Coração manso e aberto de Jesus

Padre Joãozinho, SCJ
Foto: Robson Siqueira / CN

Este nosso acampamento do “colo”, da mansidão, da ternura e da humildade, começa com uma promessa do Coração de Jesus: “Eu estarei convosco todos os dias até o fim!”

Jesus bendiz ao Pai porque Ele revelou as coisas do Alto aos humildes e não aos “sabichões” deste mundo. E depois Ele convida aos seus a descansarem em seu Sagrado Coração.

Quem aqui está doente? Quem aqui está cansado? Indignado com a situação do nosso país? Tem aqui em nosso meio alguém em depressão? Então, saiba: o convite de Jesus é para você!

O convite do Senhor é para descansarmos em seu Coração. É um convite de acolhida. O apóstolo João conseguiu enxergar no lado aberto de Jesus – transpassado na Cruz – um sinal muito maior do que uma cena dramática. São João percebeu esta verdade: o Coração de Jesus é um coração aberto para nós.

O sangue e a água que jorram do Coração de Jesus são “cristificadores”. Jesus quer nos restaurar. Ele quer nos reparar, como ensina a espiritualidade do Sagrado Coração de Jesus. E, para isso, Jesus se utiliza de dois “pincéis”, ou seja, Ele vai pintando a sua presença em nós. E quais são estes "pincéis"? São a mansidão e a humildade.

O Papa ensina que o sacerdote precisa ser transparente. Eu entendi, com isso, que nós, padres, temos de ser como uma “vidraça”. Através de nós as pessoas precisam ver Jesus. Entende? Quando você vive esta intimidade com Deus, as pessoas ao seu redor acabam vendo não somente a você, mas também a Jesus! A Ele, Jesus Cristo, que acaba manifestando-se ao mundo através de suas atitudes, meu irmão. A exemplo do que viveu o Beato João Paulo II, Madre Teresa de Calcutá e tantos outros exemplos de santidade que nós temos.

Na escola de Jesus há duas grandes lições: a mansidão e a humildade. E a grande promessa de Jesus para nós é a sua presença. A presença do seu Sagrado Coração. É isto o que viemos buscar aqui, neste acampamento. Repita comigo: “Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso”.

Quero, nesta manhã, falar um pouco sobre esta mansidão do Coração de Jesus. Veja: eu posso ter um bicho de estimação que é manso. Ou não. Você pode ter um gatinho. Mas também pode ter um touro (que não é nada manso!). Então eu posso ter um animal obediente ou não.

Pensando nisso, que a mansidão constitui uma obediência, olhamos para a mansidão de Jesus e vemos a sua obediência ao Pai. Mas o que significa esta obediência? Significa esta escuta. Obedecer é ouvir, ou seja, estar aberto ao diálogo.

"O convite do Senhor é para descansarmos em seu Coração", exorta padre Joãozinho
Foto: Robson Siqueira / CN

:: Veja fotos no Flickr  

 

:: Veja fotos também no Facebook

 

Mas eu ainda não estava satisfeito com esta descoberta. Então consultei uma Bíblia em grego e fui descobrindo que, a palavra “manso” – em grego e depois vendo a tradução em hebraico – significa “pobre”. E esta pobreza significa total dependência de Deus.

E indo mais a fundo, estudando na Bíblia, descobri que esta pobreza do Coração de Jesus é, na verdade, uma grande riqueza: Jesus é rico em misericórdia.

O coração de Jesus é pobre, acolhedor, misericordioso e obediente. Veja quanta riqueza encontrada na palavra “mansidão”.

Para Aristóteles, mansidão significa o equilíbrio entre o excesso de ira (alguém que age com violência) e uma ausência total de ira (alguém que não indigna-se com mais nada que acontece ao seu redor). A mansidão é uma “ira santa”. É importante vivermos este equilíbrio. A mansidão constitui-se neste equilíbrio entre a ternura e o vigor.

É como acontece numa família. A mãe representa a ternura e o pai representa o vigor. E é desta síntese que nasce a mansidão dentro do lar e no coração dos filhos.

Foi esta a pedagogia que Jesus utilizou com Pedro: a pedagogia da mansidão. Jesus usou de ternura para com Pedro. Jesus acolhia a Pedro, todas as vezes que ele se aproximava do Mestre para conversar com Ele. Mas também Jesus corrigiu vigorosamente a Pedro, quando ele não queria que o Mestre fosse para Jerusalém. O que Ele diz a Pedro? “Afasta-te de mim, Satanás, porque és para mim uma pedra de tropeço!”

Jesus é manso de coração. Ele age com ternura e com vigor. Precisamos também imitar esta ternura e este vigor do Sagrado Coração de Jesus. Precisamos imitar este Coração aberto. Peça ao Senhor um coração aberto para Deus e para os irmãos. Para as necessidades do próximo.

Aponte para o seu irmão e diga: “Dai-me, Senhor, um coração aberto às necessidades deste meu irmão, para saber acolhê-lo”. E agora aponte para o Céu e diga: “Dai-me, Senhor, o Céu aberto para mim”.

Jesus é a Porta. E uma porta sempre aberta para nós. Precisamos aprender a viver com mansidão, ou seja, com esta abertura de coração e de mente para os outros.

Não adianta ficar “retendo para si”, viver de “mão fechada”. Os grandes milionários não são aqueles que ficaram guardando o dinheiro no cofre, mas sim aqueles que souberam investir este dinheiro. Percebe? É preciso saber “abrir mão” das coisas por causa de Jesus. Como é bom investir a vida em Deus. E você verá, com certeza, que vale a pena viver desta forma!

"A mansidão é o equilíbrio entre a ternura e o vigor", ensina padre Joãozinho durante sua pregação
Foto: Robson Siqueira / CN

 

Vamos dizer juntos: “Jesus manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso. Jesus, de coração aberto e solidário, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso”.

Estamos neste acampamento para ficar no “colo” de Deus, para provar de sua ternura. E também precisamos, nestes dias, experimentar o seu vigor que nos conduz à conversão.

 

 

Transcrição e adaptação: Alexandre Oliveira

 

 

Assista a um trecho desta pregação:

 

 


Padre Joãozinho


Sacerdote do Sagrado Coração de Jesus

Facebook
Twitter

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo