“O justo desaparece e ninguém se incomoda” (Is 57,1)

Padre Anderson

Padre Anderson Marçal. Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Cristão que é cristão não quer estar na Babilônia nem se prostrar diante dela, pois, enquanto nela está, o justo desaparece e ninguém se incomoda.

A condenação que foi imposta a Jesus era dada somente aos piores bandidos. Na cruz, todos os órgãos vitais da pessoa pendurada nela, como ocorreu com Jesus, ficam presos. O coração e os demais órgãos são comprimidos, assim como a posição de braços abertos, que vai matando a vítima aos poucos. Então essa é a pior condenação que podia existir.

“E o justo perece sem que ninguém se aperceba; as pessoas de bem são arrebatadas e ninguém se importa; por causa do mal, o justo é arrebatado para entrar na paz; repousam sobre seus leitos aqueles que seguiam o caminho reto” (Is 57, 1-2)

O povo já havia se libertado do exílio da Babilônia e voltou relaxado, contaminado, sem virtudes nem fé, prostituído e corrompido. Mas cristão que é cristão não quer estar na Babilônia nem se prostrar diante dela, pois, enquanto nela está, o justo desaparece e ninguém se incomoda. O exílio da Babilônia deixou o povo de Israel insensível.

Para olhar para o Crucificado é preciso assumir um compromisso com Ele. Diante de quem estamos nos prostrando todos os dias? Diante do Justo Crucificado ou do quadradinho da TV?

O que estamos vendo? O bem, na Palavra de Deus, representa o belo e o verdadeiro, mas os estamos vendo desaparecer, porque estamos presos no exílio da Babilônia, não vemos homens de bem, belos e verdadeiros. Hoje não olhamos mais o bem da humanidade, olhamos o nosso bem e nos tornamos egoístas diante de um mundo que nos faz assim. Fazemos as coisas pensando em nós mesmos, por isso vamos até as últimas consequências, mesmo que façamos o mal aos outros.

Será que conseguimos ver beleza neste Homem flagelado? A verdadeira beleza é aquela que salva, mas a Verdade está desaparecendo. Hoje, vivemos num mundo de relativismo, ou seja, todos nós temos um ponto de vista diferente. Mas o problema não é termos pontos de vista diferentes, mas olharmos a verdade mentirosa.

Estamos vivendo um assistencialismo em que se dá pão, aplaude-se o “circo” que se tem feito, mas a verdade está desaparecendo. Estamos vendo homens de bem sendo eliminados sem que ninguém perceba. Não venda a sua alma para este mundo, queira tê-la na eternidade!

Por que não vemos esse Justo? Porque Aquele que nos converte está sendo eliminado, estão tirando a cruz das repartições públicas. O Justo, Aquele que nos converte, que verdadeiramente nos dá o pão da vida, está sendo eliminado. E entramos em outro relativismo, o justo para mim pode não ser justo para você.

O justo para muitos é o aborto, mas para nós não. O justo para eles é eliminar, mas o que o Justo, Jesus Cristo, diz é: “não mateis!”. O Senhor não se defendeu quando estava sendo atacado, Ele disse: “Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que fazem”. Ser cristão não é apenas acreditar em Jesus, mas também fazer o que Ele fez. Justiça não é fazer algo com as nossas próprias mãos.

Peregrinos

Peregrinos acompanham a pregação no Acampamento de Semana Santa. Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Nós não precisamos ter “coisas”, ter bens para sermos alguém; precisamos ter valores. Somos o que somos diante de Jesus Crucificado. Ele perdeu tudo, foi crucificado nu e teve apenas o madeiro. Mas podemos dizer: “Bendito madeiro da cruz que nos salva!”. Jesus foi rico na cruz, foi Rei no madeiro, que é o Seu trono.

O que queremos ver? Queremos paz, mas para que possamos ter a paz precisamos viver na retidão, ou seja, uma vida voltada para Aquele que nos orienta, que orienta o nosso caminhar, os nossos pensamentos e sentimentos, que nos direciona para o estilo de vida d’Ele. A paz só virá depois da Babilônia, então saia dela. Caminhar na retidão é ter uma vida orientada por esse Justo que desaparece e ninguém se incomoda. Ter retidão de vida é se incomodar, porque ninguém está vendo este Homem.

Querem nos tirar tudo em nome de um diálogo inter-religioso. Mas por que querem tirar todas as coisas dos cristãos? Será porque não aplaudimos tudo que colocam na televisão brasileira? Aquele que nos orienta é o único que nos salva, o exílio da Babilônia não salva ninguém.

Temos de nos sentir incomodados, pois estão tirando Cristo da nossa vida aos poucos. Cristãos, sintam-se incomodados quando tirarem a cruz do lugar em que vocês estão. Se você é católico, assuma a cruz que o Senhor lhe deu. Aos poucos, estão arrancando de nós o que é nosso. Não podemos ficar tranquilos!

Transcrição e adaptação: Míriam Bernardes

contribuicaocn


Padre Anderson Marçal


Sacerdote da Comunidade Canção Nova

Twitter

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo