"Senti o coração aliviado", testemunha peregrina na Canção Nova

Entre uma garfada e outra, a pensionista Maria da Conceição Reis, 59, de Juiz de Fora (MG), almoçava um marmitex e rezava no grupo de oração com o missionário Láercio Oliveira, neste sábado. Sentada numa pedra ao lado da Ermida da "Mãe Rainha", na sede da Canção Nova, em Cachoeira Paulista (SP), ela acompanhou a atividade paralela do Acampamento PHN, que reuniu centenas de fiéis no intervalo do almoço.

"Fui trazido aqui apenas para levar você ao Senhor. Você está livre!", proclamava o missionário, sem imaginar que as palavras  tinham um endereço certo. Com lágrimas nos olhos, ela conta que rezava pelo filho, preso há quase dois meses. "Eu estava muito triste e agora senti o coração aliviado", testemunha.

Maria da Conceição é uma das 150 mil pessoas do público estimado para o Acampamento PHN. Evento com diversas atividades paralelas nos intervalos da programação principal. 

O grupo de oração por volta das 12h30 também chamou a atenção de José Guilherme Rodrigues, 46, de Belém (PA). Eram quase 13h e ele nem tinha almoçado para não perder a oportunidade de rezar. "Essas atividades são uma forma de a pessoa se envolver com Deus e não dar nenhuma brecha para o inimigo (o demônio)", diz.

O Acampamento PHN vai até amanhã, com o tema "Jovem, sê forte e corajoso" – uma frase bíblica do Livro de Josué.

PHN é sigla para "Por Hoje Não", por meio da qual todos são chamados a dizer um "não" diário ao pecado.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo