Reconhecer-se dependente de Deus

Padre Roger Luís
Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Abra a sua Bíblia em João 15, 1-11. Esta passagem é um convite que o Senhor está nos fazendo: “Aquele que encontra o Cristo, deve permanecer em Cristo”. Por diversas vezes e em várias ocasiões o evangelista São João nos convida a permanecermos em Cristo.

Amados, estamos num mundo completamente mudado, é tempo de voltar para Deus, pois os dias em que vivemos são maus. Percebemos isso em nosso dia a dia e nas notícias que recebemos, como as destruições por causa das enchentes e catástrofes por causa da seca. Há a sensação de que até o clima está diferente. Em razão disso, nós nos lembramos de uma passagem da Sagrada Escritura que nos diz que “a natureza geme como em dores de parto esperando a manifestação dos filhos de Deus.”

São Paulo nos ensina que o tempo se abreviou e isso não está relacionado ao “efeito Schumann” [que fala sobre a abreviação dos tempos] de que muitos falam, mas é uma promessa que está na Sagrada Escritura, por isso é tempo de voltar para Deus. 

A cultura atual que vivemos é a da superficialidade, até mesmo os nossos relacionamentos são superficiais. Somos pessoas que não têm mais coragem de olhar no olho do outro e dizer que ele está errado e perguntar como ele está, mas colocamos nas redes sociais que estamos tristes, que estamos felizes, etc! Amado, se você está triste com alguém ou se ele lhe fez alguma coisa, vá até essa pessoa e se reconcilie com ela, é o que o Senhor nos ensina. Jesus tinha com os Seus discípulos um relacionamento pessoal, Ele os amava e também os exortava quando necessário.

Quando Jesus veio para a Terra viver a Sua missão, Ele pregava e dava testemunho de vida e era agradável. Não dá para imaginá-Lo com cara feia! Ele pregava e as pessoas diziam: “de onde vem tamanha autoridade?”. Ele não era um filósofo, pelo contrário, era simples e tinha profundidade naquilo que falava.

O contexto geral que vivemos é de um mundo que produz notícias más que se abatem sobre nós em doenças e outras situações delicadas. Estas notícias sanguinárias nos levam ao consumismo desenfreado, assim ficamos endividados e acabamos fazendo o uso de medicamentos para cuidar de doenças que vamos adquirindo. A cultura superficial tem produzindo em nós estas reações.

Por que os homens da Bíblia permaneciam fiéis ao Senhor mesmo vivendo realidades tão duras? Alguns até derramaram o sangue, como mártires. Qual era o segredo deles? Eles eram profundos e viviam totalmente dependentes e íntimos do Senhor, não dos homens. 

 No dicionário, "superficialidade" significa algo sem profundidade. Os santos nos ensinam a vivermos o contrário de tudo isso, tinham uma intimidade profunda com Deus, eram dependentes d'Ele. Meus irmãos, São Bernardo nos ensina: “Temo que no meio das vossas ocupações inumeráveis, desesperados de lhes ver o fim, deixeis endurecer a vossa alma. Andareis com mais prudência subtraindo-vos a essas ocupações, por alguns instantes que seja, do que permitindo que elas vos dominem e que, pouco a pouco, mas infalivelmente, vos arrastem para onde não quereis ir. Então para onde? Direis talvez. Para o endurecimento do coração. Eis até onde vos podem levar essas malditas ocupações, se ainda continuais, como já a princípio fizestes, a consagrar-vos inteiramente a elas, nada reservando para vós mesmos”.

“Para sermos perseverantes até o fim precisamos ser íntimos de Deus", lembrou padre Roger Luís.
Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Não se ocupe das ocupações da obra deixando de lado a intimidade com o Dono da obra! Saia disso e torne-se dependente de Deus. Você quer continuar com o Cristo que você encontrou? Se nossas ocupações e trabalhos nos tirarem da intimidade de Deus, mesmo quando trabalhamos para alguma obra d'Ele, essas ocupações serão malditas, como denunciou São Bernardo. Intimidade é sair da superficialidade e ir ao encontro de Deus.

Quantas propostas recebemos, não é mesmo, meus irmãos? Aquela “maracutaia” em seu trabalho para que você possa receber ainda mais! O mundo continua mundo, mas eu e você encontramos o Cristo, por isso precisamos viver na verdade!

Para sermos perseverantes até o fim e vencermos nossas fraquezas e vícios precisamos ser íntimos de Deus e totalmente dependentes de Cristo. Ao nos encontrarmos com Cristo conseguimos enfrentar nossos sentimentos, admitir nossos erros, pecados e fraquezas, ter equilíbrio e limites, maturidade humana e espiritual e força para superar as provações. A maturidade está em olhar e depender de Cristo e não dos homens, está na disciplina e na intimidade com Deus. O encontro com Deus nos leva ao amadurecimento da fé e a sairmos da infantilidade. A maturidade está em depender de Cristo e não dos homens. Tenha um coração inteiramente voltado para o Coração de Deus.

Quando encontramos o Cristo queremos viver em comunidade, entre os irmãos e não isolados. Nós cristãos nascemos para servir e conviver. Como vamos viver o Evangelho se não vivemos em comunhão com os irmãos e sendo indiferentes a eles? Nós somos da família de Deus e precisamos ter comunhão com todos e não viver como inimigos.

Transcrição e adaptação: Luana Oliveira

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo