Sua esperança, o começo do milagre

Dunga
Foto: Robson Siqueira

Que bom falar sobre a misericórdia! Não podemos morrer sem antes termos experimentado essa graça. Nós sempre nós lembraremos de nossos pecados, só Deus não lembra deles. São como uma cicatriz, quando olhamos para eles, nos lembramos do machucado, mas não sentimos mais dor.

Uma pessoa corajosa é alguém cheio de coragem; uma pessoa medrosa é alguém cheio de medo; já uma pessoa piedosa é alguém cheio de piedade. E Deus é misericordioso, porque sobre Ele depositamos todas as nossas misérias após nosso encontro pessoal com Ele. A misericórdia que você pode experimentar hoje é infinita no seu coração, onde estão todos os sentimentos bons e maus. Quando dizemos “coração” significa “alma”.

Diga: “Senhor Jesus, eu não aguento mais! Não quero mais viver com essa sombra, essa treva! Liberta-me, cura-me, manifeste o Teu poder neste lugar, nesse ponto da minha vida”.

Deus nos trouxe aqui para curar nosso coração para sermos misericordiosos com as pessoas, ou seja, também assumirmos as misérias dos outros que ofendemos ou que nos ofenderam.

Neste trecho bíblico: Marcos 5,21-43, Deus usa de misericórdia com duas pessoas: com Jairo, que perdia a sua maior esperança: sua filha e a outra pessoa era uma mulher, que por 12 anos tinha uma hemorragia. Naquela região, naquela época, uma mulher que estava menstruada era considerada impura. Imagine uma pessoa por 12 anos sem ser abraçada, sem ninguém comer junto com ela? E diz a Palavra de Deus que ela já tinha gastado tudo sem receber nenhuma melhora.

O importante é perceber que Jesus sonda o seu coração e interpreta o seu sofrimento. Basta que você sinta dor para que o Senhor já saiba o que é; Ele interpreta o tamanho da sua dor. O problema é que nós contamos para todos as nossas dores, falamos tudo para o médico. Quem dera nossas orações fossem iguais a nossas consultas com os médicos! Nós nos humilhamos na frente desses profissionais e, muitas vezes, só com a conversa já saímos bem do consultório, pois ali abrimos o coração. Se nós conversássemos com Jesus dessa maneira, na capela, como falamos com eles [médicos], mais da metade de nossos problemas seriam solucionados!

21.Jesus passou novamente para a outra margem, e uma grande multidão se ajuntou ao seu redor. Ele estava à beira-mar. 22.Veio então um dos chefes da sinagoga, chamado Jairo. Vendo Jesus, caiu-lhe aos pés 23.e suplicava-lhe insistentemente: “Minha filhinha está nas últimas. Vem, impõe as mãos sobre ela para que fique curada e viva!” 24.Jesus foi com ele. Uma grande multidão o acompanhava e o apertava de todos os lados. 25.Estava aí uma mulher que havia doze anos sofria de hemorragias 26.e tinha padecido muito nas mãos de muitos médicos; tinha gastado tudo o que possuía e, em vez de melhorar, piorava cada vez mais.

Dunga
Foto: Robson Siqueira

Hoje, nós vamos à farmácia e encontramos absorventes; muitos banheiros têm chuveirinhos…Agora, imagine naquela época em que não tinha como fazer uma higienização, imagine o incômodo. Mulheres, imaginem-se menstruadas por 12 anos!

“Tendo ouvido falar de Jesus, aproximou-se, na multidão, por detrás e tocou-lhe no manto. 28.Ela dizia: “Se eu conseguir tocar na roupa dele, ficarei curada”. 29.Imediatamente a hemorragia estancou, e a mulher sentiu dentro de si que estava curada da doença. 30.Jesus logo percebeu que uma força tinha saído dele e, voltando-se para a multidão, perguntou: “Quem tocou na minha roupa”? 31.Os discípulos disseram: “Tu vês a multidão que te aperta, e ainda perguntas: ‘Quem me tocou? ’” 32.Ele olhava ao redor para ver quem o havia tocado. 33.A mulher, tremendo de medo ao saber o que lhe havia acontecido, veio, caiu-lhe aos pés e contou toda a verdade. 34.Jesus então disse à mulher: “Filha, a tua fé te salvou. Vai em paz e fica livre da tua doença”.”

Pela primeira vez, Jesus curou alguém sem querer, a mulher tocou n'Ele e saiu uma força do interior d'Ele. Corremos o risco, na correria da vida, de empurrarmos e apertarmos Jesus sem perceber. Mas precisa haver um dia em que toquemos no Senhor do jeito que essa mulher fez. Cristo, ao ser tocado dessa maneira, para e pergunta: “Quem me tocou”, pois percebeu que alguém tinha tocado n'Ele de maneira diferente; e aquela mulher, trêmula, diz que foi ela e conta o seu testemunho.

Foi a fé dela quem a salvou. Se sua fé tiver o tamanho de um grão de mostarda será o bastante para Deus realizar um milagre! A fé dessa mulher fez com que ela andasse atrás de Jesus com a esperança de ser curada. E quem sabe sua esperança também lhe permita tocar de maneira diferente em Jesus e Ele lhe diga: “Vá em paz”. Em todas as curas realizadas pelo Senhor Ele se despede assim: “Vá em paz! A tua fé te salvou”.

E enquanto Jesus parava para conversar com aquela mulher, existia um pai aflito do lado, com medo de que sua filha morresse. Quantas vezes, precisamos primeiro esperar pelo milagre da vida do outro, e não entendemos isso e ficamos com inveja disso. No entanto, muitas vezes, precisamos esperar primeiro por isso [pelo milagre da vida do outro].

35.Enquanto ainda estava falando, chegaram alguns da casa do chefe da sinagoga dizendo: “Tua filha morreu. Por que ainda incomodas o mestre?” Imagine o desespero desse homem, enquanto ele via o milagre na vida do outro, ele recebia uma notícia dessa. O ditado que mais ouvimos é que “a esperança é a última que morre”, ele não tinha perdido as esperanças. Jesus ouviu a notícia e disse ao chefe da sinagoga: “Não tenhas medo, somente crê”. 37.Ele não permitiu que ninguém o acompanhasse, a não ser Pedro, Tiago e seu irmão João. 38.Quando chegaram à casa do chefe da sinagoga, Jesus viu a agitação, pois choravam e lamuriavam muito. 39.Entrando na casa, ele perguntou: “Por que essa agitação, por que chorais? A menina não morreu, ela dorme”. 40.E começaram a zombar dele. Afastando a multidão, levou consigo o pai e a mãe da menina e os discípulos que o acompanhavam. Entrou no lugar onde estava a menina. 41.Pegou a menina pela mão e disse-lhe: “Talitá cum!” ( que quer dizer: “Menina, eu te digo, levanta-te” ). 42.A menina logo se levantou e começou a andar — já tinha doze anos de idade. Ficaram extasiados de tanta admiração.

Os dois casos tinham doze anos. E você? Há quanto tempo está esperando? Para Deus não existe tempo que se perde, tudo é esperança! Eu não sei se você é “Jairo” ou a “mulher”? Se você está perdendo algo, como esse homem, que estava perdendo a filha. É uma dor imensa um pai perder um filho e Jesus diz a ele: “Creia”. Se você também está fazendo uma experiência de perda, o Senhor lhe diz: “Não tema! Creia”.

Hoje, você pode fazer a experiência de Jairo: volte para sua casa com Deus e lá, com Jesus, Ele lhe dirá: “Nem tudo está perdido! Confie em Mim! Vamos recomeçar”. Até o que está perdido Deus pode recuperar! O Senhor sabe interpretar o tamanho da sua dor, mesmo que você tenha perdido algo ou alguém, a esperança é a ultima que morre, mas esta tem de estar em Deus!

Por isso, a esperança o conduziu e o trouxe aqui, essa esperança é a sua fé. Precisamos cultivá-la, pois a esperança é a fé personificada. Eu não sei qual é a situação hoje, mas eu sei que você pode experimentar o que aquela mulher e aquele homem experimentaram.

Jesus está o “paquerando” há muito tempo. Ele o trouxe aqui para você experimentar esse amor que Ele tem por você. Hoje é o seu dia! O dia que Deus preparou para você experimentar a misericórdia d'Ele!

Transcrição e adaptação:Regiane Calixto

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo