O mundo sobrenatural dos anjos

Padre Paulo Ricardo
Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Queremos, como propósito de vida, não pecar mais. Então, peçamos a Deus que nos ajude por intermédio de nossos amigos extraordinários, os anjos.

Monsenhor Jonas, fundador da Canção Nova, escreveu o livro 'Anjos, companheiros no dia dia'. No capítulo 7, ele fala do mundo sobrenatural dos anjos. O sacerdote recorda o profeta Eliseu, que ajudava o povo de Israel no conflito entre este e a Síria. Todas as vezes que a Síria arranjava uma emboscada para Israel, um anjo advertia Eliseu, que falava ao rei e eles venciam.

O rei da Síria pensava que havia um traidor entre eles; porém, os sábios disseram ao rei que não havia um traidor, mas que era o homem de Deus, Eliseu. A partir daí, os sírios, a mando do rei, queriam matar o profeta. Pelo fato de o exército sírio ser maior, pensava-se ser impossível vencê-lo.

Diante disso, os companheiros de Eliseu foram falar com ele, perguntar o que fariam. O profeta lhes respondeu: “Não tenhas medo, porque são mais numerosos os que estão conosco do que os que estão com eles”. Levantaram os olhos e viram o monte cheio de carros e cavalos de fogo, era a visão espiritual.

No livro de monsenhor Jonas, ele afirma: “O que temos aqui relatado não é exceção, é regra”. Se pudéssemos ver esse centro de evangelização espiritualmente, veríamos muitos demônios querendo roubar a Palavra de Deus dos nossos ouvidos, mas não devemos nos preocupar, porque os que estão conosco são mais numerosos que eles. Os anjos de Deus estão aqui e são miríades e miríades de anjos. Como sabemos disso? Pelo testemunho dos santos, pela Sagradas Escrituras.

Os anjos são amigos que, pela Providência Divina, cuidam de nós. Porém, eles manifestam uma luta espiritual. É importante que saibamos também um pouco mais sobre os demônios. Quando estamos numa guerra e queremos vencê-la, devemos conhecer o inimigo para vencê-lo. Os demônios são uma realidade e nós não podemos ser alheios a isso. As tentações que acontecem em nossa vida não são apenas consequência da nossa humanidade decaída nem do sistema criado pelo mundo, mas também do demônio.

Existem três inimigos do homem: a carne, o mundo e o diabo com seus demônios. Antes de criar o mundo material, Deus criou o mundo espiritual. Ele havia criado os espíritos e cada um com seus talentos. Assim como faz conosco, ele fez com os anjos. Deus fez anjos mais próximos d'Ele, que sabiam mais coisas. Dessa forma, criou-se uma hierarquia. Os anjos de hierarquia menor aprende com os anjos de hierarquia maior. Quando Deus criou os anjos, antes de admiti-los na glória dos céus, quis que eles Lhe demonstrassem uma prova de amor, e pediu isso aos anjos.

Quando você tem uma provação na sua vida, deve dar glórias, porque tem a oportunidade de dar provas de seu amor por Deus. Assim aconteceu com os anjos. Porém, o anjo mais bonitos, com mais talentos, o chefe dos anjos, não aceitou amar a Deus, não aceitou submeter-se a Ele. A partir disso, Lúcifer começou a seduzir os outros anjos. Assim, começou uma batalha no céu.

Os anjos não tem corpo, portanto não podem ferir um ao outro. Eles lutam espiritualmente na comunicação de ideias. Lúcifer, na sua mentira, começou a seduzir os outros anjos; nessa luta entre eles, surgiram os bons e os rebeldes. Essa batalha entre os anjos é narrada no livro do Apocalipse. É aí que surge Miguel, um arcanjo que desembainhou a “espada” da humildade e aplicou um golpe mortal nos argumentos de Lúcifer.

"Diante de uma tentação, o cristão sai idólatra ou sai mártir", diz padre Paulo Ricardo.
Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Miguel, um anjo do segundo coro, que nem tinha uma patente tão alta, afirma: “Quem como Deus?”. Ao dizer essas palavras, Miguel professava sua humildade. Foi esse seu argumento. Os anjos de Deus são imensos, gloriosos e sabem que, diante do Altíssimo, não são nada. O anjo menos graduado é maior do que nós e muito mais poderoso. O poder tanto dos anjos bons quanto dos maus é muito maior do que o poder de cada um de nós. Se Lúcifer viesse com todo o seu poder, a humanidade seria exterminada, porém Deus não permite isso. 

Não sabemos o número exato de anjos decaídos, mas, de acordo com o livro de Apocalipse, foi um terço deles. Quando Deus percebeu que aqueles anjos já haviam sido seduzidos e não havia mais volta, abriu as portas do céu para os anjos bons e abandonou os maus.

Os anjos bons têm uma vantagem enorme, porque veem Deus face a face. Já os anjos maus jamais viram e jamais verão o Senhor. Eles não quiseram o amor de Deus, não acreditaram no amor d'Ele. Com os seres humanos é assim também. Nesta vida, temos a oportunidade de nos abrir ao amor do Pai, porém se não o quisermos, já sabemos quem será nossa companhia depois desta vida.

O pecado foi uma invenção angélica, mas uma criação dos demônios. O que estou dizendo a vocês não é coisa da minha cabeça, mas é aquilo que foi colhido das Sagradas Escrituras e refletido por teólogos e padres de confiança da Igreja, por isso podemos e devemos crer nisso.

Há pessoas que se convertem, que vêm para a Igreja e pensam que vão viver na tranquilidade. Haverá bênção, mas se você se decide por Deus, estará declarando guerra a satanás! Ele vai fazer de tudo para que você tenha dúvidas sobre o amor d'Ele. Não basta saber que Deus existe. A fé que salva não é a fé que sabe que Deus existe, mas a que sabe que Ele nos ama.

A fé que nos leva para o céu é aquela que crê inabalavelmente no amor de Deus. Precisamos tomar posse desse amor. Satanás vai fazer de tudo para que eu deixe de crer no amor de Deus. Por isso temos a passagem da armadura de Deus, em que São Paulo diz: “Finalmente, irmãos, fortalecei-vos no Senhor, pelo seu soberano poder. Revesti-vos da armadura de Deus, para que possais resistir às ciladas do demônio. Pois não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal (espalhadas) nos ares. Tomai, por tanto, a armadura de Deus, para que possais resistir nos dias maus e manter-vos inabaláveis no cumprimento do vosso dever. Ficai alerta, à cintura cingidos com a verdade, o corpo vestido com a couraça da justiça, e os pés calçados de prontidão para anunciar o Evangelho da paz. Sobretudo, embraçai o escudo da fé, com que possais apagar todos os dardos inflamados do Maligno. Tomai, enfim, o capacete da salvação e a espada do Espírito, isto é, a palavra de Deus. Intensificai as vossas invocações e súplicas. Orai em toda circunstância, pelo Espírito, no qual perseverai em intensa vigília de súplica por todos os cristãos.” (Efésios 6,11-18).
 
Os anjos e os demônios são seres espirituais, porém a palavra que São Paulo utiliza para ilustrar isso é a luta corpo a corpo. Todas as vezes que na Bíblia se fala de luta espiritual, fala-se em agonia, porém, nessa passagem de Efésios, pela primeira vez ele fala da luta corpo a corpo, de desequilibrar o outro para derrubá-lo no chão.

"Cada tentação vencida é uma ato de amor a Deus", assegura padre Paulo.
Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

 
Deus não permite que os demônios saibam o que estamos pensando. Se eu falo uma palavra e você faz uma cara de que não gostou, ele sabe que pode estimulá-lo nisso. Se ele percebe que você é vaidoso, ele estimula sua vaidade. Mas quando você se abre para a ação dos anjos, eles agem. O inimigo de Deus é esperto, mas quem é sábio são os anjos da guarda. Santo Padre Pio afirmava que não podemos deixar nosso anjo da guarda ocioso, devemos mantê-lo sempre ocupados. Sem o auxílio deles não vamos conseguir. Cada tentação vencida é uma ato de amor a Deus. Diante de uma tentação, o cristão sai idólatra ou sai mártir, porque morre por amor a Deus.

Os anjos também estão a serviço de Maria. Quando você reza o terço, tem a certeza de que não está sozinho, pois miríades de anjos vêm rezar com você. Eles gostam de saudar Nossa Senhora com uma saudação angelical: “Ave Maria!”. O poder da Virgem Maria faz com que o inferno trema.

"Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco, bendita sois vós entre as mulheres e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus. Santa Maria mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém."

 

Transcrição e adaptação: Rogéria Nair 

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo