeira Paulista (SP).

O evento teve início com a oração do Santo terço, nesta sexta (13) às 18h, na Paróquia de Lorena (SP) com padre Paulinho, Sônia Venâncio e Graça Schelk, missionários da comunidade fundada pelo monsenhor Jonas Abib. Em seguida, após a bênção do bispo da diocese, Dom Benedito Beni, todos seguiram em carreata com a imagem do Círio de Nazaré até à Canção Nova, em Cachoeira Paulista (SP). Onde aconteceu a celebração da Santa Missa de abertura do encontro, presidida pelo bispo.

"A missão de Nossa Senhora é conduzir todos a Cristo"
Foto: Robson Siqueira/cancaonova.com

:: Veja fotos no Flickr


“Com a celebração desta Eucaristia realizamos a abertura do Congresso Mariano com muita alegria, pois ele tem o objetivo de estudar tudo o que se encontra no Magnificat, “a minha alma engradece ao Senhor”. Maria proclama em seu cântico que só Deus é grande, de fato Deus é grande, pois é infinito no seu ser e em seu poder. É grande porque Ele é o fundamento da nossa vida. Uma vida sem Deus é uma vida sem fundamento.

Ela proclama “o todo poderoso realizou maravilha em sua serva”, ela é serva e Ele realizou toda a maravilha nela, para nosso favor, felicidade e salvação e essas maravilhas estão registradas no evangelho, aparece na história da Igreja, nas diversas aparições de Nossa Senhora e também expressa nas igrejas e santuários dedicados a ela, mostrando que ela está muito próxima a nós. E a finalidade deste congresso é estudar todas as coisas que Deus realizou na Virgem Maria, para nosso favor.” disse Dom Beni.

.:Veja a homilia dessa missa

Veja como foi o momento do Terço

 

 

Nossa Senhora de Nazaré e a tradição do Círio

 A devoção à Nossa Senhora de Nazaré teve início em Portugal. A imagem original da Virgem pertencia ao Mosteiro de Caulina, na Espanha, e teria saído da cidade de Nazaré, em Israel, no ano de 361, tendo sido esculpida por São José. Em decorrência de uma batalha, a imagem foi levada para Portugal, onde, por muito tempo, ficou escondida no Pico de São Bartolomeu. Somente em 1119 a imagem foi encontrada. A notícia se espalhou e muita gente começou a venerar a Santa de Nazaré.
No Brasil, foi o caboclo Plácido José de Souza quem encontrou, em 1700, às margens do igarapé Murutucu (onde hoje se encontra a Basílica Santuário), em Belém (PA), uma pequena imagem da Senhora de Nazaré. Após o achado, Plácido teria levado a imagem para a sua choupana e, no outro dia, ela não estaria mais lá. Correu ao local do encontro e lá estava a “Santinha”.
O fato teria se repetido várias vezes até a imagem ser enviada ao Palácio do Governo. No local do achado, Plácido construiu uma pequena capela. Em 1792, o Vaticano autorizou a realização de uma procissão em homenagem à Virgem de Nazaré, em Belém do Pará. Organizado pelo presidente da Província do Pará, capitão-mor Dom Francisco de Souza Coutinho, o primeiro Círio foi realizado no dia 8 de setembro de 1793. A partir de 1901, por determinação do bispo Dom Francisco do Rêgo Maia, a procissão passou a ser realizada sempre no segundo domingo de outubro, recebendo milhões de devotos do Brasil e do exterior, todos os anos.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo