O combate da oração é pessoal

'No combate da oração você precisa perder sua pose de 'bonitão'!'
Foto: Flávio Pinheiro

Cada um tem o seu combate, sua luta no dia a dia e cada um vai combater com suas armas; o importante é ter as armas certas, que sejam compatíveis com seu tamanho, como Golias, que tinha todos os tipos de armaduras ao seu dispor. Mas como Davi era pequeno, estas [armas de Golias e de outros] não eram adequadas a ele. No combate na oração existem certas batalhas, as quais você enfrenta muito de perto ao rezar, por isso, muitas vezes, é preciso recuar um pouco. Existe uma dinâmica e quem impõe o ritmo é você, segundo sua intimidade com Deus. Não é uma oração do Dunga, do padre José Augusto, do padre Jonas e de nenhum pregador que resolverá o problema que é seu. Pois se você pensa que a oração de uma pessoa vai resolver o seu problema, é no mínimo infantil; é a sua oração que vai resolvê-lo. É a sua oração que lhe mostrará quando deverá recuar, quando deverá enfrentar, avançar, e isso você só conseguirá saber com a intimidade com Deus.

No combate de oração, cada um vai viver seu combate, e nesta passagem a Palavra nos mostra duas situações de combate de oração: “Jesus passou novamente para a outra margem, e uma grande multidão se ajuntou ao seu redor. Ele estava à beira-mar. Veio então um dos chefes da sinagoga, chamado Jairo. Vendo Jesus, caiu-lhe aos pés e suplicava-lhe insistentemente: “Minha filhinha está nas últimas. Vem, impõe as mãos sobre ela para que fique curada e viva!” Jesus foi com ele.” (São Marcos 5,21-24).

Por essa situação urgente de Jairo você com certeza já passou e em oração você já viveu isso. Jairo era o chefe da sinagoga e ele teve que perder sua pose para se jogar aos pés de Jesus. No combate de oração, você também precisa perder sua pose “de coordenador de grupo”, de "bonitão"; no combate seja humilde!

Com certeza, aquele chefe sabia quem era Jesus e se jogou aos pés de d'Ele e disse que seu caso era urgente, pois sua filha estava morrendo. E Cristo vai com ele para sua casa e, no caminho, sua esperança aumenta. No combate de oração também é assim: nós nos humilhamos, pedimos, insistimos e a esperança aumenta. Mas, no caminho, aconteceu algo: “Uma grande multidão o acompanhava e o apertava de todos os lados. Estava aí uma mulher que havia doze anos sofria de hemorragias e tinha padecido muito nas mãos de muitos médicos; tinha gastado tudo o que possuía e, em vez de melhorar, piorava cada vez mais. Tendo ouvido falar de Jesus, aproximou-se, na multidão, por detrás e tocou-lhe no manto. Ela dizia: “Se eu conseguir tocar na roupa dele, ficarei curada”. Imediatamente a hemorragia estancou, e a mulher sentiu dentro de si que estava curada da doença. Jesus logo percebeu que uma força tinha saído dele e, voltando-se para a multidão, perguntou: “Quem tocou na minha roupa”? Os discípulos disseram: “Tu vês a multidão que te aperta, e ainda perguntas: ‘Quem me tocou? ’” Ele olhava ao redor para ver quem o havia tocado. A mulher, tremendo de medo ao saber o que lhe havia acontecido, veio, caiu-lhe aos pés e contou toda a verdade.” (São marcos 5,24b-33).

E imagine o desespero de Jairo esperando a mulher contar toda a verdade. "Jesus então disse à mulher: “Filha, a tua fé te salvou. Vai em paz e fica livre da tua doença" (São marcos 34). 

Imagine você com pressa para resolver o problema, imagine que você é Jairo, que encontrou Jesus, que se jogou aos pés d'Ele, falou com o Senhor e Ele vai com você, sua esperança aumenta e, de repente, você precisa esperar o milagre acontecer na vida do outro.

Você pode imaginar a urgência de Jairo, agora imagine essa mulher, que estava esperando um milagre, tendo uma hemorragia por doze anos. Sendo que na Judéia a mulher é isolada no período menstrual por ser considerada impura. Ela não poderia nem receber um abraço de seu filho, uma mulher que gastou tudo com os médicos e não teve melhora nenhuma. Ela com todas as suas dificuldades, ainda nutria uma esperança de ver Jesus e anda 100 km, com a seguinte expectativa: “Se eu conseguir tocar na roupa dele, ficarei curada”. “Ele não precisa nem olhar para mim, se eu apenas tocar.” Esse era o combate daquela mulher, era a sua esperança, ela não queria atenção, ela queria somente tocar a roupa de Jesus.

Talvez você tenha vivido até hoje "empurrando" Jesus, "empurrando" a Canção Nova… Muitos O apertavam, mas aquela mulher O tocou. Já pensou que hoje você está aqui e que depois de um longo combate, que o fez se tornar íntimo de Jesus, que chegou a hora de você apenas "tocar" Jesus?

E voltando para Jairo: ele estava desesperado, querendo que o Senhor fosse logo à sua casa.

É importante você ter sua intimidade com Deus, essa mulher tinha essa intimidade de apenas querer tocar Jesus; Jairo precisava que Jesus fosse à sua casa. O importante é você valorizar o seu combate: Jairo estava com o combate dele; a hemorroíssa estava com o combate dela; e a prioridade para Jesus eram os dois, um estava desesperado vendo o milagre na vida do outro.

'Nossos combates são diferentes, mas todos precisamos de milagres'
Foto: Flávio Pinheiro

Existe o texto e o contexto, eu preciso de cura e você precisa de cura, mas nós temos contextos diferentes, eu moro na Canção Nova há 18 anos e você mora na sua cidade, portanto, o meu combate é diferente do seu, a sua oração é diferente da minha, mas ambos precisamos de milagres.

“Enquanto ainda estava falando, chegaram alguns da casa do chefe da sinagoga dizendo: “Tua filha morreu. Por que ainda incomodas o mestre?” (São marcos 35). Imagine a raiva que Jairo ficou da mulher, imagine você no lugar dele, que já tinha convencido Jesus a ir a sua casa e no caminho encontra essa mulher, que ao tocar o Messias sai uma força d'Ele e Ele se detém para saber quem foi, e ela começa a explicar o que aconteceu e, nesse tempo, chegam e dão a notícia de que a filha dele já havia morrido. E, naquele momento, Jairo poderia ter agradecido o Senhor por ter aceitado ir à sua casa, mas que já não adiantava mais, pois sua filha já tinha morrido. Que combate aquele homem viveu neste momento!

"Jesus ouviu a notícia e disse ao chefe da sinagoga: 'Não tenhas medo, somente crê'" (São Marcos 36). Esse é o segredo do combate da oração: “Não temas, crê somente”. Cristo não tinha apenas reservado para Jairo uma cura, mas uma ressurreição, muitos de vocês estão esperando também esse milagre [ressurreição], muito mais que cura, uma ressurreição de um projeto, da sua família. Você precisa buscar a sua intimidade com Deus, a sua oração é única, ninguém mais reza igual a você.

'Este é o segredo do combate da oração: "Não temas, crê somente"'.
Foto: Flávio Pinheiro

"Quando chegaram à casa do chefe da sinagoga, Jesus viu a agitação, pois choravam e lamuriavam muito. Entrando na casa, ele perguntou: “Por que essa agitação, por que chorais? A menina não morreu, ela dorme”. E começaram a zombar dele. Afastando a multidão, levou consigo o pai e a mãe da menina e os discípulos que o acompanhavam. Entrou no lugar onde estava a menina. Pegou a menina pela mão e disse-lhe: “Talitá cum!” ( que quer dizer: “Menina, eu te digo, levanta-te” ). A menina logo se levantou e começou a andar — já tinha doze anos de idade. Ficaram extasiados de tanta admiração." (São marcos 38-42).


Quantos anos tinha aquela menina? 12 anos. Quantos anos a mulher esperou pelo milagre? 12 anos. Aquela mulher estava perdendo sua vida por 12 anos, fazendo uma experiência de morte e aquele homem que já tinha vivido 12 anos de vida com aquela filha estava fazendo também uma experiência de morte ao perdê-la [filha]. Aquela mulher depois de 12 anos teve um encontro pessoal com Jesus, teve a vida e aquele homem, que até então tinha experimentado a vida com sua filha, naquele momento também estava experimentando a morte, também teve um encontro com Jesus.

Você tem seu combate de oração. Diga: “Jesus, eu tenho meu combate de oração. Ajuda-me a construir Contigo a minha intimidade, o meu combate, a minha história.”

Se você voltar para casa convencido de que precisa ter a sua história de intimidade com o Senhor para travar o seu combate, você vai louvar, vai entrar em êxtase, e não vai se isolar, impedindo que seu combate para obter intimidade com Deus trave. Se você caminhar com Deus, todas as suas angústias, problemas estão com os dias contados. Pode ser que esses dias contados sejam 12 anos, ou pode ser o mesmo período de desespero de Jairo.

Você é ouvido quando fala, Deus o leva a sério, Ele o escuta, se dói em você, dói em Deus, Ele sente o que você está sentindo, por isso tudo o que você pedir [que seja para seu bem], Ele lhe dará, eu não sei em qual espaço de tempo isso ocorrerá: se você precisará esperar 12 anos como aquela mulher ou horas como Jairo, mas eu tenho a certeza de que Deus lhe dará.

Transcrição e adaptação: Regiane Calixto


Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo