Todos os cristãos são chamados a ser sal da terra e luz

Padre Paulo Ricardo
Foto: Wesley Almeida/CN

“Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus. Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e mentindo disserem todo tipo de mal contra vós, por causa de mim. Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus” (Mateus 5,11-12).

Esses foram os últimos versículos que ouvimos no domingo passado, agora na continuação das bem-aventuranças Jesus muda o tom do sermão nos dizendo: “Vós sois o sal da terra. Vós sois a luz do mundo”, esse contexto é para os cristãos perseguidos.

Todos os cristãos são chamados a ser sal da terra e luz do mundo, mas principalmente os perseguidos.

Que tipo de perseguição sofremos hoje na Igreja? Podemos ver pela vida de São Pio de Pietrelcina. Um frade que tinha estigmas, eram aspectos físicos de sua santidade, mas também aspectos interiores extraordinários, como o da perseguição, perseguição não somente dos de fora, mas dos que estavam dentro da Igreja. Ele, marcado pelo sofrimento e zelo pelas almas, dizia: “A salvação das almas custam sangue”. É aquilo que está no livro de Hebreus 9,22: “Não há redenção sem derramamento de sangue”. Quantas vezes, Padre Pio foi considerado um homem clinicamente morto, com febres de mais de 50°C, nesse período em que se encontrava doente, ele recebeu as chagas.

Um homem com um dom, a experiência de confessar-se com ele era extraordinária porque ele lia a alma das pessoas, e também tinha um grande amor pela alma dos seus filhos espirituais, quando lhes falava: “Quando o Senhor me chamar, eu direi: 'Senhor, eu fico aqui, na porta do Paraíso. Entrarei quando tiver visto entrar o último de meus filhos espirituais'”.

Ele realizava esse grande prodígio: Atender confissões e celebrar Santa Missa de forma especial. Padre Pio foi chamado a se configurar a Cristo de outras formas, não somente no físico, por meio das chagas, mas pelas calúnias, quando foi condenado injustamente, alguns padres e bispos tiveram inveja dele, com tudo isso, ele nunca falou mal da Igreja.

Com ele aprendemos que cada alma deve ser salva, e que cada alma tem preço de sangue. Ele pagou o preço da salvação de muitos, foi o único sacerdote que teve as chagas de Nosso Senhor, todos os outros foram leigos.

A Boa Nova desse grande santo italiano é ter se configurado a Cristo Crucificado. Jesus sofreu e morreu na cruz por todos, mas Ele escolhe algumas pessoas para partilhar Seu sofrimento.

“Assim também brilhe a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e louvem o vosso Pai que está nos céus” (Mateus 5,16).

Jesus nos diz por intermédio de Padre Pio: “Vai, ama-me de volta! Seja você também caluniado, chagado por mim! Ama-me de volta!”

Por isso, Padre Pio brilha como luz, assim também que a sua luz brilhe para o mundo no seu sofrimento. Olhe a história da Igreja que está marcada por tantos inimigos de fora, mas também de dentro. O inimigo que devemos temer não é o que está no externo, mas no interno, aquele que não quer que sejamos fiéis a Deus.

Outro exemplo que temos é o bem-aventurado José de Anchieta que não teve medo dos bárbaros de fora, mas dos bárbaros dentro dele, ainda seminarista escrevia poemas para a Virgem Maria como modo de preservar sua castidade.

Reze, portanto, pelas conversões. Igreja Celeste, são cidades iluminadas edificadas na montanha que não podem ser escondidas, enquanto isso na terra precisamos dessa batalha, para que nossa chama não se apague. Estamos em perigo, a Igreja triunfante já está plenamente realizada, aqui estamos em luta, contra os inimigos de Deus que estão fora e dentro da Igreja, e infiltrados nela, que estão fora e dentro de nós.

Mas a nossa luz não é nossa, é como a luz da lua que não tem luz própria, mas que reflete a luz do Sol, assim é a Igreja. Vivemos o mistério da lua que reflete a luz de Cristo. É a luz de Cristo que precisa brilhar!

Assista a um trecho da homilia:


Adquira essa pregação pelo telefone
(12) 3186-2600

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo