Ficai alerta, à cintura cingidos com a verdade para anunciar o Evangelho

Padre Alexandre Paciolli. Foto: Wesley Almeida/ cancaonova.com.

Padre Alexandre Paciolli. Foto: Wesley Almeida/ cancaonova.com.

Hoje, o Senhor nos concedeu este momento para que pudéssemos nos encontrar com este poder de Deus. A pregação meditada pela Palavra de Deus está em Efésios 6,14-17: “Ficai alerta, à cintura cingidos com a verdade, o corpo vestido com a couraça da justiça e os pés calçados de prontidão para anunciar o Evangelho da paz. Sobretudo, embraçai o escudo da fé, com que possais apagar todos os dardos inflamados do Maligno. Tomai, enfim, o capacete da salvação e a espada do Espírito, isto é, a palavra de Deus”.

Este capítulo da Bíblia nos mostrar um caminho importante de restauração e combate espiritual. Todo caminho de combate nos leva à restauração, e toda cura feita no Senhor nos leva ao combate. Nenhum cristão está isento da luta. Se nem Cristo foi livre do combate espiritual, por que nós estaríamos livres de viver esse confronto? Quem de nós, hoje, não combateu o bom combate?

Nos tempos de paz e de guerra, estamos sujeitos aos inimigos externos e internos ou visíveis e invisíveis. Quando estamos num caminho de ministério de cura e libertação, não podemos radicalizar, ou seja, dizer que todas as coisas surgem a partir do interior ou do exterior, pois elas estão juntas.

Quantas vezes, por exemplo, nós sentimos vontade de adquirir algo de que não precisamos? Quantas vezes somos tentados a comprar? Em algumas dessas ocasiões estará o dedo do espírito maligno. Outro exemplo são os nossos problemas de saúde. Muitos de nós precisamos de cura física, no entanto, alguns de nossos problemas estão ligados ao mal, o que acaba gerando em nosso corpo algumas opressões que nos causam a doença.

Precisamos entender uma coisa importante: as pessoas podem orar por você, mas é preciso que você queria ser livre da escravidão do demônio. Se, em algum momento, esse espírito maligno entrar na sua alma, você não conseguirá empunhar as armas para lutar contra ele. Eu peço a Deus que você esteja livre e possa lutar com mais força.

"Devemos estar cingidos por este Cristo que nós liberta.", exorta Padre Alexandre. Foto: Wesley Almeida/ cancaonova.com

“Devemos estar cingidos por este Cristo que nos liberta”, exorta Padre Alexandre. Foto: Wesley Almeida/ cancaonova.com

Escute o convite de Deus e lute com todas as suas forças contra o mal. É preciso estar disposto, todos os dias, ao combate interior por mais difíceis que eles possam parecer. As situações podem ser difíceis, mas o poder de Jesus é maravilhoso! Por isso precisamos entender que, neste confronto, o nosso inimigo já está vencido, porque temos uma grande aliada chamada Nossa Senhora.

Devemos proclamar, todos os dias, a palavra ‘Ave-Maria’. São Paulo, em Efésios 6, fala dessas armas que são posturas interiores e que nos levam a um combate na fé.

Não devemos nunca nos esquecer de que aquele que está com Jesus e Maria não precisa ficar com medo, porque Eles combatem por nós. Cada vez que nosso ser vai desaparecendo no “Eu” de Cristo, não é mais nós que vivemos, mas é Ele que vive em nós.

Na Palavra de Deus, há uma referência ao termo “cingir os rins”, que significa algo muito importante para nós: estarmos vigilantes, prontos para o movimento e à disposição de Deus.

Você já parou para pensar se louva a Deus apenas na alegria ou se também Lhe agradece pelas tristezas? Precisamos louvar ao Senhor e Lhe agradecer por tudo. Alguns católicos, quando passam por um momento de sofrimento, afastam-se de Deus na hora em que Ele mais o quer ajudar.

Devemos louvar ao Senhor por tudo aquilo que nós temos e por aquilo que ainda conquistaremos. São Paulo usa um discurso de Deus para Moisés, que está em Êxodo 12,11: “Eis a maneira como o comereis: tereis cingidos os vossos rins, vossas sandálias nos pés e vosso cajado na mão. Comê-lo-eis apressadamente: é a Páscoa do Senhor”.

O Senhor explica, nesse capítulo, a saída da escravidão. Assim, Deus também nos pede para que não tenhamos medo de lutar. “Rim”, na Sagrada Escritura, significa “o lugar dos nossos sentimentos”, significa o lugar onde nasce a verdade. Eles não são órgãos secundários, porque deles saem os sentimentos mais íntimos. É importante cingirmos com a verdade nossa alma, porque o Senhor nos diz: ‘Eu sou o caminho e a verdade’.

Para sermos curados precisamos estar preparados, porque ninguém é vencedor se não tomar para si a bandeira da verdade. Não podemos voltar ao nosso estado da mentira, senão o demônio voltará sete vezes mais forte.

Assuma o combate da verdade e da conversão para que você seja completamente curado. Não peça a cura pela metade, mas sim por inteiro.

Transcrição e adaptação: Alessandra Borges


Padre Alexandre Paciolli


Sacerdote da Arquidiocese do Rio de Janeironão

Facebook
Twitter

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo