A arte de pertencer e servir a Deus

A arte de pertencer e servir a Deus

Wilde Fábio. Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Ou a arte realiza a comunicação ou ela não realiza a sua missão.

Meu nome é Wilde Fábio. Eu sou cearense. Com 11 anos de idade tive minha primeira experiência com Deus e, aos 17 anos, eu conheci a Comunidade Shalom. Sou celibatário e sou responsável pelas artes nessa comunidade.

Eu acredito que, com o passar dos anos, vamos fazendo uma leitura da música na história, na Igreja. Vou partilhar sobre a arte de servir a Deus e sobre a minha experiência de vida.

Um dia todos nós fizemos uma experiência com Deus e, a partir daí, surgiu um desejo enorme de servi-Lo de todas as formas. No início, na missão na Shalom, eu achava que eu tinha Deus e que as outras pessoas é que precisavam de mim.

Quando nós trabalhamos com a arte entramos em contato com os nossos limites e estes vão fazendo com que nos decepcionemos. Cada um de nós vive esse processo de decepção de algum modo. Muitas vezes, nós olhamos para a arte, para o público e para a plateia e pensamos: “Dou tudo o que eu tenho, mas o que eles me dão em troca é insuficiente para me realizar como pessoa”.

Então comecei a ver que, por trás da sede de evangelização, havia a sede de  “eu preciso do público”, porque eu achava que isso tinha que ser confirmado. E como artistas esse anseio é mais latente em nós, porque queremos nos dar ao outro. Esse anseio faz parte do mais profundo desejo de ser de Deus.

Deus nos criou para Ele, não para nós mesmos, mas sim para os outros. Por isso nós temos esse desejo; o desejo de que as pessoas sejam tocadas por aquilo que fazemos. Ou a arte realiza a comunicação ou ela não realiza a sua missão.

Antes de vir para a pregação, eu me encontrei com o monsenhor Jonas. E ele me disse: “Diga aos músicos que sejam músicos em ordem de batalha”. Meus irmãos, é tempo de nós sairmos da ingenuidade. Mais cedo ou mais tarde, o músico amadurece e cresce na capacidade de administrar seu ministério e sua história para conseguir ser músico em ordem de batalha.

Nós, músicos católicos, temos que assumir o nosso lugar diante do mundo como homens e mulheres de Deus. Contudo, muitas vezes, não fazemos isso porque nos perdemos nos desgastes da própria missão.

Quando falamos de santidade, geralmente falamos de forma romântica, como se fosse algo do futuro. Precisamos entender que Deus já está no meio de nós e que nós, músicos, precisamos assumir o nosso lugar! Precisamos nos dedicar ao movimento de empreender a música católica.

Uma coisa importante é ter identidade. Os músicos com mais anos de experiência têm uma identidade, mas os mais novos precisam ter sua identidade. Você precisa saber quem é você! O que Deus quer para o seu ministério? O que Deus lhe pede?

A sua alma quer eternidade, ela quer Deus. Ela não vai se contentar nunca neste mundo com CDs, DVDs, etc. Você anseia por Deus! A arte católica não se justifica apenas profissionalmente, porque o coração quer mais. O dinheiro que a pessoa recebe por aquilo que ela está fazendo não basta, não sacia, não realiza. Sua alma quer mais! É preciso redescobrir o seu ministério.

A arte de pertencer e servir a Deus

Músicos participam do Acampamento de Música na Canção Nova. Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Eu posso viver uma relação de “tirania” com o meu público se eu exigir dele o que ele não pode me dar. Uma relação precisa valer a pena para as duas partes. Se você identifica esse tipo exigência em seu interior, eu o questiono: Que tipo de tirania você está vivendo? Isso quer dizer que você se perdeu em si mesmo.

Somos responsáveis pela nossa vida. As nossas decisões vão sendo construídas ao longo de nossa história, e a graça de Deus entra em todas elas: na parte financeira, espiritual, na produção, entre outros.

Nós, artistas, temos necessidade de plenitude, de inteireza. Não podemos nos contentar em ser 50% isso ou aquilo; precisamos assumir a nossa arte e a nossa missão plenamente.

Em nenhum país do mundo há as expressões artísticas que o Brasil possui. Você não pode viver o seu ministério como um fardo, um peso, e se ele estiver assim, dê uma pausa nele e procure Deus, porque Ele lhe deu o seu ministério para o realizar e o fazer feliz.

A unidade precisa crescer entre os músicos católicos, entendendo que o outro tem uma espiritualidade diferente da nossa e que somos irmãos. Por isso é preciso cuidar dele e protegê-lo.

A responsabilidade de seu ministério está em suas mãos. Saiba que ser, hoje, “um músico em ordem de batalha” também significa saber como funciona o mercado musical no Brasil, como se faz uma boa produção e todas as coisas que fazem parte da nossa vida de músicos.

Deus também fala conosco por intermédio do mercado cultural de forma simples. Onde hoje está a “bola da vez” no mercado? Está no artista. Hoje funciona assim. Somos artistas deste tempo e Deus nos chama a encarnar o Evangelho na atualidade.

Responda ao chamado de Deus na sua vida com responsabilidade e sem medo. Não dá mais para “brincar” de música católica, fazendo amadorismo. Nós teremos muito mais para dar ao outro se nos unirmos e vivermos aquilo que o Senhor nos chama a viver com santidade e seriedade.

Resumindo: no primeiro momento nós descobrimos que as pessoas precisam de nós. No segundo momento, fazemos a descoberta de que nós precisamos delas. E, no terceiro, descobrimos que precisamos uns dos outros. E para isso é necessário santificar a arte. A santificação da arte se dá no outro.

Deus não usa ninguém. Quando Ele nos chama a realizar algo o primeiro alvo da misericórdia somos nós. Quando Deus o chama para uma missão, Ele pensa em você. O seu ministério precisa ser um lugar de encontro com Deus!

Você não pode deixar de rezar enquanto estiver servindo ao Senhor no seu ministério. Encontre-se com Deus no seu ministério, no show, na celebração da Santa Missa e em todos os lugares.

A voz de Deus, dentro de nós, não pode morrer nunca! Essa graça de Deus, Sua misericórdia, o Sangue de Cristo, passa pela sua arte, seu “axé”, sua “suingueira”, seu rock…

A maior obra de arte de Deus na sua vida é o seu coração, onde Ele quer se encarnar, é aí que Ele quer saciar a sua sede, não é naquela música que você compõe e ganha rios de dinheiro.

O Papa fala que a arte precisa ser uma companheira de viagem. Precisamos entender isso que o Papa nos pede. Somos companheiros de viagem da humanidade, e o companheiro deve ser uma pessoa agradável, que serve. E se não formos assim ninguém vai nos querer como companheiros.

O Santo Padre também diz que o músico precisa ser evangelizado pela misericórdia de Deus. O que a misericórdia não pode fazer por você, meu irmão? A misericórdia de Deus pode tudo!

Nossa maior tentação é dizer “eu sou fraco mesmo. Preciso ser coerente e desistir!”. A coerência é a luta e luta diária. Deus o chamou e assumiu o risco quando Ele o escolheu. Deus não tem medo de prejudicar a Igreja com seus pecados. E você? Você ousa naquilo que Deus confia a você ou fica preso aos seus pecado e às suas quedas? Ele o ama e a obra e a transformação é Ele quem faz.

A graça de Deus, que existe em nós, é maior que tudo e nós devemos lutar por essa vontade que nos chamou e nos quis. Agradeço, em nome de Deus, o serviço que você faz pela Igreja, na sua paróquia, na sua comunidade!

Comece, por você mesmo, deixando-se amar e ser alcançado por Deus, porque é d’Ele que brotará a força para ofertar a sua vida no dom para o qual Ele o chamou. Anuncie Cristo. Não tenha medo! Coragem!

Transcrição e adaptação: Tatiane Bastos.


Wilde Fábio


Missionário da Comunidade Shalom

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo